Facebook não vai alterar regras para anúncios políticos em 2020

O Facebook deu de ombros para o Congresso americano e disse na última quinta-feira que continuará com a atual política de anúncios na plataforma. Ou seja: as campanhas políticas que utilizam a rede social para direcionarem certas postagens – incluindo aquelas que geram desinformação (ou fake news, se você preferir) continuarão a fazer isso. Detalhe: o Facebook não se responsabilizará pela veracidade do conteúdo.

A decisão do Facebook vai de encontro ao que outras plataformas têm feito, como o Twitter e o Spotify, que vetaram propagandas de cunho político em suas redes e fizeram questão de anunciar essas mudanças a tempo para a corrida presidencial americana, que acontece este ano. Com isso, esperemos que a rede social de Mark Zuckerberg receba ainda mais críticas durante o pleito.

Em um post no blog oficial da empresa, Rob Leathern, diretor de gerenciamento de produtos do Facebook, que supervisiona a divisão de integridade da publicidade, ressaltou que o papel da empresa é de dar aos eleitores a liberdade de acessarem o que quiserem, lembrando, claro, da falta de uma regulamentação mais específica por lá.

“Na falta de regulamentação, o Facebook e outras empresas podem criar suas próprias políticas”, disse Leathern. “Baseamos o nosso no princípio de que as pessoas devem poder ouvir aqueles que desejam liderá-las, e que o que elas dizem deve ser examinado e debatido em público”, completa.

O que dizem os políticos?

A campanha de Trump, que tem criticado profundamente qualquer tentativa das empresas de tecnologia de regulamentar a publicidade política e já gastou mais de US$ 27 milhões na plataforma, apoiou amplamente a decisão do Facebook de não interferir na segmentação de anúncios ou definir padrões de verificação de fatos.

Os democratas, por outro lado, divergem entre si. Há um claro incômodo com o que a campanha de Trump pode fazer, mas, se o Facebook modificasse suas leis de anúncios, os próprios democratas poderiam ser impedidos de atuar da mesma maneira que eles tanto criticam, ou seja, com o envio de postagens direcionadas.

O Facebook minimizou a oportunidade de negócios em anúncios políticos, dizendo que a grande maioria de suas receitas veio de anúncios comerciais, e não políticos. Mas o Congresso observou que os anúncios na rede podem ser um ponto primordial da campanha de Trump, bem como os dos principais postulantes democratas.

Mas isso, porém, não impede que anúncios duvidosos – e até falsos – sejam publicados. Em outubro, por exemplo, um anúncio feito pela campanha de Trump no Facebook fez acusações falsas sobre Joe Biden e seu filho Hunter Biden. A propaganda rapidamente viralizou e foi vista por milhões de pessoas. Depois que a campanha de Biden pediu ao Facebook para derrubar o anúncio, a empresa recusou.

“Nossa abordagem é baseada na crença fundamental do Facebook na liberdade de expressão, no respeito pelo processo democrático e na crença de que, nas democracias maduras com uma imprensa livre, o discurso político já é sem dúvida o discurso mais minucioso que existe”, chefe de política global de eleições do Facebook , Katie Harbath, escreveu em carta enviada à campanha de Biden.

Em contrapartida, em uma tentativa de provocar o Facebook, a campanha presidencial de outra democrata, a senadora Elizabeth Warren, publicou um anúncio alegando falsamente que o CEO da empresa, Mark Zuckerberg, estava apoiando a reeleição de Trump. A plataforma também não retirou o anúncio.

Pessoas do alto escalão do Facebook disseram repetidamente que mudanças significativas em suas regras para anúncios políticos podem prejudicar a capacidade de organizações menores e com menos recursos financeiros para arrecadar dinheiro e organizar toda a rede. Em vez de revisar suas políticas, a plataforma fez pequenos ajustes.

Leathern disse que a rede social adicionará mais recursos de transparência à sua biblioteca de publicidade política nos próximos meses, um recurso para jornalistas e pesquisadores externos examinarem os tipos de anúncios exibidos pelas campanhas.

O Facebook também adicionará um recurso que permite que os usuários vejam menos anúncios de campanhas e questões políticas em seus feeds de notícias, algo que a empresa disse que muitos usuários solicitaram.

À medida em que as eleições americanas se aproximam, teremos mais noção de como as coisas vão acontecer. Nos resta esperar. Vale lembrar que, aqui no Brasil, 2020 é ano de eleições municipais.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Opositor belarusso é achado morto na Ucrânia

Ativista Vitaly Shishov ajudava compatriotas a fugir da perseguição do regime de Alexander Lukashenko, considerado o último ditador da Europa. Polícia investiga possível assassinato encenado como suicídio. Um ativista de Belarus foi encontrado morto nesta terça-feira …

Polônia concede visto humanitário a atleta olímpica e alimenta tensões com Belarus

A Polônia concedeu nesta segunda-feira (2) um visto humanitário para a atleta olímpica bielorrussa Krystsina Tsimanuskaya. A jovem afirma que estava sendo obrigada a deixar o Japão após ter criticado sua equipe e temia …

EUA e Reino Unido teriam dado 'luz verde' a Israel para retaliar Irã após ataque a petroleiro

Irã rejeitou o envolvimento do país no ataque contra o petroleiro Mercer Street no mar Arábico que ocorreu na quinta-feira (29), condenando as acusações lançadas pelo governo israelense. Tel Aviv teria recebido "luz verde" de Washington …

Incêndios causam mortes e devastação no sul da Europa

A União Europeia EU) enviou ajuda para a Turquia nesta segunda-feira (02/08), e voluntários se juntaram a bombeiros na luta contra fortes incêndios que já duram seis dias e mataram oito pessoas no país. Em …

Golpe militar em Mianmar completa seis meses e já resultou em quase mil mortes de civis

Aterrorizados pela repressão da junta militar e pela propagação do coronavírus, poucos birmaneses se atreviam a ir às ruas para protestar neste domingo (1º), quando completam-se seis meses do golpe de Estado que mergulhou …

Governo italiano vende casas a 2 euros na região da Sicília

Mais uma vez o governo italiano está vendendo casas em áreas rurais da Itália, após o sucesso da campanha para repovoamento de áreas abandonadas. Além de promover a ocupação por meio de incentivos para jovens e …

Bolsonaro admite não ter provas de fraudes eleitorais

Em live para a qual convocou veículos de imprensa, Bolsonaro exibiu uma série de teorias falsas, cálculos equivocados e vídeos antigos, já verificados e desmentidos, mas que ainda circulam na internet, como supostas evidências de …

A incrível civilização antiga que mumificava os mortos 2 mil anos antes dos egípcios

"As mais antigas evidências arqueológicas conhecidas de mumificação artificial de corpos", segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), estão presentes na América do Sul, na costa árida …

Delta pode causar covid-19 mais grave, alerta agência americana

Documento interno do órgão de prevenção de doenças dos EUA indica que a variante delta do coronavírus é tão contagiosa quanto a catapora e pode ser transmitida mesmo por indivíduos vacinados. "A guerra mudou", diz …

Vendas de vacinas anticovid impulsionam lucros de laboratórios

A empresa farmacêutica AstraZeneca anunciou nesta quinta-feira (28) que as vendas de sua vacina contra a Covid-19 alcançaram US $ 1,17 bilhão no primeiro semestre do ano. Este número corresponde à entrega de aproximadamente …