Beijos de orangotangos podem guardar segredo da origem da fala humana

tambako / Flickr

Orangotango bebê

Orangotango bebê

Um grupo de cientistas afirma ter começado a desvendar segredos da origem da fala humana por meio da análise dos sons de “beijos” emitidos por orangotangos.

Uma das revelações do estudo, realizado na Universidade de Durham, no norte da Inglaterra, é que os animais transmitem diferentes mensagens com esses tipos de rangidos com os lábios, similares aos sons de consoantes. Isso pode dar pistas sobre como os homens formaram suas primeiras palavras.

Responsável pelo levantamento, o pesquisador Adriano Reis e Lameira contou que gravou e analisou cerca de 4,5 mil “beijos” de orangotangos ao longo de anos.

A equipe de pesquisadores diz que estudou esses rangidos em especial porque o movimento dos lábios, língua e mandíbula, e não a voz, é responsável pela emissão dos sons de muitas consoantes.

“Tendemos a acreditar que as palavras talvez tenham evoluído a partir de um precursor rudimentar para transmitir mensagens mais complexas”, explicou o pesquisador.

“Usamos o comportamento vocal dos orangotangos para voltar ao tempo em que nossos antepassados estavam usando aquilo que viria a se transformar nas consoantes e nas vogais.”

As conclusões da pesquisa foram publicadas na revista científica Nature Human Behaviour.

Vogais e consoantes

Os pesquisadores afirmam que estudar a parte das consoantes na evolução da linguagem tem sido mais difícil do que analisar os sons similares a vogais emitidos pelos primatas.

Mas segundo um dos autores do estudo, o professor Serge Wich, da Universidade Liverpool John Moores, compreender essa parte do processo é bastante importante, uma vez que elas são “blocos de construção” cruciais da fala humana. “Conseguimos formar mais combinações com consoantes do que com vogais“, explicou.

No total, 4.486 rangidos de “beijos” de 48 orangotangos de populações selvagens foram gravados e analisados. Com milhares de horas de escuta nas mãos, os pesquisadores descobriram que os animais incorporam diferentes pedaços de informação nesses ruídos.

Em uma das análises, a equipe constatou que os orangotangos pareciam transmitir uma mesma mensagem com diferentes sons, da mesma forma como nós humanos usamos diversas palavras para dizer a mesma coisa, como “carro”, “automóvel” e “veículo”.

“Eles pareciam deixar duplamente claro que a mensagem havia sido recebida com o reenvio dela usando um conjunto de rangidos de ‘beijo’ diferente”, disse Wich.

Segundo os cientistas, o estudo sugere que foi essa “redundância” – formar sons diferentes para transmitir a mesma mensagem, com o objetivo de reforçá-la – que levou à evolução primitiva da linguagem, e não um esforço concentrado para formar palavras complexas.

// BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Pessoas feias superestimam drasticamente suas aparências

Pessoas pouco atraentes parecem menos capazes de julgar com precisão sua própria atratividade, e tendem a superestimar sua aparência. Não faltam disparidades entre pessoas atraentes e pouco atraentes. Estudos mostram que os mais belos entre nós …

Noruega acusa Pequim de ciberataque contra serviços do governo

Pela primeira vez na história, o Serviço de Segurança Policial da Noruega (PST, na sigla em inglês) identificou a China como sendo responsável por um ataque hacker contra as autoridades do país nórdico. A agência de …

China supera marca de 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 aplicadas

Quantia representa mais de um terço das doses aplicadas no mundo. Após início lento da imunização, autoridades chinesas querem vacinar completamente 40% da população até o final de junho. O número de doses de vacinas contra …

Brasileiros protestam no exterior contra Bolsonaro e gestão da epidemia

Dezenas de milhares de pessoas tomaram as ruas de várias capitais brasileiras neste sábado para protestar contra o presidente Jair Bolsonaro e sua gestão da pandemia, que já deixou mais de meio milhão de …

Relíquia do Jurássico: descoberto animal marinho cuja espécie vive há 180 milhões de anos

Um grupo de pesquisadores descreveu uma nova espécie de ofíuros – um animal marinho parecido com as estrelas-do-mar, que recebeu o nome de Ophiojura, informou nesta quinta-feira (17) Tim O’Hara, curador dos Museus Victoria (Austrália) …

Projeto de estrada cortando parque das cataratas de Iguaçu ameaça outras áreas de proteção pelo Brasil

Uma das paisagens naturais mais impressionantes do Brasil e reconhecida pela Unesco, o Parque Nacional do Iguaçu, que abriga as cataratas, no Paraná, pode ser cortado ao meio por uma rodovia asfaltada – em …

Por que a imunidade de rebanho está longe de ser realidade

Embora costume ser apresentada como simples cálculo matemático, alcançar a imunidade de rebanho não é tarefa fácil. Ela não só depende da infecciosidade das variantes, como da adoção de medidas sanitárias pela população. Apesar das campanhas …

Uso de maconha na adolescência pode atrapalhar o desenvolvimento do cérebro

O consumo de maconha pode ser prejudicial ao cérebro humano durante a adolescência, de acordo com estudo publicado na última quarta-feira (16). Segundo a pesquisa, realizada em regiões da Europa, o uso recreativo da planta pode …

EUA terão feriado para comemorar fim da escravidão

Data já celebrada na maioria dos estados vai se tornar feriado federal. O "Juneteenth" lembra dia em que os últimos escravos negros foram libertados no país, em 1865. Após aprovação pelo Congresso dos Estados Unidos na …

5 perguntas sobre os denisovanos, 'parentes' extintos dos humanos modernos que viveram na Terra há 50 mil anos

Desde que os primeiros vestígios dos denisovanos foram descobertos em 2008, os cientistas não descansaram tentando obter mais informações sobre eles. A tarefa, no entanto, não tem sido fácil, porque até agora só foram encontrados pequenos …