Os humanos (ou extraterrestres) têm um futuro pior que a extinção

Um físico teórico russo propôs uma nova explicação para o paradoxo de Fermi e, de tão assustadora que é, até o próprio “espera estar errado”. O cientista acredita que a nossa civilização terá um futuro “pior que a extinção”.

Se o Universo é tão vasto que a existência de civilizações extraterrestres parece garantida, por que a humanidade ainda não detectou nenhum vestígio delas? Esta é a grande contradição, o chamado Paradoxo de Fermi, que ocupa a mente de cientistas há anos.

Diversas teorias tentam explicar a ausência de sinais de vida extraterrestre – desde que podem estar em hibernação até as explosões de raios gama, passando pela ideia de que os extraterrestres já morreram ou estão submersos em planetas aquáticos.

Alexander Berezin, cientista da Universidade Nacional de Pesquisa de Tecnologia Eletrônica, na Rússia, acredita que, para resolver o paradoxo, a natureza específica de possíveis civilizações extraterrestres “não deveria importar” de forma alguma, já que o único fator relevante é a possibilidade de que esta civilização seja detectável por outras a grande distância.

Em segundo lugar, o cientista russo afirma que se uma civilização alienígena não tem um nível tecnológico suficiente para ser detectável pelos outros – seja através de viagens espaciais ou comunicação interestelar – ainda pode existir, mas não ajuda a resolver o paradoxo.

Agora a conclusão sombria do físico: a primeira forma de vida que consiga ter a capacidade de fazer viagens interestelares “erradicaria necessariamente toda a competição para alimentar sua própria expansão”, disse. 

O autor enfatiza que a solução não significa que uma civilização altamente desenvolvida destrua conscientemente outras formas de vida. O mais provável, segundo Berezin, é que “simplesmente não percebem, da mesma forma que uma equipe de construção destrói um formigueiro para construir um imóvel porque não tem incentivos para protegê-lo”.

Berezin estaria dizendo que somos as formigas? Que estamos em desvantagem?

Não, pelo contrário: porque “estamos aqui, o nosso planeta e nossa estrela estão relativamente intactos, e já estamos enviando para o espaço as primeiras sondas interestelares”, explica o cientista.

Desta forma, provavelmente, seremos os futuros destruidores dos mesmos mundos de que estivemos à procura todo esse tempo.

“A única explicação é a invocação do princípio antrópico, somos os primeiros a chegar ao estágio interestelar e, muito provavelmente, seremos os últimos a sair”, diz Berezin, que espera “estar errado”.

A hipótese do cientista foi publicada em março no artigo “Primeiro a entrar, último a sair: uma solução para o paradoxo de Fermi”, disponível no arquivo digital do ArXiv, não tendo ainda sido revista por outros cientistas.

Ciberia //

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Já pode ser muito tarde para salvar o Taj Mahal

O Taj Mahal, monumento que é cartão postal da índia, tem ficado amarelado devido à poluição. O Supremo Tribunal indiano já ameaçou o governo: “ou restauram ou demolem”. Há um ditado que diz que o Taj …

Amazônia: pesca ilegal e desmatamento estão associados a paraísos fiscais

Nesta segunda-feira (13), cientistas pediram uma maior transparência no uso de paraísos fiscais por empresas envolvidas em atividades que prejudicaram os oceanos e a floresta tropical da Amazônia. Em um estudo publicado na Nature Ecology and …

Participação de transexuais nas eleições dos EUA é a maior da história

A participação de pessoas transgênero nas eleições de meio-termo nos Estados Unidos – que serão realizadas em novembro - já é a maior da história norte-americana. Pelo menos 43 candidatos se apresentaram na fase das …

Estudo mostra que Zika chegou ao Brasil proveniente do Haiti

Estudo desenvolvido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em Pernambuco revela que o vírus Zika chegou ao Brasil proveniente do Haiti. De acordo com pesquisadores, imigrantes ilegais e militares brasileiros que participaram da missão de paz …

Jacarta, a capital da Indonésia, pode ficar submersa já em 2050

Os especialistas alertam que, se nada for feito, alguns lugares da capital da Indonésia podem acabar completamente debaixo de água até 2050. “A possibilidade de Jacarta ficar submersa não é brincadeira”, adverte Heri Andreas, cientista do …

Cabral admite ter recebido R$ 5 milhões de caixa 2 do Rei Arthur (mas "nunca aceitou propina")

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral sustentou, em depoimento à Justiça Federal, que todo o dinheiro que recebeu era recurso de caixa 2 e que nunca aceitou propina. Ele foi interrogado nesta segunda-feira (13) pelo juiz Marcelo Bretas, …

Tragédia em Gênova: ponte desaba e deixa dezenas de mortos

A ponte Morandi, localizada sobre a autoestrada A10, em Gênova, no norte da Itália, colapsou nesta terça-feira (14). As autoridades admitem que o colapso da estrutura fez dezenas mortos e vários feridos. Inicialmente as autoridades não …

Moro aceita denúncia contra Guido Mantega na Lava Jato

O juiz federal Sérgio Moro aceitou nesta segunda-feira (13) denúncia apresentada pela força-tarefa de investigadores da Operação Lava Jato contra o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega. Com a decisão, Mantega se torna réu em uma …

Google registra a localização dos utilizadores mesmo sem autorização explícita

O Google está tão determinado em saber a localização dos utilizadores que faz o seu registro mesmo que eles manifestem de forma explícita sua oposição à prática, noticiou nesta terça-feira (14) a agência AP. Uma investigação …

Venezuela passa a ter duas moedas

A Venezuela vai passar a ter duas unidades monetárias contabilísticas, o bolívar soberano e o petro, uma criptomoeda venezuelana, a partir da próxima segunda-feira (20), anunciou o presidente Nicolás Maduro. Na data, a Venezuela vai eliminar …