Tensão sem fim entre Austrália e Nova Zelândia: “Nossa bandeira foi copiada”

Não é a primeira vez que as bandeiras da Nova Zelândia e da Austrália são trocadas em eventos e cerimônias oficiais devido às semelhanças. E o governo neozelandês parece estar cansado destes equívocos. 

Um desses casos aconteceu nos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, no Brasil, durante a cerimônia de entrega das medalhas de uma prova de canoagem feminina. Na hora de hastear as bandeiras, a neozelandesa estava no lugar da australiana e vice-versa.

Tratam-se de dois países que compartilham histórias e tradições, além de uma notável semelhança entre as bandeiras, o que leva a esse tipo de equívoco em vários eventos e cerimônias oficiais e, por sua vez, raiva e constrangimento.

Por isso, na semana passada, o primeiro-ministro interino neozelandês, Winston Peters, acusou a Austrália de “copiar” a bandeira da sua nação e sugeriu ao país vizinho que mude de uma vez por todas o desenho.

“Temos uma bandeira que foi, há muito tempo, copiada pela Austrália. Deveriam mudar de bandeira e honrar o fato de termos feito esse desenho primeiro”, disse o governante, que está substituindo Jacinda Ardern, que está de licença de maternidade, à rede de televisão estatal (TVNZ).

Este não é o primeiro momento de tensão provocado pelos emblemas nacionais. Em 2016, a Nova Zelândia fez um referendo para decidir se trocava ou não de bandeira, com várias alternativas, mas a consulta popular acabou por rejeitar a mudança.

As bandeiras da discórdia

Mas, afinal, de onde vêm as semelhanças entre ambas e por que são alvo de disputa entre os dois países? Assim como várias outras bandeiras de antigas colônias do Império Britânico, as duas se baseiam no símbolo do Reino Unido, em especial, da Marinha Real.

Segundo a World Encyclopedia of Flags, há até menos de 100 anos, eram vistas variações dessa bandeira em quase toda parte – embora com símbolos locais – desde Myanmar ao Mandato Britânico da Palestina.

No entanto, tanto a Austrália como a Nova Zelândia compartilham outro símbolo em comum: o Cruzeiro do Sul, uma constelação que só pode ser vista do hemisfério sul. A única diferença está apenas no número e na cor das estrelas.

Enquanto a bandeira neozelandesa tem quatro estrelas vermelhas de cinco pontas, a australiana conta com seis estrelas brancas de sete pontas, sendo uma delas maior, que representa a Comunidade Britânica. Assim sendo, no centro da polêmica está quem (e quando) usou esses desenhos pela primeira vez.

A bandeira da Nova Zelândia foi adotada formalmente em 1902. Por sua vez, a da Austrália foi reconhecida em 1954, após três tentativas anteriores realizadas desde 1901. Curiosamente, o neozelandês William Stevens estava entre os cinco vencedores que apresentaram propostas para a bandeira australiana nesse ano.

A diferença de 50 anos entre a aprovação das duas bandeiras aumenta o debate sobre quem é o dono da ideia original. A Nova Zelândia argumenta que o desenho já era usado nos seus barcos desde 1860, e os australianos afirmam que também tinham uma versão semelhante desde o início do século XIX.

Durante décadas, surgiram movimentos reformistas nos dois países, exigindo mudanças no desenho das bandeiras. No entanto, foram poucas as vezes em que as críticas soaram tão alto como nos dias de hoje.

Existe uma tensão crescente nas relações bilaterais entre ambos e a polêmica das bandeiras parece ser apenas a manifestação visível de uma profunda crise latente.

A crise dos imigrantes

Uma pesquisa feita há alguns anos pelo Instituto Lowy de Políticas Internacionais, na Austrália, revelou que a Nova Zelândia era considerada “a melhor amiga” do país, posição tradicionalmente ocupada pelos EUA.

Mas, com a chegada ao poder de Jacinda Ardern, do Partido Trabalhista, no ano passado, as relações entre os dois países começaram a esfriar. Na verdade, o governo australiano e o partido neozelandês começaram a trocar duras críticas e acusações.

A ministra das Relações Exteriores australiana, Julie Bishop, disse que era “muito difícil construir confiança” com um governo liderado por trabalhistas, enquanto Ardern acusou o Executivo australiano de “espalhar mentiras”.

