Além dos neandertais, os humanos também cruzaram com outras espécies

Somos o resultado de vários cruzamentos. Um novo estudo revela que nossos antepassados se cruzaram não com uma, mas com duas populações diferentes do homem de Denisova.

Nossos genes apresentam traços dos Neandertais, indicando que, no passado, os Homo sapiens tiveram filhos com esses nossos parentes próximos, dando origem aos Homo neanderthalensis.

Da Grã-Bretanha ao Japão, os genes neandertais estão presentes no genoma de várias pessoas. Rostos largos, queixos pequenos e sobrancelhas salientes são características particulares da espécie, que chegaram até os dias atuais.

Mas nossos genes carregam também marcas dos nossos encontros com diferentes populações do homem de Denisova. O DNA extraído de fragmentos de indivíduos encontrados em uma caverna, no sul da Sibéria, forneceu evidências de que também possuímos traços genéticos desses antigos hominídeos.

Uma equipe de cientistas descobriu agora um terceiro evento de cruzamento interespécie, aumentando assim nossa mistura genética. O novo estudo, publicado recentemente na Cell, utilizou um novo método de análise genética para comparar um genoma inteiro do homem de Denisova.

“É surpreendente que possamos analisar a história humana através dos dados genéticos de humanos atuais e determinar alguns dos eventos que aconteceram no passado”, disse a professora de pesquisa do Departamento de Bioestatística da Universidade de Washington e autora do estudo, Sharon Browning, à CNN.

No estudo, os pesquisadores encontraram dois episódios distintos da mistura do homem de Denisova, acrescentando dados ao que já era sabido sobre a contribuição dos neandertais no DNA dos humanos modernos, escreve o Diário de Notícias.

Na pesquisa, todos os grupos possuíam DNA neandertal. Algumas populações possuíam também traços genéticos que correspondiam a denisovans das Montanhas Altai, mas a principal surpresa estava na existência de um terceiro grupo de genes arcaicos, diferente do DNA neandertal e apenas parcialmente parecido com o DNA dos denisovans das Montanhas Altai.

Por enquanto, a explicação dada pelos especialistas é de que, à medida que os seres humanos ancestrais migraram para o leste, encontraram duas populações diferentes de denisovans. Uma delas, no norte, aparece em pessoas da China, Japão e Vietnã. A outra deixou sua marca genética mais ao sul, em populações do sudeste da Ásia.

“Também fica claro que havia populações distintas de Denisovanos, em vez de uma única população. O fato de que as duas populações terem divergido sugere que elas não se misturavam muitas vezes entre si, talvez devido à separação geográfica”, refere Browning.

Métodos semelhantes aos que foram utilizados neste estudo podem revelar ainda mais misturas genéticas no nosso DNA. Browning e colegas não param por aqui e querem estudar outras populações, para encontrar indícios da mistura de outras espécies.

Ciberia // HypeScience / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Palácio mais antigo da China de 5.300 anos é descoberto perto de antiga capital

Palácio descoberto no sítio arqueológico de Shuanghuaishu, nos arredores da cidade de Zhengzhou, uma das oito capitais antigas, foi construído por volta de 3300 a.C., ou seja, tem cerca de 5.300 anos, sendo possivelmente a …

Variante da Covid-19 no Brasil faz Reino Unido banir viajantes da América Latina e Portugal

O governo britânico proibiu, nesta quinta-feira, as chegadas de todos os países da América do Sul e do Panamá, além de Portugal, em resposta à nova variante da Covid-19, descoberta no Brasil. A decisão …

CEO do Twitter defende banimento de Trump da rede social

Jack Dorsey diz que medida resulta do “fracasso” da plataforma em mediar diálogo saudável e admite que pode abrir “precedente perigoso”. Proibição veio após presidente dos EUA insuflar apoiadores que invadiram Capitólio. O CEO da rede …

O zumbido de fundo do universo pode ter sido ouvido pela primeira vez

Baseado no que sabemos sobre ondas gravitacionais, o Universo deve estar cheio delas. Cada par de buracos negros ou estrelas de nêutrons e colisão, cada supernova com núcleo em colapso — até mesmo o próprio …

Monocultura da soja destruiu mais de 30% do cerrado brasileiro entre 2004 e 2017, alerta WWF

Os 24 principais focos de desmatamento no mundo provocaram a perda de uma superfície equivalente ao tamanho do Paraguai em menos de uma década, aponta um relatório do Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na …

Coreia do Sul eleva capacidades de combate para conter ameaça norte-coreana

A Coreia do Sul planeja elevar suas capacidades militares para conter as ameaças de mísseis de curto alcance dos norte-coreanos, declarou o Ministério da Defesa sul-coreano. A declaração ocorreu após os norte-coreanos prometerem elevar o arsenal …

Como a vacinação em massa salvou a Escócia em 1950

Em 2021, haverá uma campanha de vacinação em massa como nenhuma outra realizada no mundo. Hoje se trata de parar o covid-19, mas, em meados do século passado, um programa de vacinação se tornou a …

Em provocação a Biden, Kim Jong-un avisa que vai reforçar arsenal nuclear da Coreia do Norte

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, afirmou que vai reforçar o arsenal nuclear de seu país, em discurso de encerramento do congresso do partido no poder, anunciou nesta quarta-feira (13) a imprensa oficial, a uma …

Bolsonaro sabota combate à covid-19, diz relatório da Human Rights Watch

Estudo anual da Human Rights Watch sobre direitos humanos no mundo reserva capítulo com duras críticas ao governo brasileiro e diz que ele agiu deliberadamente para minar políticas contra a pandemia. O presidente Jair Bolsonaro agiu …

Nasa dá detalhes, incluindo data e horário em que asteroide pode atingir Terra

Anote na agenda: 6 de maio de 2022, às 5h12. É sempre bom saber quando um asteroide vai atingir o seu planeta, não é mesmo? As informações são da Nasa (agência espacial americana), que revelou …