EUA vão limitar concessão de “green cards” para imigrantes pobres

O governo do presidente Donald Trump vai dificultar a concessão de residência permanente ou temporária e da cidadania americana para imigrantes legais de baixa renda.

De acordo com o texto de um novo regulamento apresentado nesta segunda-feira (12/08) e que deve entrar em vigor em outubro, o governo vai passar a considerar como “fator negativo” para a obtenção de residência ou cidadania a participação em programas sociais em um determinado período.

Com a mudança, os imigrantes deverão provar que são autossuficientes quando pedirem um novo status no país.

Na prática, imigrantes com visto temporário que dependem de auxílio estatal para alimentação (chamados de cupons de comida), moradia e saúde (Medicaid) poderão perder o direito de pedir um “green card” (autorização permanente para residência) ou requerer cidadania americana.

“Uma vez que esta norma seja implementada e seja efetiva a partir de 15 de outubro, os funcionários migratórios vão considerar que, se um estrangeiro recebeu ou recebe algumas das ajudas apontadas, isso será um fator negativo ao examinar seu caso”, disse o diretor interino do Escritório de Serviços de Cidadania e Imigração, Ken Cuccinelli, em entrevista coletiva na Casa Branca.

“Esta ação ajudará a garantir que se um estrangeiro entrar ou permanecer nos Estados Unidos ele deve se sustentar e não depender da assistência social“, completou Cuccinelli. A mudança marca a mais drástica de todas as políticas anti-imigração da gestão Trump, apontaram especialistas.

Pelas novas regras, mais da metade de todos os solicitantes a visto de residência com familiares nos EUA seriam rejeitados, segundo o Instituto de Políticas de Migração, uma organização de pesquisa. Cerca de 800 mil vistos de moradia foram concedidos em 2016.

A nova regra é derivada da Lei de Imigração de 1882, que permite que o governo dos EUA negue um visto para qualquer um que possa se tornar um “fardo público”. Por outro lado, o governo Trump informou que o novo regulamento não se aplica a pessoas que já têm green card, refugiados e requerentes de asilo, ou a mulheres grávidas e crianças.

Mas grupos defensores dos imigrantes argumentam que a regra discrimina migrantes dos países mais pobres, vai manter as famílias separadas e incentiva os residentes legais a desistirem da ajuda do governo, que provavelmente necessitariam para subsistir.

Imigrantes idosos que muitas vezes obtêm remédios a baixo custo através de programas subsidiados também podem ser obrigados a abdicar dessas ajudas, caso não queiram ser considerados um “fardo público”.

O governo do presidente Donald Trump já havia proposto em setembro do ano passado uma regulamentação para que os imigrantes que recebem legalmente benefícios públicos, como assistência alimentar e ajuda para habitação, possam perder a residência permanente.

A expectativa é que a regra anunciada nesta segunda-feira enfrente resistência jurídica nos próximos dias.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Primeiro-ministro renuncia e coloca fim a governo na Itália

Em discurso no Senado, Giuseppe Conte anuncia que vai deixar o cargo e acusa seu vice, Matteo Salvini, por crise na coalizão de governo. Presidente deve decidir sobre convocação de novas eleições. O primeiro-ministro italiano, Giuseppe …

Governo de Hong Kong espera "volta à calma" sem ceder a demandas de manifestantes

A chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, disse esperar que "uma volta à calma" esteja a caminho no território, depois que a grande manifestação do último domingo (18) acabou sem violência. Depois de …

Cientista americana diz ter certeza que a Terra será atingida por um asteroide

Uma cientista americana de uma ONG dedicada a proteger a Terra diz que é 100% certo que um asteroide atingirá nosso planeta. A cientista é Danica Remy, presidente da Fundação B612. Após a quase colisão da …

Justiça de El Salvador absolve acusada de homicídio por suspeita de aborto

Promotoria pedia pena de 40 anos de prisão para vítima de estupro que dizia não saber da gravidez até o momento do parto. País da América Central possui uma das legislações mais rigorosas do mundo …

EUA testam míssil após deixarem tratado nuclear

Os Estados Unidos anunciaram nesta segunda-feira (19/08) que realizaram um teste com um míssil de cruzeiro. Esse é o primeiro teste feito pelo país desde que deixou oficialmente o Tratado de Forças Nucleares de Alcance …

Astrônomos descobrem 39 galáxias antigas movendo-se tão rápido que nem mesmo o Hubble consegue vê-las

Astrônomos da Universidade de Tóquio (Japão) conseguiram detectar 39 galáxias muito antigas, do início do nosso universo, utilizando dados do espectro infravermelho de telescópios submilimétricos. A luz destas estrelas viajou nada menos que 11 bilhões de …

Trump confirma ter interesse em comprar Groenlândia

O presidente dos EUA, Donald Trump, confirmou em entrevista com jornalistas que tem interesse na compra da Groenlândia. O cientista político Vladimir Shapovalov comenta a declaração do líder norte-americano em entrevista ao serviço russo da …

Brexit sem acordo: tempos duros para britânicos, confirma relatório vazado

Segundo documento do governo vazado para imprensa, Reino Unido estará sujeito a meses de caos de transportes e carência de artigos básicos, caso se separe da UE sem um acordo de transição, como propõe o …

Pesquisadores criam adesivos corporais que verificam a saúde

A universidade de Stanford anunciou um novo experimento: adesivos corporais que leem informações a respeito da saúde da pessoa. Basicamente, os adesivos captam os sinais fisiológicos que emanam da pele, e então transmitem essas leituras de …

Bolsonaro se engana e critica Noruega com vídeo dinamarquês

O presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar a Noruega, que anunciou na semana passada a suspensão de repasses ao Fundo Amazônia. O mandatário, cujas políticas ambientais têm sido alvo de críticas internacionais, publicou um vídeo …