SuperBowl do Senado: EUA param para ver Comey acusar a Casa Branca de mentir

(dr) BrookingsInst / Flickr

James Comey, ex-diretor do FBI

James Comey, ex-diretor do FBI

O ex-diretor do FBI (a Polícia Federal norte-americana) James Comey disse hoje (8) que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o difamou e também aos seus colegas, ao afirmar que a organização estava em completa desordem.

A afirmação foi feita durante seu depoimento ao Comitê de Inteligência do Senado sobre a investigação que conduziu a respeito das relações entre a Rússia e a equipe de Trump, até ser demitido no último dia 9 de maio.

Segundo ele, as conversas com o presidente foram “perturbadoras” e as diferentes explicações que o presidente deu para tê-lo demitido são confusas e o preocupam. O ex-diretor do FBI disse que não tem dúvidas de que a Rússia tentou interferir nas eleições norte-americanas, mas que tem confiança de que nenhum voto foi alterado.

Ele também disse que o FBI já sabia de ataques cibernéticos da Rússia desde 2015 e afirmou que, enquanto ele foi diretor, Trump não esteve na mira das investigações. Comey disse ainda que não cabe a ele dizer se o presidente tentou “obstruir a Justiça” durante suas conversas particulares.

Repetindo o que já havia divulgado em seu testemunho divulgado ontem (7), Comey disse que redigiu relatórios logo após os encontros com o presidente Trump, por saber que “chegaria o dia” em que precisaria de um relatório para defender seu nome e o da instituição.

Em seu testemunho, declarou que não tinha o hábito de redigir relatórios após encontros com o ex-presidente Barack Obama.

Comey disse que pediu a um amigo professor para divulgar seu relatório da conversa com Trump para a imprensa, acreditando que isso levaria o departamento de Justiça, que controla o FBI, a nomear um conselheiro especial para cuidar do caso.

Há relatos de que o amigo mencionado por Comey seria o professor da Universidade de Columbia Daniel Richman. O departamento de Justiça de fato nomeou Robert Mueller como conselheiro especial no último dia 17 de maio.

Em seu testemunho apresentado ao Senado na quarta-feira (7), Comey havia afirmado que, em um encontro com o presidente, Trump teria dito que seu assessor de Segurança Nacional, Michael Flynn, acusado de ter mantido contato recorrente com oficiais russos, era um “cara bom”, e teria pedido para que Comey deixasse de lado a investigação sobre ele.

Ainda assim, Comey afirmou que Trump não pediu para que ele abandonasse as investigações sobre a Rússia como um todo. Segundo ele, mesmo que terminasse a investigação sobre Flynn, a investigação sobre a Rússia não teria acabado, pois eram investigações separadas.

Comey afirmou que não entendeu o pedido de Trump para abandonar as investigações como uma ordem. Sobre o assunto, o filho do presidente, o empresário Donald Trump Jr., afirmou no Twitter que “conhecendo meu pai há 39 anos, quando ele ordena ou pede para que você faça algo não há ambiguidade, você sabe exatamente o que ele quis dizer”.

Ao ser questionado sobre o que faria se descobrisse que as conversas com Trump relatadas por ele foram gravadas, Comey disse “por mim tudo bem”, e disse que seria bom se elas fossem divulgadas. O ex-diretor disse que o “FBI é e sempre deverá ser independente” e que lamenta não ter tido tempo de se despedir dos colegas na agência.

Paola de Orte / Agência Brasil

A brasileira Victoria Herring, estudante de política, acordou às três da manhã para acompanhar o depoimento de Comey no Senado, evento apelidado de "Super Bowl de Washington"

A brasileira Victoria Herring, estudante de Política, acordou às três da manhã para acompanhar o depoimento de Comey no Senado, evento apelidado de “Super Bowl de Washington”

Comey estava “preocupado” que Trump mentisse

Questionado sobre tais conversas, o ex-diretor do FBI disse ainda que documentou os encontros a sós com o presidente porque tinha medo que, posteriormente, o republicano mentisse sobre o conteúdo dessas conversas.

“Estava genuinamente preocupado pelo fato de que ele pudesse mentir sobre a natureza dos nossos encontros. Sabia que podia chegar o dia no qual pudesse precisar de um registro do que ocorreu não só para me defender, mas também para defender o FBI”, declarou.

Além disso, ele destacou que nunca precisou tomar notas com outros presidentes, como é o caso de Barack Obama, com o qual se reuniu apenas três vezes em oito anos, assim como com o ex-presidente George W.Bush, quando era ainda um funcionário do alto escalão do Departamento de Justiça.

Sobre o tweet de Trump, em que o presidente “esperava” que não existissem gravações de suas conversas com o diretor do FBI, James Comey respondeu: “Meu Deus! Espero que essas gravações existam“.

Na mesma audiência, o senador Tom Cotton o questionou diretamente: “acredita que Trump esteve em conluio com a Rússia?”. Mas o ex-diretor do FBI não quis responder: “Essa é uma questão que penso não dever responder em uma reunião aberta”.

Relativamente à gestão que fez da investigação aos e-mails da rival democrata Hillary Clinton, Comey garantiu que não teria feito nada de diferente.

No final da audição, o senador Mark Warner afirmou que muitas perguntas ficaram ainda sem esclarecimento. Trump deverá ainda comentar as declarações do ex-diretor do FBI.

Ciberia // Agência Brasil / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …