Governo de Hong Kong “enterra” lei sobre extradições, mas protestos continuam

Jerome Favre / EPA

Diante da onda de protestos histórica contra o projeto de lei sobre as extradições para a China, a chefe de governo de Hong Kong, Carrie Lam, cedeu, mas não completamente.  A dirigente pró-Pequim declarou nesta terça-feira (9) que o texto “está morto”, mas se negou a anunciar sua retirada, como exigem os manifestantes. Novas manifestações foram convocadas.

Carrie Lam, que quase não apareceu em público nas últimas semanas, pronunciou nesta terça-feira o discurso mais diplomático desde o início da onda de contestação.

“Seguem existindo dúvidas sobre a sinceridade do governo, e preocupações sobre o fato de que o governo possa relançar o processo junto ao Conselho Legislativo [Parlamento local]. Assim, gostaria de repetir aqui que não existe plano. Este projeto de lei está morto”, garantiu a dirigente à imprensa.

Ela também reconheceu que as tentativas de seu governo para aprovar o projeto de lei, suspenso em junho, foram um “fracasso total”. O correspondente da RFI em Hong Kong, Florence de Changy, avalia que essa estratégia de Lam visa jogar a culpa sobre o fiasco da aprovação sobre sua equipe, se eximindo de assumir pessoalmente qualquer responsabilidade. A dirigente aceitou se reunir, em público e sem condições prévias, com representantes dos estudantes que lideram os protestos.

Movimento de contestação se ampliou

A ex-colônia britânica está há semanas mergulhada em uma profunda crise política, desencadeada pela rejeição ao texto, com grandes protestos e até confrontos entre policiais e manifestantes radicais.

A suspensão do projeto não bastou para acalmar a situação e o movimento se ampliou, exigindo reformas democráticas para deter a erosão das liberdades no território semiautônomo, que voltou ao controle da China em 1997.

Lam reconheceu que Hong Kong, um centro financeiro internacional, enfrenta desafios sem precedentes. “São problemas econômicos, de condições de vida e de divisões políticas no seio da sociedade. Devemos identificar estes problemas fundamentais e encontrar soluções para avançar”. Mas ela não aceitou algumas das exigências dos manifestantes, a começar pela retirada total do projeto sobre as extradições. Ela tentou justificar que “se retirasse o projeto agora, ele poderia voltar ao Conselho Legislativo em três meses”.

Por isso, acreditando que a população quer ouvir “algo mais determinante e decisivo”, Lam prefere dizer que “o projeto de lei está morto“.

Novos protestos

O Fórum Civil Pelos Direitos Humanos, um dos líderes das manifestações, rejeitou as declarações de Lam e prometeu novos protestos. “Se Carrie Lam e seu governo insistem em não escutar nossas reivindicações, o Fórum Civil seguirá convocando protestos e assembleias”, disse à imprensa sua porta-voz, Bonnie Leung.

Os manifestantes exigem a anulação total do projeto sobre as extradições, uma investigação independente sobre a atuação da polícia, anistia para os detidos e a renúncia de Carrie Lam, próxima de Pequim.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Quentin Tarantino diz que seu Star Trek será um “Pulp Fiction no espaço”

O cineasta ainda não sabe se ele fará o filme, mas se diz empolgado com o material. Se o projeto for produzido, terá classificação indicativa para maiores, e será um Pulp Fiction no espaço. As …

EUA dizem ter abatido drone iraniano no Estreito de Ormuz

Trump afirma que navio americano adotou medida defensiva após ser ameaçado por aeronave não tripulada iraniana. Teerã nega e sugere que americanos podem ter derrubado um de seus próprios drones. O presidente dos Estados Unidos, Donald …

Netflix lança jogo com a 3ª temporada de Stranger Things e expande universo da série

A Netflix estreou, no início de julho, a 3ª temporada do bem-sucedido seriado Stranger Things. Com temas e referências dos anos 80 e 90, a produção é um dos maiores sucessos de audiência que a …

Alemanha aprova obrigatoriedade de vacina contra sarampo

Governo dá luz verde para lei que prevê multa de até 2,5 mil euros para pais que não vacinarem filhos em idade escolar contra sarampo. Obrigatoriedade se estende a adultos que trabalham em creches e …

Trump sugere que congressistas "extremistas" deixem os EUA

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, elevou o tom de suas críticas a quatro congressistas liberais do Partido Democrata, menosprezando a repercussão negativa da série de comentários considerados racistas feitos por ele nos últimos …

Nanodispositivo controlará qualidade da comida e melhorará diagnóstico médico

Uma equipe composta por cientistas de três países criou um novo tipo de sensor que pode revolucionar uma série de áreas da atividade humana, principalmente a biomedicina. No artigo, publicado na revista Advanced Functional Materials, os …

Bióloga da vida selvagem observa água-viva do tamanho de um ser humano

Durante um mergulho na costa de Cornwall, na Inglaterra, a bióloga Lizzie Daly e o operador de câmera subaquático Dan Abbott se depararam com uma inacreditável água-viva gigante, da espécie Rhizostoma pulmo. Daly e Abbott avistaram …

Elon Musk revela seus planos para hackear cérebros humanos

Uma das empresas do multi-empresário Elon Musk, a Neuralink, está trabalhando em uma tecnologia inovadora baseada em “fios” ou eletrodos que serão implantados no cérebro humano. O objetivo de tal tecnologia? Conectar nossos cérebros a potenciais …

Procuradoria francesa acusa Air France por queda de avião em 2009

Dez anos após a queda do voo AF447, que partiu do Rio de Janeiro com destino a Paris, a Procuradoria da capital francesa acusou a companhia aérea Air France pelo acidente, que provocou a morte …

OMS declara emergência internacional no Congo devido a ebola

Caso registrado numa das maiores cidades do país acende alerta da Organização Mundial de Saúde. Epidemia já deixou mais de 1,6 mil mortos em menos de um ano. A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou nesta …