Hong Kong: um dia após adoção da lei de segurança nacional, polícia prende 180 manifestantes

Jerome Favre / EPA

Um homem que carregava uma bandeira a favor da independência de Hong Kong se tornou nesta quarta-feira (1°) a primeira pessoa presa com base na nova lei de segurança do território, promulgada na véspera pelo presidente chinês, Xi Jinping. Logo depois, a polícia da ex-colônia britânica anunciou a detenção de 180 manifestantes.

“Um homem foi detido em posse de uma bandeira favorável à independência de Hong Kong no bairro de Causeway Bay, o que viola a lei de segurança nacional”, anunciou a polícia em sua conta no Twitter.

Esta foi a primeira detenção desde a entrada em vigor da questionada lei, na terça-feira (30). A publicação da polícia mostra a foto de um cidadão com uma bandeira.

As forças de ordem também dispersaram com jatos de água pequenos grupos de manifestantes, que estavam reunidos apesar da proibição determinada pela nova legislação. Um caminhão lançou jatos de água com uma solução de pimenta e atingiu vários manifestantes e jornalistas, também no bairro comercial de Causeway Bay.

Cerca de 180 pessoas foram presas, sete delas sob a nova lei de segurança nacional. Segundo a polícia, os manifestantes foram detidos “por participarem de aglomerações não autorizadas, perturbação da ordem pública, posse de armas e outros crimes relacionados”.

Aniversário da retrocessão

Os cidadãos saíram às ruas para uma passeata em memória ao 23º aniversário da “retrocessão”, como é chamada a devolução do território à China pelo Reino Unido. O tradicional evento, organizado todos os anos pelos moradores de Hong Kong, foi proibido pelas autoridades pela primeira vez em 17 anos. Para evitar manifestações, a polícia mobilizou um importante esquema de segurança.

Neste ano, a mobilização acontece sob tensão. Helicópteros sobrevoaram o porto Victoria Harbour com uma grande bandeira chinesa e uma menor de Hong Kong, enquanto um barco navegava com uma faixa com a frase “Boas vindas à promulgação da Lei de Segurança Nacional”.

Pequenos grupos de simpatizantes de Pequim exibiram bandeiras chinesas, sem incidentes. Já ativistas convocaram a população a desafiar a proibição de protestos e sair às ruas nesta quarta-feira.

A nova lei é denunciada por muitos governos ocidentais como uma agressão sem precedentes às liberdades no território. Teme-se que a medida represente o início de uma nova era de repressão política.

Para Pequim, a decisão “não é assunto” dos demais países. Já a chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, considerou o texto o “fato mais importante” do território desde a devolução à China.

O compromisso alcançado entre Reino Unido e China para a devolução de Hong Kong, em 1997, determinou que a região gozaria de liberdades civis, assim como de autonomia legislativa e judicial, até 2047, no que foi denominado “um país, dois sistemas”.

A China prometeu 50 anos de liberdade ao povo de Hong Kong, mas deu apenas 23″, declarou o chefe da diplomacia americana, Mike Pompeo, ao mesmo tempo em que ameaçou adotar novas represálias.

Já a União Europeia (UE) julgou “essencial” a proteção dos direitos dos moradores de Hong Kong. Segundo o chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, a população precisa de “liberdade de expressão, de imprensa, para se reunir e manifestar”. Ele fez um apelo para que a China evite qualquer ação que interfira na autonomia de Hong Kong no plano legal “inclusive no que diz respeito aos direitos humanos”.

O Canadá advertiu seus cidadãos em Hong Kong que, com a adoção da lei, eles enfrentam um risco maior de detenções arbitrárias e até de extradição para a China continental. Em Taiwan, as autoridades abriram um novo escritório para receber os cidadãos da ex-colônia britânica que desejarem se mudar para a ilha.

O que estabelece a nova lei de segurança nacional

Pequim afirma que a nova lei de segurança nacional vai restaurar a estabilidade, após um ano de protestos, e que a medida não acabará com as liberdades de Hong Kong.

