Controle de violência no YouTube pode deixar em branco um capítulo da História

(dr) Aleppo Media Centre

Omran Daqneesh sentado na cadeira de uma ambulância, depois de ter sobrevivido a um ataque aéreo na cidade de Aleppo, na Síria

Nos últimos meses, o site de compartilhamento de vídeos na internet anunciou uma nova política de remoção de vídeos com violência explícita ou de apoio ao terrorismo e, de um dia para o outro, centenas de milhares de vídeos do conflito na Síria desapareceram.

O controle de conteúdos violentos no YouTube pode “apagar” a história da guerra na Síria, uma das mais sangrentas da atualidade e uma das mais filmadas, com centenas de milhares de vídeos amadores carregados na internet, advertiram ativistas.

Ativistas ouvidos pela agência Associated Press advertiram que muitos vídeos contêm provas decisivas de violações dos direitos humanos, as quais correm o risco de se perder. Embora estejam sendo feitos esforços para organizar arquivos próprios, eles frisaram que não têm a infraestrutura tecnológica nem o alcance global do YouTube.

Por outro lado, afirmam, o YouTube acaba sendo uma janela para o mundo muito importante para os que resistem ao regime de Bashar al-Assad.

“É como estarmos escrevendo nossas memórias, não em um livro nosso, mas no livro de terceiros. Não temos controle sobre elas“, explicou Hadi al-Khatib, cofundador do Arquivo Sírio, um grupo criado em 2014 para preservar fontes abertas de provas de crimes cometidos pelas várias partes em conflito na Síria.

A partir da base de dados e informações dadas por cerca de 900 pessoas ou grupos, al-Khatib disse que cerca de 180 canais relacionados com a guerra na Síria foram fechados desde junho.

Até então, o YouTube apenas removia vídeos denunciados por internautas, mas a partir de junho passou a recorrer a um software especial para filtrar os vídeos carregados no site.

Em colaboração com o YouTube, o grupo de al-Khatib conseguiu que cerca de 20 canais fossem reabertos, recuperando cerca de 400 mil vídeos, mas 150 mil continuam em risco.

Ainda não há nada perdido para sempre. Mas isto é muito perigoso, porque não há alternativa ao YouTube”, disse al-Khatib. O YouTube, que é propriedade do Google, afirmou que corrigirá quaisquer erros recarregando vídeos indevidamente removidos e que está em diálogo com os ativistas para encontrar uma solução.

O fechamento de canais sírios foi especialmente frustrante para uma comunidade que acaba de obter uma vitória, em agosto, com a emissão pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) de um mandado de prisão contra um comandante líbio com base em provas de vídeo.

Um dos mais destacados grupos de defesa dos direitos humanos sírios, o Centro de Vídeo e Documentação na Síria (Video and Documentation Center in Syria), anunciou que deixará de utilizar o YouTube e que deve criar o próprio sistema de armazenamento e difusão.

“O risco se tornou muito grande e nós já não confiamos na plataforma para manter provas de violência”, respondeu por e-mail à AP o diretor executivo da organização, Husam Alkatkaby.

Mas nem todos os grupos têm capacidade para constituir a própria plataforma, até porque o YouTube fornece aos ativistas uma conta pessoal gratuita e ferramentas tecnológicas para editar, traduzir e carregar vídeos em qualquer momento, muito importante para os ativistas que estão no terreno.

O YouTube começou a ser usado por ativistas sírios em 2011 para registrar os protestos pacíficos contra o regime através de vídeos filmados com celulares.

À medida que o conflito evoluiu, os vídeos acompanharam a escalada, registrando as consequências de ataques com armas químicas, bombardeios aéreos, operações de salvamento para retirar crianças de edifícios destruídos pelas bombas e ataques contra socorristas ou sobreviventes em fuga.

Os grupos jihadistas carregaram vídeos de decapitações, enquanto membros do exército e da polícia divulgaram cenas de tortura e os apoiantes do governo distribuíram a própria propaganda.

Em 2016, o vídeo de uma criança coberta de sangue e pó entre sobreviventes de um bombardeio aéreo das forças governamentais em Aleppo foi visto por 4,3 milhões de pessoas no YouTube.

Robin Gross, diretor executivo de uma organização que promove a liberdade na internet, a IP Justice, defendeu que imagens poderosas, mesmo que impressionantes, ajudam a influenciar a opinião pública, como ocorreu na Guerra do Vietnã.

“O software de filtragem não avalia a importância de compreender um conflito e como a imagem, mesmo que explícita, pode contribuir para compreender melhor uma situação”, disse.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

'TikTok foi feito para ser viciante': o homem que investigou as entranhas do aplicativo

Uma tela de celular, um vídeo vertical e um minuto da sua vida. Esses três elementos são a essência do Tik Tok, a rede social de vídeos curtos que está viciando os jovens e que já …

Vacinação contra COVID-19 será facultativa em Portugal; especialistas divergem sobre o tema

Portugal anunciou seu plano nacional de vacinação contra COVID-19 nesta quinta-feira (3). As vacinas serão distribuídas em 1.200 centros de saúde pública a partir de janeiro, de forma gratuita e facultativa. Especialistas ouvidos pela Sputnik Brasil …

Nosso sistema solar será destruído antes do que pensávamos

Embora o solo sob nossos pés pareça sólido e reconfortante (na maioria das vezes), nada neste Universo dura para sempre. Um dia, nosso sol morrerá, ejetando uma grande proporção de sua massa antes que seu núcleo …

Mãe em Estocolmo não é mais suspeita de aprisionar filho

Promotores suecos estão retirando seu caso contra uma mulher acusada de prender o filho por vários anos. De acordo com as últimas informações, não há provas suficientes de que ele havia sido detido contra sua …

Mistério de galáxia desprovida de matéria escura é revelado

As observações astronômicas apontam para forças de "maré" e comportamento "canibal" de uma galáxia vizinha, que explicariam a escassez deste componente invisível. Se alguma galáxia é pobre em matéria escura, pode ser devido a uma interação …

Maioria das vacinas da Moderna será reservada no início para os Estados Unidos

A Moderna espera disponibilizar entre 100 e 125 milhões de doses de sua vacina contra a Covid-19 no primeiro trimestre de 2021. A empresa anunciou, nesta quinta-feira que, no início, entre 85 e 100 …

Amazonas é 3º estado com mais queimadas, emissões e desmatamento

Pela primeira vez, o Amazonas assume a terceira posição nos três principais rankings que indicam o avanço da degradação florestal na Amazônia brasileira, incluindo indicadores de queimadas, emissões de gases de efeito estufa e desmatamento …

Sudão bane casamento infantil e mutilação genital feminina, mas prática apresenta desafios

Depois de derrubar o ditador Omar al-Bashir no ano passado, o Sudão deu importante passo para reverter alguns dos tantos horrores cometidos contra a população feminina no país – e tornou ilegal tanto o casamento …

Namíbia elege deputado chamado Adolf Hitler

O nome de um recém-eleito político da Namíbia, vem chamando atenção na mídia nacionais e internacionais. "Adolf Hitler teve uma vitória esmagadora nas eleições regionais na Namíbia", relatou o portal de notícias alemão Spiegel Online nesta …

Astrônomos mapeiam 1 milhão de galáxias previamente desconhecidas

Cerca de um milhão de galáxias previamente desconhecidas para além da Via Láctea foram adicionadas a um mapa detalhado de seção de espaço. Pesquisas sobre o espaço normalmente demoram anos para serem completas, mas um novo …