SuperBowl do Senado: EUA param para ver Comey acusar a Casa Branca de mentir

(dr) BrookingsInst / Flickr

James Comey, ex-diretor do FBI

James Comey, ex-diretor do FBI

O ex-diretor do FBI (a Polícia Federal norte-americana) James Comey disse hoje (8) que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o difamou e também aos seus colegas, ao afirmar que a organização estava em completa desordem.

A afirmação foi feita durante seu depoimento ao Comitê de Inteligência do Senado sobre a investigação que conduziu a respeito das relações entre a Rússia e a equipe de Trump, até ser demitido no último dia 9 de maio.

Segundo ele, as conversas com o presidente foram “perturbadoras” e as diferentes explicações que o presidente deu para tê-lo demitido são confusas e o preocupam. O ex-diretor do FBI disse que não tem dúvidas de que a Rússia tentou interferir nas eleições norte-americanas, mas que tem confiança de que nenhum voto foi alterado.

Ele também disse que o FBI já sabia de ataques cibernéticos da Rússia desde 2015 e afirmou que, enquanto ele foi diretor, Trump não esteve na mira das investigações. Comey disse ainda que não cabe a ele dizer se o presidente tentou “obstruir a Justiça” durante suas conversas particulares.

Repetindo o que já havia divulgado em seu testemunho divulgado ontem (7), Comey disse que redigiu relatórios logo após os encontros com o presidente Trump, por saber que “chegaria o dia” em que precisaria de um relatório para defender seu nome e o da instituição.

Em seu testemunho, declarou que não tinha o hábito de redigir relatórios após encontros com o ex-presidente Barack Obama.

Comey disse que pediu a um amigo professor para divulgar seu relatório da conversa com Trump para a imprensa, acreditando que isso levaria o departamento de Justiça, que controla o FBI, a nomear um conselheiro especial para cuidar do caso.

Há relatos de que o amigo mencionado por Comey seria o professor da Universidade de Columbia Daniel Richman. O departamento de Justiça de fato nomeou Robert Mueller como conselheiro especial no último dia 17 de maio.

Em seu testemunho apresentado ao Senado na quarta-feira (7), Comey havia afirmado que, em um encontro com o presidente, Trump teria dito que seu assessor de Segurança Nacional, Michael Flynn, acusado de ter mantido contato recorrente com oficiais russos, era um “cara bom”, e teria pedido para que Comey deixasse de lado a investigação sobre ele.

Ainda assim, Comey afirmou que Trump não pediu para que ele abandonasse as investigações sobre a Rússia como um todo. Segundo ele, mesmo que terminasse a investigação sobre Flynn, a investigação sobre a Rússia não teria acabado, pois eram investigações separadas.

Comey afirmou que não entendeu o pedido de Trump para abandonar as investigações como uma ordem. Sobre o assunto, o filho do presidente, o empresário Donald Trump Jr., afirmou no Twitter que “conhecendo meu pai há 39 anos, quando ele ordena ou pede para que você faça algo não há ambiguidade, você sabe exatamente o que ele quis dizer”.

Ao ser questionado sobre o que faria se descobrisse que as conversas com Trump relatadas por ele foram gravadas, Comey disse “por mim tudo bem”, e disse que seria bom se elas fossem divulgadas. O ex-diretor disse que o “FBI é e sempre deverá ser independente” e que lamenta não ter tido tempo de se despedir dos colegas na agência.

Paola de Orte / Agência Brasil

A brasileira Victoria Herring, estudante de política, acordou às três da manhã para acompanhar o depoimento de Comey no Senado, evento apelidado de "Super Bowl de Washington"

A brasileira Victoria Herring, estudante de Política, acordou às três da manhã para acompanhar o depoimento de Comey no Senado, evento apelidado de “Super Bowl de Washington”

Comey estava “preocupado” que Trump mentisse

Questionado sobre tais conversas, o ex-diretor do FBI disse ainda que documentou os encontros a sós com o presidente porque tinha medo que, posteriormente, o republicano mentisse sobre o conteúdo dessas conversas.

“Estava genuinamente preocupado pelo fato de que ele pudesse mentir sobre a natureza dos nossos encontros. Sabia que podia chegar o dia no qual pudesse precisar de um registro do que ocorreu não só para me defender, mas também para defender o FBI”, declarou.

Além disso, ele destacou que nunca precisou tomar notas com outros presidentes, como é o caso de Barack Obama, com o qual se reuniu apenas três vezes em oito anos, assim como com o ex-presidente George W.Bush, quando era ainda um funcionário do alto escalão do Departamento de Justiça.

Sobre o tweet de Trump, em que o presidente “esperava” que não existissem gravações de suas conversas com o diretor do FBI, James Comey respondeu: “Meu Deus! Espero que essas gravações existam“.

Na mesma audiência, o senador Tom Cotton o questionou diretamente: “acredita que Trump esteve em conluio com a Rússia?”. Mas o ex-diretor do FBI não quis responder: “Essa é uma questão que penso não dever responder em uma reunião aberta”.

Relativamente à gestão que fez da investigação aos e-mails da rival democrata Hillary Clinton, Comey garantiu que não teria feito nada de diferente.

No final da audição, o senador Mark Warner afirmou que muitas perguntas ficaram ainda sem esclarecimento. Trump deverá ainda comentar as declarações do ex-diretor do FBI.

Ciberia // Agência Brasil / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Por que iceberg do tamanho do Rio de Janeiro que se desprendeu da Antártida anima cientistas?

Um iceberg gigante de cerca de 1.270 km² (a cidade do Rio de Janeiro tem 1.255 km²) quebrou e se desprendeu da Antártida, gerando euforia na comunidade científica. Na sexta-feira (26/2), instrumentos na superfície da plataforma …

Coronavírus: Por que vacinação sem lockdown pode tornar Brasil 'fábrica' de variantes superpotentes

O cenário atual no Brasil, que combina início da vacinação com transmissão descontrolada da covid-19, pode tornar o país uma "fábrica" de variantes potencialmente capazes de escapar por completo da eficácia das vacinas. Esta é …

Esquema de venda de vacinas falsas da COVID-19 é descoberto pela Interpol

Na última quarta-feira (3), autoridades da África do Sul apreenderam centenas de vacinas falsas da COVID-19, esquema que já havia sido alertado pela Interpol devido às disputas pelo imunizante no mundo inteiro. No país africano, foram …

Egito descobre cemitério de 2 mil anos com 600 cães e gatos

Pesquisadores poloneses encontraram cerca de 600 restos mortais de animais em um cemitério de dois mil anos, no Egito. De acordo com os cientistas, os corpos encontrados na necrópole são de gatos (cerca de 90% deles), …

Nova superterra encontrada pode dar pistas sobre vida fora do Sistema Solar

Um novo exoplaneta detectado orbitando uma estrela relativamente perto do nosso Sistema Solar, pode potencialmente ajudar a resolver enigmas sobre vida alienígena. Um exoplaneta com uma massa 2,8 maior do que a da Terra designado Gliese …

China anuncia meta de crescimento econômico mais modesta na abertura do Congresso Nacional do Povo

A reunião anual do Congresso Nacional do Povo da China foi aberta nesta sexta-feira (5), em Pequim, com o tradicional discurso do primeiro-ministro do país, Li Keqiang. O líder anunciou um objetivo de crescimento …

Análogo de Buraco negro de laboratório se comporta como Stephen Hawking previu

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia Technion-Israel tentaram confirmar duas das previsões mais importantes de Hawking, que a radiação hawking surge do nada e que não muda de intensidade ao longo do tempo, o que significa …

SP concentra 40% dos feminicídios com 200 mortes, diz estudo do Observatório de Segurança

A Rede de Observatórios da Segurança publicou seu relatório de dados sobre a violência contra a mulher do ano de 2020. O boletim, que traz números de cinco estados (SP, RJ, PE, CE e BA), mostrou …

Em pior momento da pandemia, Bolsonaro critica 'mimimi' e diz que brasileiro tem que enfrentar vírus

Um dia após o registro de novo recorde diário de mortes pela covid-19 no país, o presidente Jair Bolsonaro deu uma série de declarações dando a entender que o choro pelas vítimas é "frescura" e …

89% dos norte-americanos veem a China como inimiga ou concorrente

A maioria dos norte-americanos não vê a China como parceira e expressa preocupações crescentes sobre o histórico de direitos humanos e as práticas econômicas de Pequim, revelou uma nova pesquisa do Pew Research Center nesta …