Trump eleva tarifas em novo round da guerra comercial com a China

Gage Skidmore / Flickr

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Em meio a negociações para encerrar disputa, taxas alfandegárias sobem de 10% para 25% em importações do país asiático equivalentes a 200 bilhões de dólares. China ameaça retaliar.

Uma nova elevação das taxas alfandegárias sobre o equivalente a 200 bilhões de dólares de bens importados da China entrou em vigor nesta sexta-feira nos Estados Unidos, agravando a guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo, que tem reflexos sobre toda a economia mundial.

O aumento das taxas alfandegárias entrou em vigor no momento em que uma delegação chinesa de alto escalão negocia, em Washington, um acordo comercial para pôr fim às disputas.

A partir da meia-noite, no horário da costa leste dos EUA, as alfândegas americanas passaram a cobrar 25% de impostos sobre mais 5 mil itens produzidos na China, incluindo modems e outros produtos de informática e também material de construção.

A medida não afeta produtos que deixaram os portos chineses antes desse horário e se encontram em trânsito. Como mercadorias enviadas por navio demoram cerca de três semanas para chegar aos Estados Unidos, na prática as tarifas somente começarão a valer ao fim desse período.

“Durante dez meses, a China pagou taxas alfandegárias aos Estados Unidos de 25% sobre 50 bilhões de dólares de [bens] tecnológicos, e 10% sobre 200 bilhões de dólares de outros bens”, escreveu o presidente Donald Trump na rede social Twitter. “Os 10% vão ser aumentados para 25% na sexta-feira“, acrescentou.

A China garantiu que vai retaliar, sem detalhar como, o que deve agravar a guerra comercial entre os dois países caso não se chegue a um acordo nos próximos dias. Pequim tem uma série de cartas na manga, incluindo um novo aumento de taxas sobre bens americanos e investigações antitruste que podem dificultar as operações das empresas americanas no seu mercado.

Os governos das duas maiores economias do mundo já impuseram taxas alfandegárias sobre centenas de bilhões de dólares às exportações de cada um. Os chineses impuseram taxas sobre importações americanas no valor de 110 bilhões de dólares.

Representantes dos dois países voltaram a negociar nesta quinta-feira, mas não chegaram a qualquer acordo. As negociações deverão continuar nesta sexta-feira. Na semana passada, uma outra rodada de negociações havia sido realizada em Pequim.

A delegação chinesa é liderada pelo vice-premiê Liu He, e do lado americano negociam o representante de Comércio, Robert Lighthizer, e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin.

Um dos pontos de discórdia é a política de Pequim para o setor tecnológico, que visa transformar as empresas estatais do país em importantes atores globais em setores de alto valor agregado, como inteligência artificial, energias renováveis, robótica e carros elétricos.

Os EUA consideraram que essa estratégia, impulsionada pelo Estado chinês, viola os compromissos da China em abrir o seu mercado, nomeadamente ao forçar empresas estrangeiras a transferirem tecnologia e ao dar subsídios às empresas domésticas, enquanto as protege da competição externa.

Em dezembro passado, Washington e Pequim acordaram um período de tréguas, mais tarde prolongado. No domingo, Trump quebrou a trégua e anunciou que os EUA iriam aumentar as taxas alfandegárias, acusando os chineses de voltarem atrás em compromissos feitos anteriormente.

Trump criticou duramente o deficit comercial dos Estados Unidos com a China, que atingiu 419 bilhões de dólares em 2018, afirmando que essa situação elimina empregos na indústria dos Estados Unidos. Ele já ameaçou impor tarifas de 25% a outros 325 bilhões de dólares em importações da China, o que cobriria o valor total dos produtos chineses importados anualmente pelos EUA.

Esse discurso é bem recebido pela base de apoiadores de Trump nos Estados Unidos. O presidente busca a reeleição em 2020.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

A corrida para salvar 33 marinheiros e 1 cachorro da ilha onde missionário foi morto por nativos há 1 ano

"Homens selvagens, provavelmente mais de 50, com armas caseiras, estão fazendo dois ou três barcos. Temo que eles nos alcancem no pôr do Sol. A vida de todos os tripulantes está em risco." A corrida contra …

Gigante chinesa do comércio eletrônico vende U$ 1 bilhão em 1 minuto

Sessenta e oito segundos. Esse foi o tempo que consumidores chineses levaram para gastar seu primeiro bilhão de dólares em vendas pela internet numa tradicional liquidação do país. O resultado surpreendente de vendas foi alcançado …

“A Tumba”: depósito de lixo nuclear está começando a se romper e afundar nas Ilhas Marshall

Antes de lançar a primeira bomba atômica do mundo, os EUA fizeram vários testes de detonações em locais remotos. O problema é que toda a radiação está até hoje nesses lugares, sendo que um desses …

Brasil dá 'sinal positivo' e valoriza participação no BRICS, diz especialista

Contrariando estimativas de que o governo de Jair Bolsonaro reduziria a importância do BRICS na sua política externa, o Brasil demonstra empenho e compromisso com o bloco, segundo especialista ouvido pela Sputnik. Em entrevista à Sputnik, …

Elon Musk fala em "curar o autismo" com as inovações da Neuralink

Participando de um podcast voltado à discussão da inteligência artificial (IA), o CEO da Neuralink, Elon Musk, erroneamente afirmou que sua empresa será capaz de curar distúrbios neurológicos como a esquizofrenia e o Alzheimer, além …

Bomba-H da Coreia do Norte seria 17 vezes mais poderosa que a de Hiroshima

Dados de satélite japonês forneceram detalhes do teste de uma arma termonuclear, realizado em 2017, indicando que sua explosão teria sido 17 vezes mais poderosa do que a bomba de Hiroshima. A Coreia do Norte estimou …

Aquecimento global afetará saúde das novas gerações, diz relatório

Um relatório publicado nesta quinta-feira na revista científica The Lancet, a poucas semanas da conferência internacional para o clima (COP25), alerta para os riscos sanitários relacionados ao aquecimento global e às emissões de gás carbônico. O …

Estudante abre fogo em escola na Califórnia

Ao menos duas pessoas morreram e outras três ficaram feridas depois que um aluno abriu fogo nesta quinta-feira (14/11) numa escola secundária no sul da Califórnia, nos Estados Unidos, causando pânico entre estudantes e funcionários. …

Governo italiano deve decretar estado de catástrofe natural em Veneza

Metade da cidade está debaixo d’água, atingida pela pior cheia em 53 anos. O nível subiu 187 cm na terça-feira (12), o segundo mais alto desde 1966. A situação levou o governo a decidir decretar …

Oxigênio descoberto em Marte intriga cientistas da NASA

Padrão de comportamento do oxigênio recém-descoberto pelo rover Curiosity, da NASA, é tão diferente que os cientistas não conseguem desvendá-lo através dos processos químicos conhecidos pela ciência. A agência espacial norte-americana divulgou os resultados da análise …