Descoberta a evidência mais antiga de atividade humana

Michael Chazan / Universidade Hebraica de Jerusalém

Caverna Wonderwerk.

Uma das atividades mais antigas de humanos foi identificada em uma caverna na África do Sul. Uma equipe de geólogos e arqueólogos encontrou evidências de que nossos ancestrais estavam fazendo fogo e ferramentas na Caverna Wonderwerk no deserto de Kalahari, há cerca de 1,8 milhões de anos.

Um novo estudo publicado na revista Quaternary Science Reviews de pesquisadores da Universidade Hebraica de Jerusalém e da Universidade de Toronto propõe que Wonderwerk — que significa “milagre” em africâner — contém a evidência mais antiga de atividade humana já descoberta.

“Agora podemos dizer com confiança que nossos ancestrais humanos estavam fazendo ferramentas simples de pedra Oldowan dentro da Caverna Wonderwerk há 1,8 milhões de anos”, compartilhou o principal autor do estudo, professor Ron Shaar, da Universidade Hebraica.

Ferramentas de pedra oldowan são o tipo mais antigo de ferramentas que datam de 2,6 milhões de anos atrás. Uma ferramenta oldowan, que era útil para cortar, foi feita desgastando uma pedra, ao atingí-la com outra pedra.

O professor Shaar explicou que Wonderwerk é diferente de outros locais antigos onde fragmentos de ferramentas foram encontrados porque é uma caverna, não um local ao ar livre, onde as origens das amostras são mais difíceis de identificar e a contaminação é possível.

Estudando a caverna, os pesquisadores foram capazes de descobrir quanto tempo — há mais de um milhão de anos — quando uma mudança nas ferramentas de Oldowan para os primeiros machados pôde ser observada. Investigando mais profundamente na caverna, os cientistas também estabeleceram que o uso proposital do fogo poderia ser datado para um milhão de anos atrás.

Isso é significativo porque exemplos de uso precoce de fogo geralmente vêm de locais ao ar livre, onde há a possibilidade de que eles resultem de incêndios florestais. Os restos de fogueiras antigas em uma caverna — incluindo ossos queimados, cinzas e ferramentas — contêm pistas claras sobre seu propósito.

Para datar precisamente sua descoberta, os pesquisadores contaram com paleomagnetismo e datação funerária para medir sinais magnéticos dos restos escondidos dentro de uma camada de rocha sedimentar de 2,5 metros de espessura. Partículas de argila pré-históricas que se estabeleceram no chão da caverna exibem magnetização e podem mostrar a direção do antigo campo magnético da Terra. Conhecer as datas das inversões de campo magnético permitiu que os cientistas reduzissem a faixa de data das camadas das cavernas.

O professor Ari Matmon, da Universidade Hebraica, usou outro método de datação para solidificar suas conclusões, focando em isótopos dentro de partículas de quartzo na areia que “têm um relógio geológico embutido que começa a funcionar quando entram em uma caverna”. Ele elaborou que, em seu laboratório, os cientistas eram “capazes de medir as concentrações de isótopos específicos nessas partículas e deduzir quanto tempo havia passado desde que esses grãos de areia entraram na caverna”.

Encontrar as datas exatas da atividade humana na Caverna Wonderwerk poderia levar a uma melhor compreensão da evolução humana na África, bem como o modo de vida de nossos ancestrais primitivos.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

"Peças extraordinárias" achadas na Indonésia podem ser da lendária "ilha do Ouro"

Tesouros no valor de milhões de dólares encontrados nos últimos cinco anos ao longo do rio Musi podem ser do antigo império malaio Serivijaia, na ilha de Sumatra, que por 300 anos dominou as rotas …

Pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", diz diretor da OMS

A pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", disse neste domingo (24) o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus. O representante da ONU discursou na abertura …

Google está “criando Deus”, alerta ex executivo da Google

Segundo um ex-executivo do Google, a singularidade está chegando. E, segundo ele isso representa uma grande ameaça para a humanidade. Mo Gawdat, ex-diretor de negócios da organização moonshot do Google, que na época se chamava Google …

Pandemia causa a maior redução na expectativa de vida desde a Segunda Guerra

Desde a descoberta do coronavírus SARS-CoV-2, mais de 4,9 milhões de pessoas morreram oficialmente em consequência da infecção, segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins. Nesse cenário, a pandemia da covid-19 reduziu a expectativa de vida …

Forças Armadas da Noruega assinam contrato bilionário de mísseis para caças F-35

Noruega tem sido um parceiro ativo no programa de caças dos EUA F-35, tendo em conta que 18 empresas deste país nórdico são parceiros diretos. Subsequentemente, a Noruega decidiu adquirir 52 caças F-35 para substituir …

Brasil fez lobby para mudar relatório climático, diz Greenpeace

Vários países, entre eles o Brasil, tentaram fazer mudanças em um crucial relatório da ONU sobre como combater o aquecimento global, afirmou o Greenpeace nesta quinta-feira (21/10), citando um grande vazamento de documentos. Os documentos aos …

Site da Coreia do Sul é usado para hospedar vírus e distribuí-lo via torrents

Uma campanha de distribuição de malwares na Coreia do Sul está disfarçando cavalos de troia de acesso remoto como um jogo para o público adulto, compartilhado via serviço de hospedagem de arquivos, como o WebHard, …

América Latina pode levar ‘muitos anos’ para superar impacto da pandemia, alerta FMI

Os efeitos negativos da pandemia de Covid-19 em termos de produtividade, emprego e capital humano na América Latina e Caribe podem "demorar muitos anos para serem revertidos". O alerta foi feito nesta quinta-feira (21) pelo …

Dinossauro “garça do inferno com cara de crocodilo” é descoberto

Dois dinossauros carnívoros de dentes pontiagudos com crânios de crocodilo apareceram uma vez nas margens do rio na Ilha de Wight, na Inglaterra, revelam novos fósseis. Os cientistas deram às criaturas nomes científicos que se traduzem …

As 9 acusações contra Bolsonaro no relatório da CPI - e a manobra governista para tentar blindá-lo

Após o relatório da CPI da Covid no Senado acusar o presidente Jair Bolsonaro de nove crimes durante a pandemia, um senador da bancada governista tentou uma manobra para "blindar" o chefe do Executivo e …