Tensão sem fim entre Austrália e Nova Zelândia: “Nossa bandeira foi copiada”

Não é a primeira vez que as bandeiras da Nova Zelândia e da Austrália são trocadas em eventos e cerimônias oficiais devido às semelhanças. E o governo neozelandês parece estar cansado destes equívocos. 

Um desses casos aconteceu nos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, no Brasil, durante a cerimônia de entrega das medalhas de uma prova de canoagem feminina. Na hora de hastear as bandeiras, a neozelandesa estava no lugar da australiana e vice-versa.

Tratam-se de dois países que compartilham histórias e tradições, além de uma notável semelhança entre as bandeiras, o que leva a esse tipo de equívoco em vários eventos e cerimônias oficiais e, por sua vez, raiva e constrangimento.

Por isso, na semana passada, o primeiro-ministro interino neozelandês, Winston Peters, acusou a Austrália de “copiar” a bandeira da sua nação e sugeriu ao país vizinho que mude de uma vez por todas o desenho.

“Temos uma bandeira que foi, há muito tempo, copiada pela Austrália. Deveriam mudar de bandeira e honrar o fato de termos feito esse desenho primeiro”, disse o governante, que está substituindo Jacinda Ardern, que está de licença de maternidade, à rede de televisão estatal (TVNZ).

Este não é o primeiro momento de tensão provocado pelos emblemas nacionais. Em 2016, a Nova Zelândia fez um referendo para decidir se trocava ou não de bandeira, com várias alternativas, mas a consulta popular acabou por rejeitar a mudança.

As bandeiras da discórdia

Mas, afinal, de onde vêm as semelhanças entre ambas e por que são alvo de disputa entre os dois países? Assim como várias outras bandeiras de antigas colônias do Império Britânico, as duas se baseiam no símbolo do Reino Unido, em especial, da Marinha Real.

Segundo a World Encyclopedia of Flags, há até menos de 100 anos, eram vistas variações dessa bandeira em quase toda parte – embora com símbolos locais – desde Myanmar ao Mandato Britânico da Palestina.

No entanto, tanto a Austrália como a Nova Zelândia compartilham outro símbolo em comum: o Cruzeiro do Sul, uma constelação que só pode ser vista do hemisfério sul. A única diferença está apenas no número e na cor das estrelas.

Enquanto a bandeira neozelandesa tem quatro estrelas vermelhas de cinco pontas, a australiana conta com seis estrelas brancas de sete pontas, sendo uma delas maior, que representa a Comunidade Britânica. Assim sendo, no centro da polêmica está quem (e quando) usou esses desenhos pela primeira vez.

A bandeira da Nova Zelândia foi adotada formalmente em 1902. Por sua vez, a da Austrália foi reconhecida em 1954, após três tentativas anteriores realizadas desde 1901. Curiosamente, o neozelandês William Stevens estava entre os cinco vencedores que apresentaram propostas para a bandeira australiana nesse ano.

A diferença de 50 anos entre a aprovação das duas bandeiras aumenta o debate sobre quem é o dono da ideia original. A Nova Zelândia argumenta que o desenho já era usado nos seus barcos desde 1860, e os australianos afirmam que também tinham uma versão semelhante desde o início do século XIX.

Durante décadas, surgiram movimentos reformistas nos dois países, exigindo mudanças no desenho das bandeiras. No entanto, foram poucas as vezes em que as críticas soaram tão alto como nos dias de hoje.

Existe uma tensão crescente nas relações bilaterais entre ambos e a polêmica das bandeiras parece ser apenas a manifestação visível de uma profunda crise latente.

A crise dos imigrantes

Uma pesquisa feita há alguns anos pelo Instituto Lowy de Políticas Internacionais, na Austrália, revelou que a Nova Zelândia era considerada “a melhor amiga” do país, posição tradicionalmente ocupada pelos EUA.

Mas, com a chegada ao poder de Jacinda Ardern, do Partido Trabalhista, no ano passado, as relações entre os dois países começaram a esfriar. Na verdade, o governo australiano e o partido neozelandês começaram a trocar duras críticas e acusações.

A ministra das Relações Exteriores australiana, Julie Bishop, disse que era “muito difícil construir confiança” com um governo liderado por trabalhistas, enquanto Ardern acusou o Executivo australiano de “espalhar mentiras”.

O ponto mais crítico foi quando a Austrália acusou o Partido Trabalhista neozelandês de estar por trás dos relatórios que revelaram que Barnaby Joyce, ex-vice-primeiro-ministro e líder do Partido Nacional, tinha dupla nacionalidade, tendo perdido o lugar no Parlamento em outubro de 2017.

Mas, na prática, o revés na relação entre os dois países aconteceu antes, mais precisamente no ano de 2014, quando a Austrália modificou sua Lei de Imigração e começou a deportar centenas de cidadãos neozelandeses que moravam lá.

Os trabalhistas classificaram como “draconiana” a detenção e deportação dos conterrâneos e as críticas se intensificaram quando a Austrália anunciou que iria triplicar o custo dos cursos universitários e reduzir os benefícios sociais para os neozelandeses.

Outro episódio crítico aconteceu este mês, quando foi divulgada a prisão de um neozelandês de 17 anos em um centro de detenção para adultos em Melbourne. O caso resultou na troca de farpas entre as autoridades dos dois países e, na semana passada, o ministro da Justiça neozelandês, Andrew Little, chegou a questionar o compromisso da Austrália relativamente aos direitos humanos.

Ciberia // BBC / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Ataques iranianos teriam deixado 11 militares dos EUA feridos

Ao menos 11 militares norte-americanos foram retirados do Iraque para receberem tratamento médico em decorrência dos ataques iranianos contra as bases dos EUA. "Quando ficarem aptos para o serviço, estes militares regressarão ao Iraque", declarou à …

Evo recua e diz que não pretende mais criar milícias

Em carta pública divulgada nesta quinta-feira (16/01), o ex-presidente da Bolívia Evo Morales, que está refugiado na Argentina há mais de um mês, recuou da ideia de promover a formação de milícias no país. "Há alguns …

Dinossauros foram extintos por impacto de asteroide, defende pesquisa científica

O mistério que levou ao fim da era dos dinossauros motiva pesquisadores do mundo inteiro a debater o que teria provocado essa extinção. Um novo estudo busca descartar a teoria de que a atividade vulcânica …

Microsoft assume compromisso de ser uma empresa carbono negativo até 2030

A Microsoft fez uma transmissão ao vivo para contar ao mundo o seu engajamento com o meio ambiente, a fim de trazer um futuro mais sustentável. Em apresentação conduzida por Satya Nadella (CEO), Amy Hood (CFO) …

Marine Le Pen se lança em pré-campanha presidencial

A líder da extrema direita francesa, Marine Le Pen, anunciou nesta quinta-feira (16) o lançamento de sua campanha “pré-presidencial”. O pleito acontece apenas em 2022, mas a candidata derrotada no segundo turno em 2017, que enfrenta …

Bolsonaro é autor de mais da metade dos ataques a jornalistas em 2019

Em todo o ano foram registrados 208 casos de ataques a veículos de comunicação e jornalistas, um aumento de 54%. Presidente foi responsável por 121 deles, afirma a entidade. O presidente Jair Bolsonaro, sozinho, é responsável …

Qual a idade em que somos mais infelizes, segundo a ciência

A chamada crise dos 40 deixou de ser um mito, pelo menos de acordo com uma ampla pesquisa realizada em 134 países pelo economista David Blanchflower, professor da universidade Dartmouth College, nos EUA, e ex-membro …

Trump fecha acordo e sinaliza fim da "guerra fiscal" com a China

Na última quarta-feira, os Estados Unidos e a China firmaram um acordo que pode ser o primeiro passo para o fim da chamada “guerra comercial” entre as potências. O pacto, que foi anunciado em dezembro do …

YouTube vincula anúncios em vídeos controversos sobre mudanças climáticas

Uma notícia deixou algumas empresas anunciantes do YouTube surpresas. Segundo estudo feito pela Avaaz, a plataforma de vídeos da Google tem vinculado anúncios de grandes companhias em vídeos que têm como propósito desinformar as pessoas …

Premiê renuncia após Putin propor reformas constitucionais

Líder russo propõe pacote de mudanças com as quais, segundo críticos, poderia permanecer no poder após fim do mandato. Premiê Medvedev renuncia com todo o gabinete para "abrir espaço" às reformas. O presidente da Rússia, Vladimir …