“Davos do deserto” atrai Bolsonaro e empresários à Arábia Saudita, apesar de execução de jornalista

ABr

Jair Bolsonaro

Dirigentes do alto escalão americano, grandes empresários e chefes de Estado, como o brasileiro Jair Bolsonaro, prestigiam nesta segunda-feira (29) o “Davos do deserto”, um fórum econômico promovido pela Arábia Saudita.

O reino deseja recuperar o fracasso do evento de 2018, que foi boicotado pela comunidade internacional em decorrência do assassinato do jornalista opositor Jamal Khashoggi.

Cerca de 300 participantes de 30 países confirmaram presença na Iniciativa de Investimento Futuro (FII, na sigla em inglês), nome oficial do fórum, uma vitrine da Arabia Saudita enquanto economia dinâmica do Oriente Médio e aberta a investidores estrangeiros.

O conselheiro e genro do presidente americano, Jared Kushner, próximo do príncipe herdeiro saudita Mohammed Bin Salman, é uma das presenças ilustres do evento, assim como os secretários do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, e da Energia, Rick Perry.

“Para os Estados Unidos, há dois pesos e duas medidas em relação à Arábia Saudita. Todo mundo sabe que o príncipe herdeiro Salman ordenou a execução de Khashoggi, mas não houve nenhuma sanção contra ele”, ressalta Ardavan Amir-Aslani, advogado especialista em negócios com o Oriente Médio, em entrevista à RFI.

“Isso acontece pura e simplesmente para atender à vontade de fazer negócios com os sauditas. Quando o premiê indiano afirma que vai comparecer, sabemos perfeitamente que é para evitar uma maior aproximação entre a Arábia Saudita e o Paquistão”, sublinha.

Direitos humanos de lado

Além de Bolsonaro, comparecem o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, o rei da Jordânia, Abdallah II, e diversos presidentes africanos.

Os CEOs do Blackstone Group e do SoftBank Group, grandes firmas de investimentos, e os presidentes dos fundos soberanos do Kuwait, dos Emirados Árabes Unidos, de Cingapura e da Rússia também estarão presentes.

A agenda oficial divulgada pelo Planalto indica apenas dois compromissos de Bolsonaro: uma reunião com o presidente do grupo Goldman & Sachs, John Waldron, e o jantar oficial oferecido pelo reino aos chefes de Estado e de Governo.

“O FII deste ano é muito diferente do ano passado. As ameaças de sanções à Arábia Saudita pelas questões de direitos humanos passaram”, explica à AFP o analista Ryan Bohl, da consultoria americana Stratfor. “Muitos dirigentes não têm nenhum escrúpulo de se aproximar da Arábia Saudita neste ano.”

Em 2018, o fórum aconteceu pouco depois do assassinato chocante do jornalista Khashoggi, em pleno consulado saudita em Istambul. O crime provocou uma comoção mundial – o opositor foi decapitado e seu corpo, desmembrado.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …