COP26: Países em desenvolvimento acusam ricos de sacrificar a vida de bilhões na Terra

Patrick Hamilton / G20 Australia

Na metade da crucial COP26, os países em desenvolvimento criticaram nesta segunda-feira (8) os compromissos que consideram insuficientes das nações mais ricas, acusadas de sacrificar a vida de bilhões de habitantes do planeta na linha de frente do aquecimento global.

Durante a sessão plenária de balanço da primeira semana de negociações da COP26, grupos representativos de países em desenvolvimento e emergentes não mediram palavras para criticar a falta de compromissos dos colegas ricos com o clima, apesar das novas promessas, em particular de financiamento, feitas nos últimos dias.

“O grupo dos países menos desenvolvidos está preocupado que as ações de alguns países não estejam de acordo com as declarações, e que haja um descompasso entre as declarações públicas e o que está acontecendo nas negociações”, denunciou Sonam Phuntsho Wangdi, que preside o grupo durante o encontro.

Wangdi estava particularmente preocupado com a meta de limitar o aquecimento global a + 1,5°C em comparação com a era pré-industrial – a meta mais ambiciosa do acordo de Paris, que se tornou de fato o teto a não ser excedido para evitar os piores impactos – e que estaria refletido na decisão final desta COP26.

“Qualquer outro compromisso” neste ponto “significaria negociar com a vida de bilhões de pessoas nos países mais vulneráveis ​​como o nosso”, insistiu.

Antes desta COP, os compromissos dos Estados de redução de emissões de CO2 para 2030 levaram a um aquecimento “catastrófico” de 2,7° C, adicionando objetivos de neutralidade de carbono para meados do século, de acordo com o relatório de referência da agência de Meio Ambiente da ONU.

A primeira semana do encontro presenciou anúncios significativos, desde o fortalecimento das metas de redução de emissões para a Índia, Brasil ou Argentina, até o compromisso de cerca de 100 países para reduzir as emissões de metano, e até promessas de saída da exploração do carvão.

A ONU ainda não atualizou sua previsão de aumento de temperatura, mas de acordo com várias análises preliminares de outros especialistas, se e somente se todas as novas promessas fossem realmente cumpridas, poderíamos limitar um pouco o aquecimento abaixo de +2°C.

Mas, embora cada décimo de grau adicional acarrete sua cota de novas catástrofes, o teto de +1,5 °C ainda seria excedido. E o pedido das nações mais vulneráveis ​​de apresentarem compromissos mais ambiciosos a cada ano deve ser ignorado, disseram os observadores.

“Existem duas verdades aqui”, observou Helen Mountford, do grupo de estudos do World Resources Institute. “Avançamos muito em algumas áreas, que não havíamos imaginado há dois anos, mas, ao mesmo tempo, não é suficiente”.

“Caridade aleatória”

A maioria dos países carecia de “ambição” para implementar o acordo climático de Paris, lamentou em Glasgow Barack Obama, ex-presidente dos Estados Unidos na época da COP21 em Paris, em 2015, pedindo “mais” e elogiando a “raiva” de jovens sobre a crise climática.

Fazer mais em termos de ambição, mas também na explosiva questão do financiamento, insistindo em uníssono com os países em desenvolvimento, por acreditar que as suas “preocupações” não eram levadas em conta.

Há má-fé dos países desenvolvidos que sempre pedem aos países vulneráveis ​​que façam mais”, mas sem ter posto sobre a mesa os famosos “100 bilhões” prometidos, disse Ahmadou Sebory Touré, que preside o Grupo77 + China, que reúne 134 países em desenvolvimento e emergentes.

Em 2009, os países desenvolvidos prometeram aumentar sua ajuda aos países em desenvolvimento para US$ 100 bilhões por ano para reduzir suas emissões e se adaptar aos impactos. Mas mais de 20 bilhões ainda estavam faltando em 2019.

“Vamos parar de falar sobre o acesso ao financiamento”, denunciou Lia Nicholson, em nome da Aliança dos Pequenos Estados Insulares (Aosis), deplorando que as populações da linha de frente “estejam sendo mantidas reféns por uma instituição de caridade aleatória”.

Após a primeira semana da COP26, os ministros avançam agora para tentar encontrar compromissos sobre as principais orientações políticas, mas também sobre os artigos pendentes há três anos relativos às regras de aplicação do acordo de Paris, em particular o funcionamento dos mercados de carbono. E ainda há muito trabalho pela frente, com as sessões de negociações se estendendo até tarde da noite.

Mas alguns observadores duvidam da vontade dos grandes poluidores de chegar a uma declaração final ambiciosa, como a ativista Greta Thunberg, que já descreveu esta COP como um “fracasso” na frente de milhares de jovens manifestantes na sexta-feira (5) em Glasgow.

“Se a mudança climática é um alerta vermelho para a humanidade, por que tantos países na COP26 estão negociando como se fosse um simples simulacro de incêndio?”, criticou Rachel Rose Jackson, da ONG Corporate Accountability.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …