Investigação da Lava Jato na Suíça envolve 25 bancos

Tomaz Silva / Agência Brasil

-

Autoridades suíças congelaram dezenas de contas de ex-diretores da Petrobras e políticos brasileiros em bancos como o J. Safra Sarasin, HSBC e Credit Suisse

Sinônimo de estabilidade e de confiança, o setor financeiro suíço tem passado por um verdadeiro terremoto desde a eclosão da Operação Lava Jato no Brasil.

Se nos últimos anos os suíços se dedicaram a mostrar para o mundo que as contas secretas haviam acabado, o escândalo brasileiros reabre velhas feridas e mobiliza governo, procuradores, advogados e banqueiros.

A dimensão do caso surpreende até mesmo experientes advogados especializados em anticorrupção na Suíça. Em pouco mais de um ano, as investigações no país acumularam números constrangedores.

Há mil contas bloqueadas em 42 instituições financeiras. Mais de 60 processos criminais estão em andamento na Suíça. Um total de US$ 800 milhões já foram congelados e 25 bancos estão sendo investigados pelas autoridades.

O BSI, que chegou a ser controlado pelo Banco Pactual, foi sancionado. O Pactual era comandado por André Esteves, empresário bilionário preso em novembro do ano passado sob suspeita de tentar obstruir a Lava Jato.

Não há como negar que, mesmo distantes de campanhas eleitorais irregularmente financiadas ou de projetos na África, os bancos suíços funcionaram como plataforma de transferências de propinas entre os implicados na Lava Jato.

Agora, a investigação procura saber até que ponto foram coniventes.

Questionado pelo jornal O Estado de S.Paulo sobre como a Suíça permitiu ser usada de forma tão ampla por suspeitos de corrupção no Brasil, o presidente suíço, Johann Schneider-Ammann, evitou uma resposta direta.

“Nunca aceitamos e não aceitaremos dinheiro de corrupção no nosso país”, disse. “Vivemos em um estado de direito e cumprimos as regras”, insistiu. “Sabemos que existem problemas de corrupção e, no caso específico envolvendo a Suíça, oferecemos nossa preparação para corrigir esses processos”, prometeu.

Entre os banqueiros, o tom é diferente. Com os nomes de suas instituições no caso, adotaram a estratégia de mostrar que estão colaborando com a Justiça. Segundo os investigadores, foi o banco usado por Eduardo Cunha quem denunciou o político às autoridades.

No começo, o caso pareceu pequeno. Investigava-se um número limitado de ex-diretores da Petrobrás. Até junho de 2015, bancos haviam sido alertados pelo Ministério Público de que qualquer envolvimento com nomes como Eduardo Cunha, Henrique Alves ou Nestor Cerveró teria de ser comunicado às autoridades.

Mas, naquele mês, a prisão de Marcelo Odebrecht, no Brasil, abriu uma nova onda de denúncias internas. No dia seguinte à detenção, o Escritório de Comunicação sobre Lavagem de Dinheiro, uma agência suíça, recebeu 80 alertas de bancos denunciando transações em nome de Marcelo ou de sua empresa.

Diante da proporção do caso, os suíços ampliaram a equipe de investigadores. O escritório do procurador-geral, Michael Lauber, confirmou que atualmente só a força-tarefa criada na Suíça para investigar a corrupção no Brasil tem mais de uma dezena de pessoas.

“O processo da Petrobrás é complexo”, justificou. A força-tarefa inclui analistas forenses e de tecnologia da informação, especialistas em lavagem de dinheiro e em corrupção internacional. É ainda reforçada pela Polícia Federal suíça, além do Escritório Federal de Justiça.

Ramificações

Os procuradores de Berna, capital da Suíça, e de Lausanne pediram para que autoridades de outros países, como Panamá, Holanda e Liechtenstein, colaborassem.

Em pouco mais de um ano e meio, as autoridades suíças congelaram dezenas de contas em bancos sagrados do sistema suíço, entre eles o J. Safra Sarasin, UBS, HSBC, Julius Baer, Pictet, Lombard Odier e Credit Suisse.

Nesses bancos, reuniões de emergência se proliferaram na alta cúpula para avaliar como dar uma resposta à nova crise de credibilidade internacional.

Com o congelamento vieram milhares de páginas de extratos – e a constatação que teriam de transferir alguns casos para o Brasil. Esse foi, por exemplo, o caminho do processo criminal sobre Cunha. Os procuradores brasileiros receberam um caso praticamente pronto. “Tivemos apenas de traduzir”, contou um procurador em Brasília.

