Governo de Hong Kong “enterra” lei sobre extradições, mas protestos continuam

Jerome Favre / EPA

Diante da onda de protestos histórica contra o projeto de lei sobre as extradições para a China, a chefe de governo de Hong Kong, Carrie Lam, cedeu, mas não completamente.  A dirigente pró-Pequim declarou nesta terça-feira (9) que o texto “está morto”, mas se negou a anunciar sua retirada, como exigem os manifestantes. Novas manifestações foram convocadas.

Carrie Lam, que quase não apareceu em público nas últimas semanas, pronunciou nesta terça-feira o discurso mais diplomático desde o início da onda de contestação.

“Seguem existindo dúvidas sobre a sinceridade do governo, e preocupações sobre o fato de que o governo possa relançar o processo junto ao Conselho Legislativo [Parlamento local]. Assim, gostaria de repetir aqui que não existe plano. Este projeto de lei está morto”, garantiu a dirigente à imprensa.

Ela também reconheceu que as tentativas de seu governo para aprovar o projeto de lei, suspenso em junho, foram um “fracasso total”. O correspondente da RFI em Hong Kong, Florence de Changy, avalia que essa estratégia de Lam visa jogar a culpa sobre o fiasco da aprovação sobre sua equipe, se eximindo de assumir pessoalmente qualquer responsabilidade. A dirigente aceitou se reunir, em público e sem condições prévias, com representantes dos estudantes que lideram os protestos.

Movimento de contestação se ampliou

A ex-colônia britânica está há semanas mergulhada em uma profunda crise política, desencadeada pela rejeição ao texto, com grandes protestos e até confrontos entre policiais e manifestantes radicais.

A suspensão do projeto não bastou para acalmar a situação e o movimento se ampliou, exigindo reformas democráticas para deter a erosão das liberdades no território semiautônomo, que voltou ao controle da China em 1997.

Lam reconheceu que Hong Kong, um centro financeiro internacional, enfrenta desafios sem precedentes. “São problemas econômicos, de condições de vida e de divisões políticas no seio da sociedade. Devemos identificar estes problemas fundamentais e encontrar soluções para avançar”. Mas ela não aceitou algumas das exigências dos manifestantes, a começar pela retirada total do projeto sobre as extradições. Ela tentou justificar que “se retirasse o projeto agora, ele poderia voltar ao Conselho Legislativo em três meses”.

Por isso, acreditando que a população quer ouvir “algo mais determinante e decisivo”, Lam prefere dizer que “o projeto de lei está morto“.

Novos protestos

O Fórum Civil Pelos Direitos Humanos, um dos líderes das manifestações, rejeitou as declarações de Lam e prometeu novos protestos. “Se Carrie Lam e seu governo insistem em não escutar nossas reivindicações, o Fórum Civil seguirá convocando protestos e assembleias”, disse à imprensa sua porta-voz, Bonnie Leung.

Os manifestantes exigem a anulação total do projeto sobre as extradições, uma investigação independente sobre a atuação da polícia, anistia para os detidos e a renúncia de Carrie Lam, próxima de Pequim.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Maior organização de escoteiros dos EUA declara falência após processos de abuso sexual

O grupo Boys Scouts of America, principal movimento de escoteiros dos Estados Unidos, apresentou um pedido de falência nesta terça-feira (18), em um esforço para salvaguardar as indenizações às vítimas de abuso sexual, afirma um …

Ações humanas alteram dispersão de sementes na Amazônia, aponta estudo

Análise de mais de 26 mil árvores demonstra que atividades como queimadas e desmatamento abalam o equilíbrio entre fauna e flora. Com degradação, restam animais pequenos na floresta, que espalham sementes menores. Quando se fala em …

Sucesso nas apostas depende do apostador

Se você quer ter lucro nas apostas, precisa fundamentalmente de duas coisas: ter vantagem em relação à casa de apostas e um método de apostas bem rigoroso. Falamos disso porque muitos dos apostadores deixam dinheiro às …

Bezos doará US$ 10 bilhões para combater mudanças climáticas

Dono da Amazon anuncia fundo para financiar pesquisas voltadas a reduzir impactos do aquecimento global. Empresa tem enorme pegada de carbono por uso de combustíveis fósseis no transporte de produtos. O multimilionário americano Jeff Bezos afimou …

Jogador alvo de racismo toma atitude que todo mundo deveria ter e abandona gramado

Na última rodada da Liga Portuguesa, o Porto venceu fora de casa Vitória de Guimarães por 2 a 1. O gol que definiu a partida foi do malinês Marega. O ponta de lança recebeu um …

Ministra da Saúde de Macron vai disputar prefeitura de Paris em batalha de mulheres

O partido presidencial francês e seus aliados centristas encontraram neste domingo (16) na ministra da Saúde, Agnès Buzyn, 58, a sucessora ideal para Benjamin Griveaux. O candidato de Emmanuel Macron ao cargo de prefeito de …

Organização vende suposto DNA de Donald Trump e outros líderes globais

Nesta sexta-feira, uma organização chamada Earnest Project passou a oferecer a chance de possuir amostras de DNA de alguns líderes mundiais e outras celebridades. O grupo alega que coletou clandestinamente itens descartados pelos participantes do Fórum …

Tribunal alemão suspende derrubada de floresta para fábrica da Tesla

Justiça ordena que gigante americana interrompa corte de árvores nos arredores de Berlim enquanto analisa pedido de associação ambiental. Empresa de Elon Musk planeja construir ali sua primeira "gigafábrica" da Europa. Um tribunal na Alemanha determinou …

Satélites podem facilmente ser manipulados por hackers, alerta pesquisador

Talvez você já esteja por dentro da confusão toda em relação aos problemas que os satélites Starlink, da SpaceX, estão causando na comunidade astronômica. Os relativamente poucos satélites lançados (cerca de 240, como parte de um …

Na Índia, campanha faz semáforo voltar ao vermelho se os motoristas buzinarem demais

Se a Índia é um país famoso por sua religiosidade, sua culinária, suas belezas naturais e, sendo o segundo país mais populoso, por ser a maior democracia por eleitorado do mundo, ela também carrega a …