DARPA está criando “exército de insetos” para espalhar vírus geneticamente modificados

Um dos mais recentes programas governamentais de Defesa dos EUA tem preocupado a comunidade científica. Isto porque o Pentágono está patrocinando a criação de uma espécie de exército de insetos para espalhar vírus geneticamente modificados.

Intitulado “Insetos Aliados“, o novo programa governamental de investigação financiado pela Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA), tem gerado ondas de preocupação entre a comunidade científica. O receio é de que esteja em jogo o desenvolvimento de uma verdadeira arma biológica, que pode vir a ser incontrolável.

O objetivo do programa, como se refere no site da DARPA, é desenvolver “terapias direcionadas” para a proteção das culturas agrícolas dos EUA de doenças, inundações, geadas, e até mesmo de “ameaças introduzidas por atores estatais ou não estatais”.

Com recurso a técnicas como a edição de genes, o programa visa infectar insetos com vírus modificados e espalhá-los pelas culturas norte-americanas, tornando-as mais resistentes.

“Se um campo de milho for atingido por uma seca inesperada ou pela exposição súbita a um [agente] patológico, por exemplo, os insetos Aliados podem implementar um exército de pulgões, carregando um vírus geneticamente modificado, para retardar a taxa de crescimento da planta do milho”, explica o Live Science.

Esses “exércitos” de insetos se enquadram, assim, em uma estratégia de promoção da segurança alimentar, de acordo com os responsáveis do programa.

Uma versão que não descansa a comunidade científica.

Um grupo de cinco cientistas assinou uma carta, publicada pela revista Science, onde destacam que “as justificativas [governamentais] não são suficientemente claras”, conforme declarações de um dos coautores do texto, Silja Voeneky, professor de Lei Internacional na Universidade de Friburgo, na Alemanha, ao Washington Post.

“Por que haveriam de usar insetos? Poderiam usar sistemas de pulverização“, acrescenta Silja Voeneky, destacando que “usar insetos como vetor para espalhar doenças é uma arma biológica clássica“.

Por outro lado, o diretor do programa, Blake Bextine, destaca, também no Washington Post, que “sempre que se está desenvolvendo uma nova tecnologia revolucionária, há esse potencial para capacidades [tanto ofensivas como defensivas]”.

“Mas não é isso que estamos fazendo”, assegura Blake Bextine, destacando que o programa visa somente “assegurar a segurança alimentar” porque, no fundo, é um tema de “segurança nacional”.

O programa está ainda na fase inicial de desenvolvimento, mas os pesquisadores já conseguiram testar se um pulgão pode infectar um caule de milho com um vírus “desenhado” em laboratório para provocar a fluorescência. Um objetivo que teria sido alcançado com sucesso, explica Bextine ao jornal.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Identificada a causa da maior extinção em massa na história da Terra

A vida na Terra tem uma história longa, mas também extremamente turbulenta. Em mais de uma ocasião, a maioria de todas as espécies foi extinta e uma biodiversidade já altamente desenvolvida reduziu para um mínimo …

Cães farejadores de covid: eficazes e baratos, mas esnobados

A Europa está em pânico em meio ao segundo surto de covid-19, com taxas de contágio explodindo e os PIBs despencando. A Bélgica acaba de anunciar que não mais testará cidadãos assintomáticos, mesmo que tenham …

Bolsonaro é avaliado positivamente por 37% da população, diz pesquisa

Entre os que souberam do dinheiro na cueca do senador Chico Rodrigues (52%), 74% não mudaram sua avaliação sobre o presidente Bolsonaro. Os que mais mudaram de opinião foram os pesquisados com ensino superior (26%) …

Tribunal Constitucional da Polônia invalida direito ao aborto por malformação do feto

O Tribunal Constitucional da Polônia invalidou nesta quinta-feira (22) uma disposição que permitia a interrupção voluntária da gravidez (IVG) em caso de malformação do feto. Uma vez que a decisão entre em vigor, apenas o …

Estudo descobre 1,8 bilhão de árvores no deserto do Saara e no Sahel

Um estudo publicado na revista Nature descobriu que na região do Saara Ocidental e no Sahel, há mais de um bilhão de árvores. No meio da aridez do local, a surpreendente descoberta colocou um novo …

Guerra Fria 2.0 entre EUA e China será uma batalha tecnológica, dizem especialistas

A batalha mundial pelo domínio da alta tecnologia está cada vez mais centrada em EUA e China. Com confronto aberto no caso da Huawei, especialistas do clube Valdai alertam para uma longa guerra fria tecnológica …

Combate à corrupção reduz mortalidade infantil, aponta estudo

Auditorias anticorrupção realizadas em municípios brasileiros entre 2003 e 2015 reduziram a mortalidade infantil. Esta é a principal conclusão de um estudo, conduzido por pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, que relacionou o …

2.300 maneiras de prevenir o Covid-19 foram mapeadas por universidade brasileira

Está disponível online a Plataforma das Universidades contra COVID-19 organizada pelo Projeto Ciência Popular e desenvolvida em parceria com a Empresa Júnior de Sistemas de Informação da EACH/USP (Síntese Jr.). Em setembro havia sido publicado o …

Debate nos EUA: Trump não disse nada de novo para reverter vantagem de Biden, diz historiador

O segundo e último debate entre o presidente americano, Donald Trump, e seu rival democrata Joe Biden, nesta quinta-feira (22), em Nashville, foi mais civilizado do que a primeira confrontação entre os dois candidatos …

Mais humanos estão evoluindo para ter três artérias nos braços; entenda porquê

Não se engane ao achar que o corpo humano não está em constante evolução. Pesquisadores australianos descobriram recentemente que o nosso organismo parece estar, aos poucos, desenvolvendo uma nova artéria no braço: a artéria mediana. Esse …