Os islandeses erradicaram a síndrome de Down

(dv)

A síndrome de Down está virtualmente erradicada na Islândia. Em uma nação com 330 mil habitantes, nascem em média por ano um a dois bebês com a doença.

A síndrome de Down é causada por uma divisão celular anormal que envolve o cromossomo 21, resultando em material genético extra o que, por sua vez, resulta em características e atrasos no desenvolvimento e problemas associados à condição genética.

As deficiências cognitivas resultantes da síndrome de Down podem variar de leve a grave, e anomalias físicas mortais também são frequentemente associadas à doença. Aproximadamente metade de todos os que sofrem desta condição têm graves problemas de saúde, incluindo defeitos cardíacos congênitos potencialmente mortais.

A expectativa de vida dos portadores da síndrome é de aproximadamente 60 anos, e muitos necessitam de cuidados médicos especializados durante toda a vida.

Os testes médicos modernos e os procedimentos de triagem reduziram drasticamente o número de bebês nascidos com síndrome de Down em países desenvolvidos. A condição é muitas vezes perceptível enquanto o feto ainda está no útero, seja por ultrassom, teste genético ou uma combinação dos dois.

Porém, nenhum país chegou tão perto de erradicar a síndrome de Down como a Islândia, mas o método usado para isso colocou muitos ativistas antiaborto em pé de guerra.

As mulheres na Islândia abortam assim que detectam a condição no feto, a uma taxa de quase 100%.

Os testes de triagem para a condição genética estão disponíveis desde o início dos anos 2000 e, embora completamente opcionais, o Governo islandês exige que todas as mulheres grávidas sejam informadas de que os testes estão disponíveis.

Cerca de 80% a 85% das mulheres na Islândia opta pelo teste genético que mostra a síndrome de Down, de acordo com a CBS News.

O teste é referido como o “Teste de Combinação” e considera fatores como resultados de exames de sangue, idade da mulher grávida e imagens de ultrassom para determinar se o feto possui ou não uma anormalidade cromossômica, como a síndrome de Down.

Embora a prática generalizada da Islândia de rastrear a síndrome de Down e terminar quase todas as gravidezes em que se descobre que a síndrome existe possa parecer difícil, não é uma coisa rara no mundo desenvolvido.

Em 2015, 98% das gravidezes detectadas com síndrome de Down foram terminadas. Na França, a taxa foi de 77%. Nos Estados Unidos, de 1995 a 2011, 67% das gravidezes com síndrome de Down foram terminadas.

A síndrome de Down geralmente não é descoberta até ao final do segundo trimestre, o que pode representar um dilema legal e ético para algumas grávidas. No entanto, a Islândia permite o aborto após as 16 semanas em casos de deformidade fetal, na qual se inclui a síndrome de Down.

Apenas alguns bebês com síndrome de Down nascem durante um ano na Islândia e, em muitos desses casos, é porque os pais obtêm resultados de triagem genética incorreta.
De acordo com o geneticista Kari Stefansson, o fundador da deCODE Genetics, a síndrome de Down foi quase erradicada na Islândia.

Como a empresa investigou genomas envolvendo quase toda a população da Islândia, tornou-se especialista no assunto. E Stefansson acredita que o aconselhamento genético “pesado” feito no país é culpado da taxa de abortos com síndrome de Down de quase 100%.

“Isso reflete um aconselhamento genético relativamente pesado. E eu não acho que isso seja desejável. Tem impacto em decisões que não são médicas, de certa forma. Não creio que haja algo de errado em aspirar a ter filhos saudáveis, mas a medida em que devemos ir atrás desses objetivos é uma decisão bastante complicada”, pondera.

Do outro lado da questão estão todas as mães e pais de crianças com Down que, qualquer que tivesse sido a sua decisão, gostariam de poder tê-la tomado.

// ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Um traumatizado veterano SEAL da Marinha dos EUA disse que uma viagem "mágica" de cogumelo pôs fim à sua depressão

Antes de sua primeira viagem guiada de cogumelos “mágicos”, Chad Kuske era prisioneiro de sua própria raiva no trânsito. Se um carro parasse na frente dele, ele ficava consumido pela raiva, ultrapassando todos os veículos em …

Esta espécie rara de uva é maior que um ovo de galinha

Não, as fotos de uvas gigantes (do tamanho de ovos de galinha) não são falsas. Se você passa um tempo considerável na internet, deve ter visto imagens dessas frutas atípicas por aqui. Para a surpresa …

Reino Unido anuncia novas restrições após fim do lockdown para tentar conter segunda onda de covid-19

O Reino Unido sai na próxima semana de um novo lockdown, mas, diante do aumento de casos de covid-19 no país, não entra em um período de flexibilização das medidas de distanciamento social. Nesta quinta-feira (26/11), …

Neandertais podem ter usado as mãos de maneira diferente à dos humanos modernos

Os neandertais podem ter feito um uso diferente das mãos em comparação à forma como os humanos modernos as usam, para eles seria difícil repetir muitos gestos normais para nós hoje em dia. Os dedos do …

Catarro? Som da tosse? Conheça métodos alternativos para detectar a covid-19

Desde o início da pandemia, a realização de testes para detectar a covid-19 fez-se extremamente necessária. No entanto, com o passar dos meses, instituições e empresas privadas ao redor do mundo deram início ao desenvolvimento …

Ativistas preparam protesto global contra a Amazon

Um grupo internacional de ativistas climáticos, aliados a trabalhadores de armazéns da Amazon, lançou uma campanha online global, cujo objetivo é pressionar a gigante do e-commerce a oferecer melhores condições de trabalho para seus funcionários …

Pesquisadores descobrem em cometa elemento essencial para vida na Terra

A descoberta indica que os elementos imprescindíveis para o surgimento da vida podem ter chegado à Terra por meio de cometas. Pesquisadores identificaram fósforo e flúor em partículas de poeira sólida coletadas no interior do cometa …

Consumo de plásticos explode na pandemia e Brasil recicla menos de 2% do material

Com o avanço do delivery de alimentos e do comércio eletrônico, além do maior uso de material hospitalar descartável como máscaras e luvas, o consumo de plásticos explodiu durante a pandemia do coronavírus. O aumento do …

Cientistas explicam por que não se consegue parar a pandemia

Cientistas turcos descobriram que a quantidade de vírus SARS-CoV-2 no organismo de pacientes assintomáticos é mais alta do que nos que apresentam sintomas, o que diferencia radicalmente o novo coronavírus de outros patógenos e explica …

Al-Ahly venceu Liga dos Campeões da CAF

A equipa egípcia do Al-Ahly arrecadou o troféu da Liga dos Campeões da Confederação Africana de futebol pela nona vez ao derrotar o outro clube egípcio, o Zamalek, por 1-2. A final 100% egípcia decorreu no …