Inteligência artificial consegue quebrar proteção Captcha

Houve um tempo em que a proteção Captcha era considerada a barreira final para dividir seres humanos e bots no acesso a serviços online. Mas não mais.

Pesquisadores especializados em inteligência artificial desenvolveram uma rede neural que, por meio do reconhecimento de letras e imagens por meio de suas formas, foi capaz de quebrar o sistema e automatizar o acesso a plataformas protegidas pelo recurso.

O trabalho é da Vicarious, empresa de inteligência artificial que pertence a Jeff Bezos, fundador da Amazon, em parceria com Mark Zuckerberg, do Facebook.

Os resultados foram divulgados em um trabalho publicado na revista Science e mostram como o algoritmo conseguiu emular, com sucesso, a resposta do cérebro humano aos elementos visuais exibidos pelo Captcha.

O sistema Captcha, cujo nome significa “Teste de Turing Público Completamente Automatizado para Diferenciar Humanos e Computadores”, na sigla em inglês, é usado amplamente na internet para evitar o acesso de bots a serviços restritos ou páginas de download de arquivos.

Ele exibe um desafio simples para qualquer pessoa, mas complicado para as máquinas: reproduzir, em texto, uma palavra exibida em imagem ou o que aparece em uma fotografia. Introduzido em 1990, o sistema ganhou a internet como uma proteção incrivelmente confiável e chegou a alçar outros voos.

Um projeto, por exemplo, usava verificações do Captcha para auxiliar na transposição de textos escaneados para uma contraparte digital, enquanto uma versão do próprio Google melhora os sistemas de detecção do aplicativo de Mapas pedindo que o usuário identifique elementos como placas, carros ou fachadas de lojas em uma imagem.

Para abordar a questão, a Vicarious desenvolveu o que chamou de Rede Cortical Recursiva, RCN, na sigla em inglês, que imita os processos do cérebro humano ao abordar uma parte dos problemas de cada vez. Com diferentes camadas, essa tecnologia exige menos poder computacional ao analisar os pixels de uma imagem em busca de sua forma.

Com isso, ela seria capaz de reconhecer até mesmo objetos que estejam parcialmente ocultos ou letras escritas de maneira cursiva. O resultado dos testes exibiu um índice de acertos de até 92,5% em alguns sistemas de Captcha, e de no mínimo 57% em outros. É o suficiente para considerar a tecnologia efetivamente quebrada, já que, para a empresa, melhorias não muito complexas reduzirão ainda mais a margem de erro.

(dr) Vicarious

O algoritmo da Vicarious conseguiu quebrar o Captcha moderno com uma taxa de acertos que chega aos 92%

Por mais que sua tecnologia não tenha sido desenvolvida com fins escusos, a própria noção de que ela é possível, bem como a revelação dos achados em uma revista científica, deve levar ao desenvolvimento de soluções por indivíduos não tão bem-intencionados assim, o que vai obrigar as empresas a também trabalharem em alternativas.

Foi o que aconteceu, por exemplo, em 2013, quando a própria Vicarious quebrou o projeto inicial do Captcha com uma taxa de acerto média de 90%. Menos de 4 meses depois da revelação da descoberta, hackers começaram a liberar ferramentas automatizadas para quebrar a proteção. Isso motivou aos avanços na própria tecnologia, que levaram ao formato em vigor até hoje.

Desta vez, por outro lado, os pesquisadores são categóricos: os dias desse sistema como ferramenta de proteção estão contados. Isso porque, como a bola da vez é uma rede neural, acaba sendo mais simples adaptar a inteligência artificial a qualquer tipo de complexidade adicional que seja acrescentada, desde que ela ainda se baseie no reconhecimento de imagens.

A sugestão dos especialistas é o uso da autenticação em dois fatores, que não apenas exige atitude humana, mas também seria mais cômoda aos usuários, dispensando a necessidade de verificações a cada atividade realizada online. Mas esse é um papo para o futuro, cuja aplicação não depende necessariamente da Vicarious.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

China faz história: pela primeira vez, nasce uma semente de algodão na Lua

A missão espacial chinesa conseguiu fazer brotar uma semente de algodão na Lua, informou nesta terça-feira (15) a imprensa estatal, em um feito inédito, alcançado pelo Chang'e 4, a primeira sonda a pousar no lado …

Submarinos russos serão equipados com “torpedos do Juízo Final”

Os submarinos das frotas do Norte e do Pacífico da Marinha russa deverão brevemente contar com 32 drones nucleares Poseidon, conhecidos como “torpedos do Juízo Final”, capazes de destruir completamente cidades costeiras. Segundo revela o portal Russkoe …

Universidade egípcia expulsa aluna por abraçar o noivo (fora do campus)

A aluna abraçou o noivo quando o rapaz a pediu em casamento, mas o gesto, que não aconteceu no interior do campus, foi o suficiente para a jovem ser expulsa pela universidade. A universidade egípcia de Al …

Escultura “McJesus” provoca protestos em Israel

Uma escultura representando a figura de Ronald McDonald (da cadeia de fast food McDonald’s) crucificado, em uma exposição de arte em Israel, está provocando protestos da minoria cristã árabe no país. Centenas de cristãos árabes pediram …

Há uma espiral misteriosa na atmosfera de Vênus

A nave espacial não tripulada Akatsuki, do Japão, encontrou gigantescas estruturas espirais na atmosfera de Vênus, formadas por ventos polares e pela rápida rotação do planeta. A atmosfera de Vênus ganha atenção de astrônomos há quase …

Tem “barriga de cerveja”? Seu cérebro pode estar encolhendo

Uma equipe de pesquisadores britânicos concluiu que quem acumula mais gordura na zona do abdômen apresenta uma maior probabilidade de redução do cérebro e de aparecimento de demência. Com a linha da cintura em expansão, surgem …

Até os antigos egípcios faziam tarefa de casa

Uma tarefa de casa, escrita por uma criança do Antigo Egito, ficou preservada desde o segundo século a.C. – e as palavras podem parecer familiares até nos dias de hoje. Uma lição antiga preservada em uma …

Dinamarca avança com plano ambicioso de criar 9 ilhas na costa de Copenhague

O governo dinamarquês e a prefeitura de Copenhague, em conjunto com um gabinete de arquitectura e planejamento urbano, vão avançar com um ambicioso plano de criar nove ilhas na costa da capital do país. Um grandioso …

(cv) Euronews

Submarino alemão da Primeira Guerra Mundial aparece na costa da França

Os destroços de um submarino alemão da Primeira Guerra Mundial emergiram em uma praia de Wissant, no norte da França. Há décadas enterrada na areia, a carcaça enferrujada da embarcação naufragada em 1917 agora pode …

Não somos só o que comemos, “somos o que vemos” no dia a dia

No que diz respeito à saúde física, somos o que comemos. Mas e quanto à saúde mental? Segundo o médico David Fryburg, endocrinologista, somos o que vemos. Conforme aponta Fryburg, a comida é uma mistura complicada de fontes …