Covid-19: exame pioneiro mostra danos em pulmões 3 meses depois de infecção por coronavírus

A covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, pode estar causando anormalidades pulmonares ainda detectáveis mais de três meses após os pacientes serem infectados, revela um novo estudo.

Cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, usaram uma nova técnica para identificar danos não detectados por exames convencionais em 10 pacientes. O método usa um gás chamado xenônio durante tomografias para produzir imagens que revelam a extensão do comprometimento dos pulmões.

Segundo a comunidade científica, um teste que pudesse detectar danos a longo prazo faria uma enorme diferença para os pacientes de covid-19. A técnica do xenônio permite que os pacientes inalem o gás durante um exame de ressonância magnética.

O professor Fergus Gleeson, responsável pela pesquisa, testou sua técnica em 10 pacientes com idades entre 19 e 69.

Oito deles apresentavam falta de ar e cansaço persistentes três meses após contraírem o coronavírus, embora nenhum deles tivesse sido internado em UTIs (Unidade de Terapia Intensiva) ou necessitado de ventilação, e os exames convencionais não encontraram problemas nos pulmões.

Os exames mostraram sinais de danos nos pulmões — destacando áreas onde o ar não flui facilmente para o sangue — em oito pessoas que relataram falta de ar. Os resultados levaram Gleeson a planejar um experimento com até 100 pessoas para ver se o mesmo se aplica àquelas que não foram internadas e não sofreram de sintomas tão graves.

Ele está planejando trabalhar com clínicos-gerais para examinar pessoas que testaram positivo para covid-19 em diferentes faixas etárias.

Objetivo

O objetivo é descobrir se ocorre lesão pulmonar e, em caso afirmativo, se ela é permanente ou se resolve com o tempo. “Esperava algum tipo de dano pulmonar, mas não no grau que vimos”, diz Gleeson.

O risco de doenças graves e morte aumenta acentuadamente para pessoas com mais de 60 anos. Mas se o estudo descobrir que o dano pulmonar ocorre em uma faixa etária mais ampla e mesmo em pacientes que não requerem internação no hospital, “isso mudaria as regras do jogo”, acrescenta o especialista.

Gleeson diz acreditar que o dano pulmonar identificado pelas tomografias de xenônio pode ser um dos fatores por trás da “covid longa”, um tipo de covid em que as pessoas se sentem mal por vários meses após a infecção.

O novo exame foi desenvolvido por um grupo de pesquisa da Universidade de Sheffield, na Inglaterra, liderado pelo professor James Wild. Segundo ele, a técnica oferece uma maneira “única” de mostrar danos pulmonares causados pela infecção por covid-19 e seus efeitos colaterais.

“Em outras doenças pulmonares fibróticas, mostramos que os métodos são muito sensíveis a essa deficiência e esperamos que o trabalho possa ajudar a entender a doença pulmonar resultante da covid-19.”

Shelley Hayles é uma clínica-geral que vive em Oxford e está envolvida em ajudar a conduzir o experimento. Ela diz acreditar que até 10% das pessoas que tiveram covid-19 podem ter algum tipo de dano pulmonar que resulta em sintomas prolongados. “Superamos a marca de 1,25 milhão de casos — e 10% disso são muitas pessoas”, assinala.

Acrescenta que “quando a equipe médica diz aos pacientes que não sabe o que há de errado com eles e como resolver os sintomas, é muito estressante”.

“A maioria dos pacientes, mesmo que as notícias não sejam boas, quer conhecer seu diagnóstico”, diz Hayles.

Diagnóstico

Tim Clayden concorda. Ele passou seu 60º aniversário no Hospital John Radcliffe, em Oxford com sintomas de covid-19 que eram tão graves que ele acreditava que iria morrer. Felizmente, se recuperou, mas continua cansado até hoje. Clayden estava frustrado por não saber por que não estava se recuperando totalmente.

