A inteligência da Humanidade está em queda; e os cientistas já sabem por quê

Um estudo recente concluiu que o quociente intelectual (QI) diminuiu nas gerações que nasceram depois de meados da década de 70 do século XX.

Uma equipe de pesquisadores noruegueses afirma que o nível de inteligência da humanidade tem diminuído nas últimas décadas graças a transformações ambientais e a uma mudança no estilo de vida das pessoas.

Bernt Bratsberg e Ole Rogeberg, dois economistas do Centro Frisch, em Oslo, analisaram o desempenho intelectual de jovens noruegueses desde 1962 até 1991. Os cientistas queriam analisar pessoas que compartilhassem os mesmos genes e ambiente familiar, pelo que tiveram de identificar irmãos através de registros administrativos.

Assim, segundo a RTP, os responsáveis pela pesquisa recorreram a certidões de nascimento de 1962 até 1991, incluindo um teste de habilidade cognitiva realizado no âmbito do recrutamento militar, aplicado à maior parte dos meninos noruegueses.

Entre 1962 e 1975, os níveis de QI dos irmãos estudados aumentaram (de 99,5 para 102,3 pontos). Contudo, até 1989 os valores caíram para 99,4 pontos, subindo ligeiramente até 1991 para 99,7.

A queda contrasta com o chamado efeito Flynn, o aumento de QI que se observou durante a primeira metade do século XX, mas que, recentemente, tem vindo a decair. Segundo algumas teorias, o efeito Flynn aconteceu graças a uma melhoria substancial de fatores como a nutrição, saúde e educação.

De acordo com as conclusões do recente estudo, publicado esta semana nos Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), o quociente intelectual não só estagnou nas últimas décadas, como diminuiu devido a alterações no ambiente e mudanças no estilo de vida as pessoas.

Os autores da pesquisa destacam que fatores como alterações nos agregados familiares, os genes, a educação parental e o número de pessoas do agregado familiar não mostraram estar relacionados com a queda nos níveis do QI.

“Apesar de esses fatores poderem estar presentes, sua influência é insignificante quando comparada com outros fatores ambientais”, lê-se no artigo científico.

Nos fatores ambientais os especialistas apontam o declínio dos valores educacionais, a degradação dos sistemas educativo e escolar, a televisão e a mídia, a degradação da educação no seio familiar e os maus hábitos de nutrição e saúde.

“Embora os resultados apoiem a alegação de que os principais fatores que influenciam o efeito Flynn são ambientais e variam entre famílias, não podemos identificar a estrutura causal dos efeitos ambientais subjacentes”, argumentam, por fim, os autores.

Ciberia // HypeScience / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Identificada a causa da maior extinção em massa na história da Terra

A vida na Terra tem uma história longa, mas também extremamente turbulenta. Em mais de uma ocasião, a maioria de todas as espécies foi extinta e uma biodiversidade já altamente desenvolvida reduziu para um mínimo …

Cães farejadores de covid: eficazes e baratos, mas esnobados

A Europa está em pânico em meio ao segundo surto de covid-19, com taxas de contágio explodindo e os PIBs despencando. A Bélgica acaba de anunciar que não mais testará cidadãos assintomáticos, mesmo que tenham …

Bolsonaro é avaliado positivamente por 37% da população, diz pesquisa

Entre os que souberam do dinheiro na cueca do senador Chico Rodrigues (52%), 74% não mudaram sua avaliação sobre o presidente Bolsonaro. Os que mais mudaram de opinião foram os pesquisados com ensino superior (26%) …

Tribunal Constitucional da Polônia invalida direito ao aborto por malformação do feto

O Tribunal Constitucional da Polônia invalidou nesta quinta-feira (22) uma disposição que permitia a interrupção voluntária da gravidez (IVG) em caso de malformação do feto. Uma vez que a decisão entre em vigor, apenas o …

Estudo descobre 1,8 bilhão de árvores no deserto do Saara e no Sahel

Um estudo publicado na revista Nature descobriu que na região do Saara Ocidental e no Sahel, há mais de um bilhão de árvores. No meio da aridez do local, a surpreendente descoberta colocou um novo …

Guerra Fria 2.0 entre EUA e China será uma batalha tecnológica, dizem especialistas

A batalha mundial pelo domínio da alta tecnologia está cada vez mais centrada em EUA e China. Com confronto aberto no caso da Huawei, especialistas do clube Valdai alertam para uma longa guerra fria tecnológica …

Combate à corrupção reduz mortalidade infantil, aponta estudo

Auditorias anticorrupção realizadas em municípios brasileiros entre 2003 e 2015 reduziram a mortalidade infantil. Esta é a principal conclusão de um estudo, conduzido por pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, que relacionou o …

2.300 maneiras de prevenir o Covid-19 foram mapeadas por universidade brasileira

Está disponível online a Plataforma das Universidades contra COVID-19 organizada pelo Projeto Ciência Popular e desenvolvida em parceria com a Empresa Júnior de Sistemas de Informação da EACH/USP (Síntese Jr.). Em setembro havia sido publicado o …

Debate nos EUA: Trump não disse nada de novo para reverter vantagem de Biden, diz historiador

O segundo e último debate entre o presidente americano, Donald Trump, e seu rival democrata Joe Biden, nesta quinta-feira (22), em Nashville, foi mais civilizado do que a primeira confrontação entre os dois candidatos …

Mais humanos estão evoluindo para ter três artérias nos braços; entenda porquê

Não se engane ao achar que o corpo humano não está em constante evolução. Pesquisadores australianos descobriram recentemente que o nosso organismo parece estar, aos poucos, desenvolvendo uma nova artéria no braço: a artéria mediana. Esse …