Governo de Hong Kong “enterra” lei sobre extradições, mas protestos continuam

Jerome Favre / EPA

Diante da onda de protestos histórica contra o projeto de lei sobre as extradições para a China, a chefe de governo de Hong Kong, Carrie Lam, cedeu, mas não completamente.  A dirigente pró-Pequim declarou nesta terça-feira (9) que o texto “está morto”, mas se negou a anunciar sua retirada, como exigem os manifestantes. Novas manifestações foram convocadas.

Carrie Lam, que quase não apareceu em público nas últimas semanas, pronunciou nesta terça-feira o discurso mais diplomático desde o início da onda de contestação.

“Seguem existindo dúvidas sobre a sinceridade do governo, e preocupações sobre o fato de que o governo possa relançar o processo junto ao Conselho Legislativo [Parlamento local]. Assim, gostaria de repetir aqui que não existe plano. Este projeto de lei está morto”, garantiu a dirigente à imprensa.

Ela também reconheceu que as tentativas de seu governo para aprovar o projeto de lei, suspenso em junho, foram um “fracasso total”. O correspondente da RFI em Hong Kong, Florence de Changy, avalia que essa estratégia de Lam visa jogar a culpa sobre o fiasco da aprovação sobre sua equipe, se eximindo de assumir pessoalmente qualquer responsabilidade. A dirigente aceitou se reunir, em público e sem condições prévias, com representantes dos estudantes que lideram os protestos.

Movimento de contestação se ampliou

A ex-colônia britânica está há semanas mergulhada em uma profunda crise política, desencadeada pela rejeição ao texto, com grandes protestos e até confrontos entre policiais e manifestantes radicais.

A suspensão do projeto não bastou para acalmar a situação e o movimento se ampliou, exigindo reformas democráticas para deter a erosão das liberdades no território semiautônomo, que voltou ao controle da China em 1997.

Lam reconheceu que Hong Kong, um centro financeiro internacional, enfrenta desafios sem precedentes. “São problemas econômicos, de condições de vida e de divisões políticas no seio da sociedade. Devemos identificar estes problemas fundamentais e encontrar soluções para avançar”. Mas ela não aceitou algumas das exigências dos manifestantes, a começar pela retirada total do projeto sobre as extradições. Ela tentou justificar que “se retirasse o projeto agora, ele poderia voltar ao Conselho Legislativo em três meses”.

Por isso, acreditando que a população quer ouvir “algo mais determinante e decisivo”, Lam prefere dizer que “o projeto de lei está morto“.

Novos protestos

O Fórum Civil Pelos Direitos Humanos, um dos líderes das manifestações, rejeitou as declarações de Lam e prometeu novos protestos. “Se Carrie Lam e seu governo insistem em não escutar nossas reivindicações, o Fórum Civil seguirá convocando protestos e assembleias”, disse à imprensa sua porta-voz, Bonnie Leung.

Os manifestantes exigem a anulação total do projeto sobre as extradições, uma investigação independente sobre a atuação da polícia, anistia para os detidos e a renúncia de Carrie Lam, próxima de Pequim.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Golpe militar em Mianmar completa seis meses e já resultou em quase mil mortes de civis

Aterrorizados pela repressão da junta militar e pela propagação do coronavírus, poucos birmaneses se atreviam a ir às ruas para protestar neste domingo (1º), quando completam-se seis meses do golpe de Estado que mergulhou …

Governo italiano vende casas a 2 euros na região da Sicília

Mais uma vez o governo italiano está vendendo casas em áreas rurais da Itália, após o sucesso da campanha para repovoamento de áreas abandonadas. Além de promover a ocupação por meio de incentivos para jovens e …

Bolsonaro admite não ter provas de fraudes eleitorais

Em live para a qual convocou veículos de imprensa, Bolsonaro exibiu uma série de teorias falsas, cálculos equivocados e vídeos antigos, já verificados e desmentidos, mas que ainda circulam na internet, como supostas evidências de …

A incrível civilização antiga que mumificava os mortos 2 mil anos antes dos egípcios

"As mais antigas evidências arqueológicas conhecidas de mumificação artificial de corpos", segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), estão presentes na América do Sul, na costa árida …

Delta pode causar covid-19 mais grave, alerta agência americana

Documento interno do órgão de prevenção de doenças dos EUA indica que a variante delta do coronavírus é tão contagiosa quanto a catapora e pode ser transmitida mesmo por indivíduos vacinados. "A guerra mudou", diz …

Vendas de vacinas anticovid impulsionam lucros de laboratórios

A empresa farmacêutica AstraZeneca anunciou nesta quinta-feira (28) que as vendas de sua vacina contra a Covid-19 alcançaram US $ 1,17 bilhão no primeiro semestre do ano. Este número corresponde à entrega de aproximadamente …

Cientistas transformaram água pura em metal pela primeira vez

Cientistas transformaram, pela primeira vez, água pura em metal. A pesquisa poderia permitir um estudo detalhado das condições de extrema alta pressão dentro de grandes planetas. A água pura é um isolante quase perfeito. Sim, a …

Imagens do satélite Amazonia-1 já estão disponíveis — e qualquer um pode acessar

O Ministério da Ciência e Tecnologia comunicou, nesta semana, que as imagens do Amazonia-1 já podem ser acessadas pelo público. O satélite Amazonia-1 foi lançado em fevereiro de 2021 e, desde então, já avançou por etapas importantes, …

Alemanha acusa médico sírio de crimes contra a humanidade

Promotores federais da Alemanha acusaram nesta quarta-feira (28/07) um médico sírio de assassinato e crimes contra a humanidade. O suspeito enfrenta 18 acusações de tortura contra pacientes de hospitais militares nas cidades sírias de Homs e …

Suposto 'padrão' citado por Bolsonaro não indica fraude eleitoral; presidente admite não ter provas

O presidente Jair Bolsonaro usou sua live semanal desta quinta-feira (29/07) para fazer uma apresentação questionando a lisura das últimas eleições e apontando o que considera ser "fortíssimos indícios" de fraudes nas urnas eletrônicas. No entanto, …