Grande mistério da Lua é finalmente desvendado; e a culpa é toda nossa

Os astronautas que tiveram a sorte de visitar a Lua foram surpreendidos por um enigma durante sua breve estadia: a superfície estava mais quente do que esperavam.

Segundo o IFLScience, os cientistas conseguiram agora desvendar o mistério e, como em qualquer boa história, o desfecho do problema acabou com uma grande reviravolta.

Durante as missões Apollo 15 e 17, no início dos anos 70, foram colocadas sondas no antigo solo vulcânico para verificar como a Lua estava esfriando. Um fenômeno muito importante porque, afinal de contas, o esfriamento do interior da Terra é a razão pela qual temos continentes, montanhas, vulcões e terremotos.

A Lua é uma esfera morta e tem sido assim há milhões de anos. Seu vulcanismo desapareceu há muito tempo e certamente nunca conseguiu desenvolver placas tectônicas. Ainda assim, está constantemente esfriando e a NASA queria saber quanto.

Ao perfurar alguns buracos no solo lunar, os astronautas dos dois programas espaciais montaram seus termômetros de alta tecnologia e anotaram as leituras. Porém, não foi uma tarefa fácil, uma vez que tinham de ter em conta as alterações devido à luz solar e ao aquecimento criado pela própria perfuração.

As leituras a longo prazo indicam, de acordo com o Instituto Lunar e Planetário (LPI), que o fluxo de calor superficial da Lua está entre 18% e 24% da Terra. No entanto, algo estava errado: as sondas de calor registraram um aquecimento gradual dos locais onde a missão Apollo pousou muito depois de as medidas originais. Não ficou claro o porquê, mas não poderia ser por causa de um processo interno que liberaria mais calor.

Infelizmente, se tratou de um erro humano. Depois dessas experiências terem terminado em 1977, parecia que os cientistas só tinham arquivado os dados de 1971 a 1974. O restante acabou perdido.

Portanto, uma equipe de cientistas da Universidade de Tecnologia do Texas, nos EUA, decidiu fazer algumas pesquisas e, em 2010, conseguiu localizar as fitas de dados perdidas em um enorme centro de arquivos da agência federal.

Ao recuperar de forma cuidadosa os dados para analisar a temperatura no final dos anos 70, os cientistas obtiveram uma melhor compreensão das mudanças: o aumento da temperatura foi detectado pelas sondas mais rasas, antes de ser registrada por aquelas mais profundas.

Ao perceber que era uma causa relacionada com a superfície, a equipe cruzou suas descobertas com imagens tiradas da superfície da Lua no momento em que foram feitas.

No artigo publicado no Journal of Geophysical Research, a equipe explicou que as “imagens da Lunar Reconnaissance Orbiter Camera sobre os dois locais de pouso mostram que o rególito lunar (material geológico solto e fragmentado que cobre a rocha sólida recente) nos caminhos dos astronautas ficou mais escuro”, o que diminuiu sua refletividade.

“Sugerimos que, como resultado das atividades dos astronautas, o aquecimento solar pelo rególito aumentou ligeiramente, e isso resultou no aquecimento observado”, uma vez que mais luz solar foi absorvida na superfície.

Assim, o aumento da temperatura não estava relacionado com nenhum fenômeno estranho, não passando de um erro. Conclusão: a culpa foi nossa (e só nossa).

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Como escreveria o zuera never ends, “haisduiaqehaiuhaiudhiauheiasdoahsduh”, seres humanos sem noção, mal sabem dos mistérios da vida terrestre e atolam a população mundial com mentiras, de tempos em tempos uma nova teoria surge sobre a viagem a lua, cineastas estes “caras”.

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Destroços de navio de centenas de anos são encontrados na Polônia

Arqueólogos encontraram um navio naufragado de várias centenas de anos, bem como uma ponte destruída da 2ª Guerra Mundial em um rio polonês. Arqueólogos encontraram um navio naufragado de várias centenas de anos, bem como uma …

Por que cientistas estão determinados a provar que Einstein estava errado

Ano entra, ano sai, e tanto a lei dos corpos em queda de Galileu Galilei quanto a teoria da relatividade de Albert Einstein são testadas novamente apenas para os pesquisadores confirmarem pela enésima vez que …

Bolsonaro faz apologia à ignorância, afirmam historiadoras no jornal Le Monde

  O jornal Le Monde que chegou às bancas na tarde desta segunda-feira (27) traz um texto de meia página criticando a política cultural em vigor atualmente Brasil. Assinado por duas historiadoras francesas e uma brasileira, …

OMS considera elevado risco global de coronavírus

A Organização Mundial da Saúde admitiu nesta segunda-feira (27/01) um erro na avaliação de risco global do novo coronavírus, que surgiu na China, e disse que o nível correto é elevado. Anteriormente, ele havia sido …

Quem é Vanessa Nakate, ativista negra cortada de foto com Greta em Davos

O tema era o meio-ambiente, mas o debate sofre o futuro da humanidade ganhou outros vultos quando a jovem ativista climática de Uganda, Vanessa Nakate, descobriu que havia sido cortada pela agência de notícias Associated …

Sobreviventes retornam a Auschwitz nos 75 anos da libertação

Autoridades de 50 países participam da solenidade no antigo campo de concentração na Polônia, em meio a temores pelo aumento do antissemitismo. "Precisamos tomar cuidado para que não volte a acontecer", diz sobrevivente. Mais de 200 …

Por que cientistas querem tanto provar que Einstein e Galileu estavam errados

Ano entra, ano sai, e tanto a lei dos corpos em queda de Galileu Galilei quanto a teoria da relatividade de Albert Einstein são testadas novamente apenas para os pesquisadores confirmarem pela enésima vez que …

Morreu Kobe Bryant, um dos maiores astros da NBA

Neste domingo (26), o astro do basquete norte-americano, Kobe Bryant, faleceu em acidente de helicóptero, na cidade de Los Angeles, nos EUA. Autoridades e testemunhas levantam as primeiras hipóteses sobre a causa da queda. O lendário …

Coronavírus terá impacto no PIB chinês e na economia global

A nova epidemia de coronavírus é um balde de água fria na cabeça do mundo. A começar pelos chineses. Em 2003, o último vírus mortal se propagando pelo mundo inteiro – o SARS – …

Abelhas adoram cannabis e este caso de amor pode ajudar a salvar a espécie

Consideradas os seres vivos mais importantes do planeta, as abelhas são animais insubstituíveis, dos quais dependemos para viver. No entanto, nas últimas décadas, devido ao aquecimento global e o uso execessivo de pesticidas, elas estão …