A fórmula “um país, dois sistemas” inicialmente ajudou a estabelecer o status de Hong Kong como um centro financeiro mundial, reforçado por um poder Judiciário independente e liberdades políticas desconhecidas na China continental. A oposição acusa Pequim de reduzir este status e considera a nova lei de segurança a medida mais grave até o momento.

O texto foi aprovado em apenas seis semanas, sem passar pelo Conselho Legislativo de Hong Kong e sem ser divulgado à população. Ele permite reprimir quatro tipos de crimes: atividades subversivas, secessão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras, com sentenças que podem chegar à prisão perpétua. Também acaba com a barreira legal que existia entre o Judiciário da cidade e os tribunais controlados pelo continente.

A China continental pode assumir diretamente a administração do território em três situações: casos complexos de interferência estrangeira, ações consideradas “muito graves” e se existirem “ameaças graves e reais” contra a segurança nacional. Outro dispositivo prevê a jurisdição universal para os crimes de segurança cometidos fora de Hong Kong ou da China.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

China exorta Trump a não abrir 'caixa de Pandora' com aquisição do TikTok

China apela aos EUA que não abram a caixa de Pandora, exigindo vender a companhia TikTok, eles serão os próprios culpados pelas consequências, declarou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Wang Wenbin. O presidente …

Twitter bloqueia conta oficial de campanha de Trump

O Twitter anunciou nesta quarta-feira (5) ter bloqueado temporariamente a conta oficial da campanha de reeleição do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, por conta de um tuíte que continha informação equivocada sobre a …

Líbano inicia luto nacional e recebe ajuda internacional

Diversos países enviam suprimentos médicos a Beirute. Presidente da França chega ao Líbano para avaliar situação. Megaexplosão deixou ao menos 137 mortos, incluindo diplomata alemão, e mais de 5 mil feridos. Beirute amanheceu nesta quinta-feira (06/08) …

StarShip finalmente levanta voo: a nave que um dia levará cem humanos para Marte e Lua

A SpaceX fez um lançamento de teste com sucesso do seu gigantesco protótipo do StarShip SN5 em Boca Chica, Texas (EUA), a uma altura planejada de 150 metros. A massiva torre de aço inoxidável flutuou no …

EUA conduzem lançamento de teste do míssil balístico Minuteman III

O projétil não tinha ogiva de combate, mas era equipado com três veículos recuperáveis que foram submetidos a testes. Militares dos EUA lançaram na manhã desta terça-feira (4) um míssil balístico Minuteman III a partir da …

Beirute soma mais de 100 mortos e 4000 feridos após explosões

O Líbano vive nesta quarta-feira (5) um dia de luto nacional, após as explosões na região portuária de Beirute, na tarde de ontem. A tragédia soma pelo menos 100 mortos, 4.000 feridos e 300.000 …

Mensagem na areia salva marinheiros desaparecidos no Oceano Pacífico

Trio de marinheiros que havia se desviado de rota e ficado sem combustível foi localizado numa pequena ilha da Micronésia após três dias. Aeronaves avistaram sinal gigante de SOS escrito na areia da praia. Três homens …

Problemas cardíacos duradouros se apresentam em 78% dos pacientes de coronavírus

O entusiastas do retorno da economia para a normalidade defendem suas opiniões geralmente com base no fato da maioria dos pacientes exibirem sintomas leves ou sequer ter qualquer sintoma de coronavírus, comparando negligentemente o Covid-19 …

Governo britânico vai pagar parte da conta de consumo em pubs e restaurantes

Incentivos não vão faltar para quem estava com saudades de frequentar bares, pubs e restaurantes no Reino Unido. Durante o mês de agosto, o governo britânico vai bancar parte da conta de quem sair …

Cientistas revelam origem de estranhos meteoritos encontrados na Terra

Uma equipe de cientistas norte-americanos teoriza que alguns dos meteoritos, que não se encaixam nas duas categorias principais, têm uma origem até hoje desconhecida por astrônomos. Um grupo significante de meteoritos, que existem hoje na Terra, …