Fator inesperado pode estar na base da existência de antiga civilização

Especialistas consideram que o fluxo de frações de poeira grossa favoreceu a fertilidade dos solos, e, dessa forma, a sobrevivência dos primeiros humanos.

Um novo estudo defende que a existência de uma antiga civilização humana poderia ter dependido da qualidade do pó presente em uma região fértil a leste do Mediterrâneo, chamada Levante. Os resultados da pesquisa foram publicados recentemente pela revista científica Geology.

Segundo os especialistas, o Levante serviu como porta de entrada fundamental entre o norte da África e a Eurásia. Contudo, se a fonte de poeira na área não tivesse mudado há 200 mil anos, os primeiros humanos teriam tido mais dificuldade para sair do continente africano.

Ainda assim, os geólogos consideram que a presença de solos grossos no Levante, que tendem a se formarem em climas úmidos, o que facilitou aos primeiros humanos se estabelecerem na área. Diferentemente dos solos finos, que se formam em ambientes áridos com taxas de meteorização (decomposição de minerais e rochas) mais baixas.

Contudo, nos arredores do Mediterrâneo ocorre o contrário. As regiões mais úmidas do norte têm solos finos e improdutivos, enquanto as regiões mais áridas do sudeste têm solos grossos e produtivos.

Papel determinante da entrada do pó

Até o momento, esses padrões eram atribuídos a diferenças nas taxas de erosão impulsionadas pela atividade humana. Porém, a doutora Rivka Amit, do Serviço de Geologia de Israel, considera que a alta taxa de erosão não era uma razão suficiente.

Após a análise de amostras de pó dos solos da região, Amit e sua equipe concluíram que, provavelmente, a entrada de pó representou um papel determinante nas taxas de meteorização quando estas eram muito lentas para formar solos a partir de rochas.

Os geólogos identificaram que os solos finos tinham um tamanho de grão de pó mais fino procedente de desertos distantes como o Saara, diferentemente dos sólidos produtivos, que tinham um pó grosso chamado “loess”, procedente do deserto próximo de Néguev e seus enormes campos de dunas.

Amit considera que a erosão não é tão relevante. “O importante é se você obtém uma afluência de frações [de poeira] grossas. [Sem isso], você obtém solos finos e improdutivos”, agregou a autora do estudo, que comentou ainda que “todo o planeta estava muito empoeirado” naquela época.

Finalmente, os cientistas se surpreenderam ao encontrar solos mais finos debaixo do “loess” identificado no Levante, também conhecido como “terra do leite e mel” devido à sua produtividade.

“Sem os ventos ferozes e a formação do campo de dunas do Néguev, a área fértil que serviu como passagem para os primeiros humanos poderiam ter sido extremamente difícil de atravessar e sobreviver”, pois teria sido um entorno hostil, concluiu Amit.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Processo contra o Google nos EUA pode afetar o modo como você usa seu celular

Na última terça-feira (23), o Departamento de Justiça dos EUA entregou um "presente de Halloween" pouco agradável ao Google: um gigantesco processo antitruste, acusando a empresa de práticas que eliminam a competição nos mercados de …

Chilenos decidem a favor de nova Constituição por ampla maioria

Em plebiscito, quase 80% dos eleitores votam a favor de uma nova Carta Magna, em substituição à herdada da era Pinochet, e de que ela seja escrita por uma Assembleia Constituinte com igualdade entre mulheres …

'Vai comprar lá na Venezuela', rebate presidente a apoiador que reclamou de preço do arroz

O presidente Jair Bolsonaro rebateu neste domingo (25), durante passeio de moto por Brasília, crítica de apoiador sobre a alta do preço do arroz. No momento em que saia da Feira Permanente do Cruzeiro, região administrativa …

Espanha, Itália e França ampliam restrições em fim de semana com recorde de casos da Covid-19

Os líderes europeus intensificam as medidas de combate à pandemia do coronavírus, depois da alta de 42% de novos casos da Covid-19 em uma semana. A Itália reforçou neste domingo as medidas de restrição …

Pistachio, o cãozinho filhote que nasceu com pelo verde na Itália

O fazendeiro italiano Cristian Mallocci esperava uma ninhada normal de cachorros de sua cadelinha labradora. Entretanto, ao ver os filhotinhos que nasceram, ele percebeu que um era um pouquinho diferente. ‘Pistachio’, como foi nomeado posteriormente, …

Fóssil de pterossauro nunca antes visto de 100 milhões de anos é descoberto na China

Um novo gênero e uma nova espécie de pterossauro dsungaripterídeo, que viveu durante o Cretáceo Inferior, foram catalogados na China após análise de uma mandíbula inferior incompleta. Pterossauros eram répteis voadores que viveram simultaneamente com os …

A consciência é um campo energético: afirma estudo

Uma nova ideia incomum em neurociência sugere que nossa consciência é derivada de um campo de ondas eletromagnéticas emitidas pelos neurônios quando disparam suas cargas elétricas. A ideia é que essas ondas de atividade elétrica sejam …

Pais gays viram alvo de investigações na Rússia

Alguns anos atrás, o advogado Vladimir (nome modificado), morador de uma grande cidade russa, decidiu ter um filho com o auxílio de uma mãe de aluguel. Sua família inteira ficou contente quando uma menina nasceu. …

Líbano: Saad Hariri volta ao posto de primeiro-ministro para formar novo governo

Saad Hariri foi nomeado novamente primeiro-ministro do Líbano, com o desafio de chegar a um acordo com as várias forças políticas do país e formar um governo capaz de realizar as reformas necessárias para …

Alunos incentivam câmeras ligadas para que professores não ‘falem’ com telas em branco

Para amenizar a sensação de solidão de professores em aulas online, alunos norte-americanos começaram a usar o TikTok para incentivar mais estudantes a abrirem as câmeras durante encontros educacionais à distância. A usuária da rede social …