Incêndio no Museu Nacional: “uma tragédia anunciada”

Marcelo Sayao / EPA

Um enorme incêndio deflagrou no domingo (2) e destruiu o Museu Nacional, no Rio de Janeiro. Foram queimados 200 anos de história e mais de 20 milhões de peças de valor incalculável. As causas ainda são desconhecidas, mas parece incontornável definir o acidente como uma tragédia há muito anunciada. 

Com a grave crise econômica e política, os investimentos destinados para a instituição foram sendo reduzidos drasticamente, especialmente em 2018. Apesar da falta de investimento, os alertas sobre a degradação do edifício começaram já há mais de uma década. Relatos sobre risco de incêndio, infiltrações, inundações e até queda de gesso sobre os funcionários do Museu Nacional foram se multiplicando.

De acordo com a BBC, já em 2004 havia preocupações que um incêndio pudesse deflagrar e consumir o edifício. Relatórios da Biblioteca do Museu e alertas do próprio diretor do museu já falavam da degradação e dos graves problemas de manutenção.

“O museu vai se incendiar. São fios elétricos expostos, mal conservados, alas com infiltrações, uma situação de total irresponsabilidade com o patrimônio histórico”, foi assim que, em 2004, o então secretário de Energia, Indústria Naval e Petróleo do Rio de Janeiro, Wagner Victer, atual secretário estadual de Educação, descreveu a situação do Museu Nacional, após uma visita ao local.

Nessa altura, em entrevista à Agência Brasil, Wagner Victer apontou a precariedade das instalações e falta de um sistema de combate a incêndio. À BBC explicou depois que, como engenheiro, ficou “horrorizado” com o que viu e, por isso, resolveu falar dos problemas que observou em público.

As causas do incêndio ainda não estão apuradas, mas a degradação e decadência do prédio podem ter contribuído para a rápida propagação das chamas. A reitoria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) solicitou nesta segunda-feira (3) apoio à Polícia Federal (PF) para realização de perícias que permitam apurar as causas do incêndio, pedindo ainda ao governo apoio financeiro.

“A cultura e o patrimônio científico do Brasil e do mundo sofreram uma perda inestimável com o incêndio ocorrido no Museu Nacional”, pode-se ler em comunicado divulgado pela reitoria da universidade, que administra o museu.

Há décadas as universidades federais do país vêm denunciando o tratamento conferido ao patrimônio das instituições universitárias brasileiras e a falta de financiamento adequado, em especial nos últimos quatro anos, quando as universidades federais sofreram drástica redução orçamentária”.

No que diz respeito ao incêndio que deflagrou no domingo à noite e destruiu grande parte do acervo do Museu Nacional, fundado há 200 anos por João VI, “será necessário averiguar as causas e o motivo da rápida propagação das chamas”, pelo que a reitoria “solicitou apoio pericial à Polícia Federal e a especialistas da UFRJ, almejando um processo rigoroso de apuração das causas”.

Para a universidade, o momento atual “deve ser um alerta para as forças democráticas do país, no sentido de preservação do patrimônio cultural da nação”, lembrando que “o inadmissível acontecimento” que afetou o Museu Nacional da UFRJ tem causas nitidamente identificáveis“.

“Trata-se de um projeto de país que reduz às cinzas a nossa memória”, sustentam.

Tânia Rego / ABr

Verbas demoraram para chegar

Recentemente, o Museu Nacional tinha recebido um financiamento de mais de R$ 21,7 milhões do Banco Nacional para o Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES) para “restaurar o edifício histórico” e “garantir uma maior segurança das coleções”, relata o El País.

De acordo com o jornal, umas das principais medidas passaria por reforçar o sistema de controle e combate de incêndios. No entanto, as verbas demoraram a chegar e as chamas acabaram por consumir totalmente o edifício.

O orçamento anual do museu ronda os R$ 550 mil, mas a UFRJ, há muito afetada por cortes, tem passado apenas 60% desse valor à instituição. Este ano, o museu teria recebido até agora pouco mais de R$ 80 mil.

Vestidos de preto, brasileiros protestam

Ainda durante esta segunda, várias centenas de manifestantes protestaram, alguns atirando pedras, contra a incúria dos poderes públicos.

Cerca de 500 estudantes e pesquisadores ligados ao museu, a maioria vestida de preto, se concentraram em frente aos escombros ainda fumegantes do edifício para “abraçar” o antigo palácio imperial do século XIX.

Antes, manifestantes lançaram pedras aos policiais e forçaram a entrada do recinto do museu, gritando “Fora Temer!”, dirigindo-se ao presidente brasileiro.

“Não basta chorar. É preciso que a população se indigne. Uma parte dessa tragédia poderia ter sido evitada”, declarou Alexandre Keller, diretor do museu. “O governo deve ajudar o museu a reconstruir sua história”, acrescentou, apontando o dedo à falta de fundos destinados à conservação do museu.

Michel Temer anunciou a criação de um fundo financiado por um grupo de empresas públicas e privadas para permitir “a reconstrução do museu o mais breve possível”.

Tânia Rego / ABr

Houve quem se arriscasse em nome da história

Poucas horas após o início do incêndio, alguns funcionários, professores e técnicos correram para o edifício, entrando pelas salas escuras e ainda esfumaçadas, na tentativa de resgatar algum patrimônio antes que o fogo avançasse.

O professor Paulo Buckup, juntamente com outros colegas, arrombaram portas e gabinetes, tentando salvar o maior número de gavetas com espécimes de moluscos – uma pequena parcela do inventário de dezenas de milhares exemplares.