Ele diz que ficou ao mesmo tempo preocupado e aliviado quando soube, após se submeter a um dos exames de Gleeson, que seus pulmões estavam danificados. “Foi bom saber que há um problema com meus pulmões”, afirma. “Agora sei o que é. Sei a origem disso. O que não sei, porque ninguém sabe, é se é permanente ou se vai passar. Mas prefiro saber do que não saber”, acrescenta.

Samantha Walker, diretora de pesquisa e inovação da Asthma UK e da British Lung Foundation, diz: “Esta é uma pesquisa interessante e é importante que o dano pulmonar pós-covid seja examinado em maior profundidade e em maior escala para que possamos compreender melhor o danos causados a longo prazo“.

“Se uma pesquisa mais aprofundada mostrar que ocorre dano pulmonar, isso poderia permitir o desenvolvimento de um teste que pode medir o dano pulmonar causado pela covid-19, o que faria uma enorme diferença para muitas pessoas com problemas respiratórios da covid longa e também permitiria que tratamentos específicos sejam desenvolvidos.”

Ciberia // BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Cientistas resolvem enigma de esculturas de pedra de 3.200 anos da Turquia

Um recente estudo permitiu descobrir finalmente o significado e a função dos relevos em pedra criados há 3.200 anos no santuário de Yazilikaya, na Turquia, após 200 anos de conjeturas. No século XIII a.C., a alguns …

EUA não devem esperar retomada do diálogo com Pyongyang, diz irmã de Kim Jong-un

As expectativas de retomada do diálogo entre os EUA e a Coreia do Norte são erradas, podendo levar a uma "decepção ainda maior", declarou a irmã do líder norte-coreano. Na terça-feira (22), Kim Yo Jong, alta …

Ministro da Saúde diz que não há mudança de estratégia para a Coronavac

No início desta segunda-feira (21), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, revelou que não haverá qualquer mudança de estratégia para a aplicação da CoronaVac. A declaração do ministro foi feita em audiência ao Senado Federal, revelando …

Há 80 anos, Hitler invadia a URSS – e começava a perder a guerra

Adolf Hitler e seus generais vinham planejando há meses para este momento. No domingo, 22 de junho de 1941, havia chegado a hora: às 3h15 da manhã, a Wehrmacht, forças armadas nazistas, atacou a União …

Com apenas 2% da população imunizada, África quer fabricar suas próprias vacinas anticovid

A África do Sul anunciou nesta segunda-feira a primeira etapa para capacitar seu continente na produção de vacinas anticovid. A conclusão do projeto ainda não tem data prevista, mas a iniciativa já é vista …

Pessoas feias superestimam drasticamente suas aparências

Pessoas pouco atraentes parecem menos capazes de julgar com precisão sua própria atratividade, e tendem a superestimar sua aparência. Não faltam disparidades entre pessoas atraentes e pouco atraentes. Estudos mostram que os mais belos entre nós …

Noruega acusa Pequim de ciberataque contra serviços do governo

Pela primeira vez na história, o Serviço de Segurança Policial da Noruega (PST, na sigla em inglês) identificou a China como sendo responsável por um ataque hacker contra as autoridades do país nórdico. A agência de …

China supera marca de 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 aplicadas

Quantia representa mais de um terço das doses aplicadas no mundo. Após início lento da imunização, autoridades chinesas querem vacinar completamente 40% da população até o final de junho. O número de doses de vacinas contra …

Brasileiros protestam no exterior contra Bolsonaro e gestão da epidemia

Dezenas de milhares de pessoas tomaram as ruas de várias capitais brasileiras neste sábado para protestar contra o presidente Jair Bolsonaro e sua gestão da pandemia, que já deixou mais de meio milhão de …

Relíquia do Jurássico: descoberto animal marinho cuja espécie vive há 180 milhões de anos

Um grupo de pesquisadores descreveu uma nova espécie de ofíuros – um animal marinho parecido com as estrelas-do-mar, que recebeu o nome de Ophiojura, informou nesta quinta-feira (17) Tim O’Hara, curador dos Museus Victoria (Austrália) …