EUA adicionam Xiaomi e mais 8 empresas chinesas à lista de companhias ligadas a militares

(dr) Xiaomi

Departamento de Defesa dos EUA lista Xiaomi e mais oito empresas por ligações com militares chineses. Para analistas, a listagem é um “frenesi final” do governo Trump em sua campanha anti-China.

Na quinta-feira (14), o Departamento de Defesa dos EUA adicionou a empresa de tecnologia Xiaomi à lista de empresas que supostamente estão ligadas ao Exército de Libertação Popular (ELP), de acordo com o Global Times.

Nesta sexta-feira (15), as ações da empresa caíram mais de 11% durante as negociações de mercado com a decisão. A Xiaomi confirmou que não pertence, não é controlada e não apoia militares chineses, de acordo com a mídia.

A notícia veio como uma surpresa para o mercado, pois de todas as companhias já incluídas na lista, a Xiaomi é uma das mais popularmente conhecidas por ser uma famosa fabricante de celulares e produtos eletrônicos.

Além da gigante tecnológica, outras empresas foram adicionadas à lista como a Advanced Micro-Fabrication Equipment Co (AMEC) e empresas do ramo aéreo, como a Skyrizon, Commercial Aircraft Corporation of China (COMAC) e a China National Aviation Holding Co.

De acordo com o Departamento de Defesa, as empresas listadas “apoiam as metas de modernização do Exército de Libertação Popular, garantindo seu acesso a tecnologias e conhecimentos avançados”.

Para analistas, com o histórico de recentes atritos entre China e EUA, não importa se há suposto envolvimento militar nas empresas, as políticas de Trump pretendem é suprimir e ganhar vantagem econômica e política diante do crescimento econômico chinês.

“Em geral, as táticas contínuas da administração Trump contra as empresas chinesas em um momento de transição de poder iminente têm como objetivo principal sinalizar seu legado em casa e no exterior ao ‘endurecer’ com a China, especialmente porque Trump enfrenta um segundo impeachment”, disse Hu Qimu, pesquisador-chefe do Sinosteel Economic Research Institute, citado pelo Global Times.

As recentes medidas adotadas pelo governo norte-americano em relação a empresas chinesas são observadas com um certo tipo de satisfação por parte de executivos financeiros dos EUA, que estão se acomodando no longo prazo das proibições de investimentos chineses no país e esperam que as regras sejam duradouras, segundo análise da Reuters.

Já para analistas chineses, é hora da China se unir contra a sinofobia norte-americana “ZTE, Huawei e Xiaomi se tornaram rivais que ‘ameaçam’ os Estados Unidos. Já é hora de as empresas chinesas trabalharem juntas para remodelar a cadeia da indústria na China e criar uma cadeia de suprimentos completamente doméstica”, declarou Hu Qimu citado pelo Global Times.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …