Cientistas determinam causa do desaparecimento dos mamutes na Sibéria

Cerca de 4.000 anos atrás desapareceram os últimos mamutes-lanosos que habitavam nas regiões gélidas do Ártico, incluindo a Sibéria.

Durante décadas os cientistas acreditaram que estes ancestrais majestosos dos atuais elefantes se extinguiram porque eram constantemente caçados pelos humanos, no entanto, a análise de DNA dos antigos campos de pasto dos animais revela uma história diferente, aponta portal Cnet.

Pesquisadores afirmam que uma rápida mudança climática acabou com o suprimento de alimentos das criaturas. Mas, além de resolver o mistério do desaparecimento dos mamutes, essas descobertas podem proporcionar uma antevisão do destino de outras espécies se a nossa atual crise climática não for controlada.

“Com base em todos nossos modelos, demonstramos que a mudança climática, especificamente a precipitação, resulta diretamente na mudança da vegetação – os seres humanos não tiveram nenhum impacto sobre [os mamutes]”, disse em comunicado Yucheng Wang, zoólogo da Universidade de Cambridge e um dos principais autores do artigo publicado na revista Nature.

“Está é uma lição dura da história e mostra como as alterações climáticas são imprevisíveis – uma vez que algo se perde, não há como voltar atrás”, observou Eske Willerslev, professor da Universidade de Cambridge e diretor do Centro de Geogenética da Fundação Lundbeck na Universidade de Copenhague.

Eles pesavam cerca de 6 toneladas tinham cerca de 4 metros de altura, segundo Wang. Os mamutes-lanosos podiam “crescer até a altura de um ônibus de dois andares”.

Durante um período de dez anos Willerslev liderou uma equipe na dissecação de fragmentos de DNA coletados no solo antigo, onde os mamutes pastavam.

As amostras foram coletadas ao longo de 20 anos e analisados por meio de um método chamado sequenciamento de espingarda de DNA, pelo qual um fragmento longo de DNA é fisicamente quebrado em pequenos fragmentos que são clonados, sequenciados e montados usando análise por computador. Em vez de coletar informações genéticas de ossos ou dentes, o método sequencia o DNA a partir de vestígios de urina ou células descartadas.

Willerslev notou que tudo aconteceu porque, “à medida que o clima aquecia, as árvores e as plantas pantanosas substituiam os habitats de pastagem dos mamutes. Quando o clima ficou mais úmido e o gelo começou a derreter, isso levou à formação de lagos, rios e pântanos. O ecossistema mudou e a biomassa da vegetação diminuiu e não teria podido sustentar os rebanhos de mamutes”, afirmou Willerslev.

Por fim, Wang notou também que os seres humanos pré-históricos provavelmente passaram a maior parte do seu tempo caçando animais mais fáceis de capturar em comparação com os enormes mamutes, sugerindo que seu impacto na extinção destes animais foi indiscutivelmente menor do que se pensava anteriormente.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …