Governo de Hong Kong “enterra” lei sobre extradições, mas protestos continuam

Jerome Favre / EPA

Diante da onda de protestos histórica contra o projeto de lei sobre as extradições para a China, a chefe de governo de Hong Kong, Carrie Lam, cedeu, mas não completamente.  A dirigente pró-Pequim declarou nesta terça-feira (9) que o texto “está morto”, mas se negou a anunciar sua retirada, como exigem os manifestantes. Novas manifestações foram convocadas.

Carrie Lam, que quase não apareceu em público nas últimas semanas, pronunciou nesta terça-feira o discurso mais diplomático desde o início da onda de contestação.

“Seguem existindo dúvidas sobre a sinceridade do governo, e preocupações sobre o fato de que o governo possa relançar o processo junto ao Conselho Legislativo [Parlamento local]. Assim, gostaria de repetir aqui que não existe plano. Este projeto de lei está morto”, garantiu a dirigente à imprensa.

Ela também reconheceu que as tentativas de seu governo para aprovar o projeto de lei, suspenso em junho, foram um “fracasso total”. O correspondente da RFI em Hong Kong, Florence de Changy, avalia que essa estratégia de Lam visa jogar a culpa sobre o fiasco da aprovação sobre sua equipe, se eximindo de assumir pessoalmente qualquer responsabilidade. A dirigente aceitou se reunir, em público e sem condições prévias, com representantes dos estudantes que lideram os protestos.

Movimento de contestação se ampliou

A ex-colônia britânica está há semanas mergulhada em uma profunda crise política, desencadeada pela rejeição ao texto, com grandes protestos e até confrontos entre policiais e manifestantes radicais.

A suspensão do projeto não bastou para acalmar a situação e o movimento se ampliou, exigindo reformas democráticas para deter a erosão das liberdades no território semiautônomo, que voltou ao controle da China em 1997.

Lam reconheceu que Hong Kong, um centro financeiro internacional, enfrenta desafios sem precedentes. “São problemas econômicos, de condições de vida e de divisões políticas no seio da sociedade. Devemos identificar estes problemas fundamentais e encontrar soluções para avançar”. Mas ela não aceitou algumas das exigências dos manifestantes, a começar pela retirada total do projeto sobre as extradições. Ela tentou justificar que “se retirasse o projeto agora, ele poderia voltar ao Conselho Legislativo em três meses”.

Por isso, acreditando que a população quer ouvir “algo mais determinante e decisivo”, Lam prefere dizer que “o projeto de lei está morto“.

Novos protestos

O Fórum Civil Pelos Direitos Humanos, um dos líderes das manifestações, rejeitou as declarações de Lam e prometeu novos protestos. “Se Carrie Lam e seu governo insistem em não escutar nossas reivindicações, o Fórum Civil seguirá convocando protestos e assembleias”, disse à imprensa sua porta-voz, Bonnie Leung.

Os manifestantes exigem a anulação total do projeto sobre as extradições, uma investigação independente sobre a atuação da polícia, anistia para os detidos e a renúncia de Carrie Lam, próxima de Pequim.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

COVID-19: produção de vacina pode causar morte de meio milhão de tubarões, alertam especialistas

Óleo natural feito a partir do fígado dos tubarões é um componente-chave entre os ingredientes utilizados por vários candidatos a vacina contra a COVID-19. A Shark Allies, uma organização de defesa aos tubarões, da Califórnia, EUA, …

Quem é Amy Barrett, a indicada de Trump para Suprema Corte?

Se aprovada pelo Senado, atual juíza federal e católica devota poderá influenciar a vida pública dos EUA por décadas e mover de vez a composição da Corte para uma orientação conservadora. Se no Brasil o presidente …

Uber ganha 18 meses de licença para atuar em Londres

Após uma longa batalha jurídica, a Uber ganhou uma licença para restabelecer suas operações em Londres pelos próximos 18 meses. Em novembro de 2019, a empresa havia sido impedida de atuar na capital inglesa, depois que …

Testes de DNA da moda não identificam indígenas brasileiros

Testes de DNA estão na moda. Se você pensou em exames para comprovar paternidade ou algo nesse sentido: não é disso que estamos falando (embora pudéssemos). A nova tendência — entre aqueles que têm condições para …

EUA e Brasil querem barrar governo Maduro na Organização Pan-Americana da Saúde

Os Estados Unidos, o Brasil e outros 11 países rejeitaram nesta segunda-feira (28) a legitimidade do governo de Nicolás Maduro na Venezuela para participar do Conselho Diretor da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). A …

Água líquida em Marte: descobertas mais reservas no polo sul do Planeta Vermelho

Em 2018, pesquisadores italianos anunciaram que haviam encontrado evidências da existência de água líquida em Marte, abaixo da calota polar sul. Agora, a equipe voltou em mais uma série de informações que não apenas sustentam essa …

Cientistas russos encontram nova forma de tratamento para covid-19

Uma equipe de cientistas russos sugeriu tratar os pacientes gravemente afetados pelo coronavírus SARS-CoV-2 da mesma maneira que são tratados alguns casos de intoxicação. De acordo com os especialistas do Instituto de Pesquisa de Medicina de …

Covid-19 já causou a morte de um milhão de pessoas no mundo

Nove meses após seu surgimento na China, a pandemia de Covid-19 superou, neste domingo (27), o número simbólico de um milhão de mortos no mundo. No total, o coronavírus causou 1.000.009 mortes e 33.018.877 casos …

Homem que comia alcaçuz todos os dias morre e médicos alertam sobre riscos à saúde

Um homem de 54 anos morreu após consumir alcaçuz em excesso. Segundo os médicos do Hospital Geral de Massachussets (EUA), após duas semanas ingerindo alcaçuz preto em excesso, o homem teve uma overdose de uma …

Conflito armado se acirra na fronteira entre Armênia e Azerbaijão

A Armênia e o Azerbaijão se acusaram mutuamente neste domingo (27/09) de iniciar confrontos mortais na região separatista de Nagorno-Karabakh, na fronteira entre os dois países, em meio a uma disputa territorial de décadas. Ao …