O ponto mais crítico foi quando a Austrália acusou o Partido Trabalhista neozelandês de estar por trás dos relatórios que revelaram que Barnaby Joyce, ex-vice-primeiro-ministro e líder do Partido Nacional, tinha dupla nacionalidade, tendo perdido o lugar no Parlamento em outubro de 2017.

Mas, na prática, o revés na relação entre os dois países aconteceu antes, mais precisamente no ano de 2014, quando a Austrália modificou sua Lei de Imigração e começou a deportar centenas de cidadãos neozelandeses que moravam lá.

Os trabalhistas classificaram como “draconiana” a detenção e deportação dos conterrâneos e as críticas se intensificaram quando a Austrália anunciou que iria triplicar o custo dos cursos universitários e reduzir os benefícios sociais para os neozelandeses.

Outro episódio crítico aconteceu este mês, quando foi divulgada a prisão de um neozelandês de 17 anos em um centro de detenção para adultos em Melbourne. O caso resultou na troca de farpas entre as autoridades dos dois países e, na semana passada, o ministro da Justiça neozelandês, Andrew Little, chegou a questionar o compromisso da Austrália relativamente aos direitos humanos.

Ciberia // BBC / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Pesquisadores descobrem a primeira nova cepa de HIV em quase duas décadas

Um estudo dos Laboratórios Abbott e da Universidade do Missouri (EUA) detectou a primeira nova cepa de HIV em 19 anos, desde que as diretrizes para classificação de subtipos foram estabelecidas em 2000. A cepa faz …

Google, Facebook e Microsoft propõem que Pentágono controle inteligência artificial

Microsoft, Google e Facebook estão pedindo para que Washington assuma controle sobre o desenvolvimento da inteligência artificial. Dois gigantes do Vale do Silício do GAFAM, Google e Facebook, juntos com a Microsoft, exortam, através de seu …

Georg Elser, o lobo solitário que quase matou Hitler

Em 8 de novembro de 1939, um carpinteiro alemão por pouco não mudou o rumo da história. Mas ditador nazista escapou do atentado preparado por ele em Munique. Passaram-se décadas até Elser ser reconhecido. Consta que …

Pela primeira vez, Brasil apoia embargo dos EUA a Cuba na ONU

Pelo 28º ano consecutivo, o embargo dos EUA imposto a Cuba há quase seis décadas foi condenado nesta quinta-feira (7) por uma esmagadora maioria na Assembleia Geral da ONU, onde a resolução cubana obteve 187 …

Inteligência artificial resolveria problema de Isaac Newton do século XVII

Um algoritmo astronômico descoberto por pesquisadores no Reino Unido resolveu um dos problemas que ninguém conseguiu solucionar desde Newton. A inteligência artificial (IA) poderia permitir que cientistas britânicos encontrassem uma solução em menos de um segundo …

O universo pode ser um loop gigante

Segundo um novo estudo liderado pelos cosmólogos Eleonora Di Valentino, da Universidade de Manchester (Reino Unido), Alessandro Melchiorri, da Universidade de Roma “La Sapienza” (Itália) e Joseph Silk, da Universidade Johns Hopkins (EUA), o nosso …

Macron afirma que Otan está em estado de "morte cerebral"

Em uma entrevista publicada nesta quinta-feira (07/11) pela revista The Economist, o presidente da França, Emmanuel Macron, afirmou considerar que a Otan está em situação de "morte cerebral". A opinião foi prontamente rebatida pela chanceler …

Hotel espacial com gravidade artificial pode ser construído em 2025

A Gateway Foundation planeja criar uma estação espacial rotativa que servirá tanto para pesquisas científicas quanto para passeios turísticos. Descrita no site da empresa como "o primeiro espaçoporto", a "The Von Braun Rotating Space Station" é …

Sobrevivente do Holocausto terá escolta policial após ser ameaçada na Itália

Uma sobrevivente do Holocausto de 89 anos recebeu a proteção da polícia italiana depois de ser ameaçada centenas de vezes nas redes sociais. Liliana Segre, que foi enviada ao famoso campo de extermínio de Auschwitz aos …

Lula poderá ser solto depois do STF derrubar prisão após segunda instância

O Supremo Tribunal Federal (STF) derrubou nesta quinta-feira (7), por 6 votos a 5, a prisão após condenação em segunda instância. A decisão pode beneficiar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que cumpre pena …