“Esses exemplares foram usados nas descrições originais de espécies da fauna sul-americana de moluscos, tanto marinhos quanto de água doce. Esse material é único porque é a base para conhecer as espécies descritas ao longo do último século. Sem isso, perdemos esse registro”, afirma Buckup.

O professor calcula que tenham conseguido salvar “alguns milhares” de espécimes de moluscos – uma quantidade “ínfima” tendo em conta a escala da coleção. “Foram perdidas não sei quantas dezenas de milhares de insetos, como, por exemplo, todo o material de aranha e de crustáceos”, afirma.

Considerado o maior museu de História Natural da América Latina, o Museu Nacional, que celebrou em junho o seu bicentenário, abrigava cerca de 20 milhões de peças de valor incalculável e uma biblioteca de mais de 530 mil títulos.

Entre as peças inestimáveis transformadas em cinzas, está uma coleção egípcia, uma outra de arte e de artefatos greco-romanos, coleções de paleontologia — que incluíam o esqueleto de um dinossauro encontrado na região de Minas Gerais, bem como o mais antigo fóssil humano descoberto no Brasil, “Luzia”.

Um dos únicos vestígios preservados foi o enorme meteorito com mais de 5 toneladas, que continua em frente à entrada do Museu, agora sozinho no meio de cinzas e paredes calcinadas.

Tomaz Silva / ABr

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. QUE SACANAGEM DEPOIS DO DESATRE TEMOS AGORA DISPONIVEL 10 MILHOES E MAIS 50 PARA A RESTAURAÇÃO,, E O QUE SE PERDEU??? COMO FICA ?? CAMBADA DE INCOPETENTES,,,,

    PEGA O DINHEIRO REPATRIADO DA CORRUPÇÃO E ARRUMEM TODOS MUSEUS HISTORICO, CHEGA DE BLABABA,,BLABABA,BLABABAA,, VAMOR CRIAR VERGONHA NA CARA E PRESERVAR NOSSA HISTORIA

  2. Recentemente, o Museu Nacional tinha recebido um financiamento de mais de R$ 21,7 milhões do Banco Nacional para o Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES), mais O orçamento anual do museu, que ronda os R$ 550 mil, mas a UFRJ, há muito afetada por cortes, tem passado apenas 60% desse valor à instituição. Este ano, o museu teria recebido até agora pouco mais de R$ 80 mil (!!!???). Cadê o resto da grana? Segundo a reitoria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), as causas são nitidamente identificáveis. Ou seja, o velho e eterno problema da cleptocracia politica.

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Parlamento da China aprova lei que pode significar fim da autonomia de Hong Kong

O Parlamento chinês adotou nesta quinta-feira, praticamente por unanimidade, a polêmica lei sobre segurança nacional em Hong Kong. Segundo críticos, a medida acabará com a autonomia da ex-colônia britânica, cenário de grandes manifestações pró-democracia …

França proíbe uso de hidroxicloroquina para tratar covid-19

Decisão foi tomada após parecer desfavorável do Conselho Superior de Saúde Pública. País é o primeiro a adotar proibição desde que OMS suspendeu testes com o medicamento no tratamento de pacientes com o novo coronavírus. A …

Netflix vai permitir reprodução de filmes e séries parcialmente baixados

Já faz um bom tempo que a Netflix liberou a função de baixar filmes e séries para ver offline e, agora, parece que a empresa trabalha em uma maneira de liberar a reprodução antes mesmo …

China revela 1ª apresentadora virtual desenvolvida por inteligência artificial e tecnologia 3D

Apresentada recentemente pela agência estatal chinesa Xinhua, a primeira apresentadora digital, feita com tecnologia 3D e inteligência artificial do mundo já está trabalhando. Batizada de Xin Xiaowei, a âncora humanoide replica à perfeição a aparência, feições, …

Esta massiva galáxia antiga não deveria existir, de acordo com astrônomos

Uma galáxia massiva similar à Via Láctea desafia a compreensão da formação de galáxias por astrofísicos. Estudo publicado na Nature revela que o sistema surgiu 1,5 bilhões de anos após o Big Bang, sendo o …

Pela 1ª vez, Twitter alerta para fake news em posts de Trump

Rede social marcou dois tuítes do presidente americano com sugestão para que usuários chequem os fatos, apontando que alegações "não têm fundamento". Em reação, Trump acusou plataforma de interferir em eleições. A rede social Twitter colocou, …

Arqueólogos creem ter solucionado mistério de pinturas rupestres aborígenes

Equipe de arqueólogos australianos descobriu raros exemplares de arte rupestre detalhada e em pequena escala com recurso a estênceis, em um abrigo rochoso do povo aborígene Marra. O achado teve lugar em uma caverna que servia …

Costa Rica realiza primeiro casamento homoafetivo da América Central e celebra avanço social

Duas mulheres se casaram na manhã desta terça-feira na Costa Rica, que se tornou o primeiro país da América Central a legalizar o casamento entre pessoas homoafetivas. A pandemia de coronavírus restringiu as comemorações. …

Novo coronavírus não se propaga facilmente pelo contato com superfícies e objetos

Nós sabíamos que o novo coronavírus poderia sobreviver em superfícies por determinados períodos de tempo, e que há detergentes especiais para o manterem longe, mas essa não era a principal forma de transmissão. Agora o Centro …

Sistema do Twitter falha em rotular mensagens falsas

Com o propósito de ajudar seus usuários a não serem vítimas da desinformação sobre a pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2), o Twitter investiu em mecanismos com base na inteligência artificial para rotular postagens falsas e …