Patrick Odier, ex-presidente da Associação Suíça de Bancos e um dos executivos mais importantes do país, disse acreditar que parte do problema foi provocado pela ânsia das instituições financeiras em atrair fortunas.

Queremos ser líderes em gestão de fortunas e, às vezes, isso traz riscos”, disse. O banco do executivo, o Lombard Odier, está entre os que abriram contas para ex-dirigentes da Petrobrás incriminados na Lava Jato, como Jorge Zelada e Pedro Barusco.

Claude-Alain Mangelisch, presidente da Associação de Bancos Suíços, admitiu à reportagem que a Lava Jato revelou como operadores, fundos e trustes, instrumento de custódia de bens que Cunha admitiu usar, criaram uma rede “complicada” de transferências, justamente para dissimular os recursos e os seus beneficiários.

Para ele, a Suíça e seus bancos têm a obrigação de “resolver da forma mais rápida possível” o caso, diante da repercussão negativa para o país.

Até agora, porém, a Suíça lembra o Brasil de antes da Lava Jato: nenhum banqueiro suíço foi nem sequer indiciado. “Essa é a grande hipocrisia”, disse Jean Ziegler, sociólogo e autor do livro A Suíça Lava mais Branco.

“A impunidade em relação aos banqueiros é total.”

COMPARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Na verdade a grande prejudicada é nação brasileira, com juros do banco central acima de 14%, juros estes estabelecidos pelos grandes grupos financeiros internacionafinais e nacionais. Um verdadeiro crime humanitario

    Centena de bilhões de dólares roubados anualmente das famílias brasileiras.
    Um grande crime massacra e empobrece o povo brasileiro.

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Mais uma vez os Simpsons previram tudo que está acontecendo nos EUA agora

Os roteiristas de “Os Simpsons ” ficaram conhecidos por prever diversos acontecimentos mundiais, da eleição de Donald Trump ao final de Game of Thrones. Parece que a bola de cristal da animação voltou a funcionar …

Brasil ultrapassa 30 mil mortes por covid-19

Em novo recorde, país registra 1.262 óbitos em um dia, elevando total para 31.199. Casos confirmados em 24 horas passam de 28 mil, chegando a 555.383. Apenas Reino Unido, Itália e EUA contabilizam mais de …

Suécia vai abrir “CPI da Covid-19” para saber se governo fez bem ao não isolar a população

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a Suécia tem ido na contramão de seus vizinhos. O país escandinavo preferiu manter um ritmo quase normal em suas atividades e não impôs o confinamento …

Uber testa modalidade que permite ao usuário reservar carro por hora

Na tentativa de achar novas fontes de receita para seu negócio de corridas compartilhadas, seriamente afetado pela COVID-19, a Uber está testando uma nova modalidade, focada nos passageiros que precisam fazer viagens mais longas e …

Revelada razão de comportamento instável de estrelas perto dos centros galácticos

Estrelas de ramo horizontal extremo são mais brilhantes e têm um ciclo de vida inferior ao das estrelas comuns, de acordo com um novo estudo. Os astrônomos estudaram o comportamento de um tipo especial de estrelas, …

Trump ameaça acionar Forças Armadas para conter protestos

No 7.º dia de manifestações antirracismo, Presidente dos EUA critica inação de governadores e promete enviar milhares de soldados para pôr fim a distúrbios. Visita de Trump a igreja é criticada como tentativa de autopromoção. O …

Não é apenas o coronavírus: surto de ebola retorna ao Congo

Foi confirmada, pelo ministro da Saúde do Congo, a descoberta de novos casos de Ebola na província de Équateur. O último surto do vírus altamente mortal ocorreu em 2018 e matou 33 pessoas no país. O …

Coronavírus: São Paulo se prepara para reabertura com 70% de leitos ocupados

O governo estadual de São Paulo ordenou a reabertura gradual dos estabelecimentos comerciais a partir dessa terça-feira (2). A gestão diz se basear no índice de infecções do novo coronavírus por cidade. Mesmo com 70% …

Júpiter é tão grande que quase virou um sol

Júpiter é o maior planeta do sistema solar. Assim, bem maior mesmo. Do tipo se você pegar todos os outros planetas e juntar suas massas, não chega nem aos pés dele. Nem mesmo metadinha. Esse gigante …

União Europeia pede que EUA reconsiderem sua decisão de cortar relações com a OMS

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o chefe de relações internacionais da União Europeia, Josep Borrell, pediram neste sábado (30) que os Estados Unidos “reconsiderem a decisão anunciada” de romper …