Empresa diminui jornada de trabalho para 4 dias na Nova Zelândia; salário continua o mesmo

Os trabalhadores da Perpetual Guardian trabalham apenas quatro dias por semana e recebem o mesmo salário. A empresa neozelandesa decidiu fazer a experiência e os resultados não poderiam ser melhores.

Mantendo o mesmo salário e sem necessidade de fazerem horas extras, os funcionários da empresa Perpetual Guardian, na Nova Zelândia, puderam tirar um dia de folga por semana. A experiência foi realizada durante oito semanas e revelou ser um autêntico sucesso.

A empresa gerou o mesmo, mas com menos um dia de trabalho, fazendo com que a produtividade aumentasse, assim como os níveis de motivação dos funcionários. O diretor da empresa afirmou que os resultados foram “empolgantes”, destacando um maior equilíbrio entre a vida profissional e a vida familiar.

Andrew Barnes, fundador e diretor da Perpetual Guardian, é o responsável pela ideia de implementar a semana de apenas quatro dias de trabalho. E não se arrepende! Em entrevista à Radio Live, o diretor revelou ainda que a ligação entre os funcionários da empresa aumentou significativamente. “As pessoas ficaram mais confortáveis com a organização da empresa”, declarou.

No entanto, a existência de um dia de folga extra existe um maior empenho por parte dos trabalhadores para que os níveis de produtividade se mantenham inalterados. “Nós não reduzimos o número de horas de trabalho contratualizadas, mas o que dissemos foi: ‘se não mantêm a produtividade, retiramos o presente’”, explicou Barnes.

Segundo o Diário de Notícias, os 240 trabalhadores da empresa neozelandesa mantiveram a produtividade e, inacreditavelmente, os níveis de estresse diminuíram.

Ainda assim, os funcionários precisaram de um período de adaptação. Segundo o diretor, tiveram que se ajustar a nova realidade, que começou a ser testada em março deste ano. Apesar da regalia, Barnes deixa claro que “isso é um presente, e não um direito”.

Se me dão a produtividade que eu quero eu dou um dia de folga. É respeito mútuo”, afirmou, aconselhando todas as empresas do país a seguirem o exemplo de modelo de trabalho.

As oito semanas da experiência foram analisadas por acadêmicos da Universidade de Auckland. Através de várias entrevistas e análises, os especialistas chegaram à conclusão que a semana de quatro dias de trabalho não teve qualquer efeito negativo na produtividade da empresa… pelo contrário!

Ao The Guardian, Helen Delaney, professora da Escola de Negócios da Universidade de Auckland, disse que os funcionários “projetaram uma série de inovações e iniciativas para trabalhar de uma forma mais eficiente e produtiva, desde automatizar processos manuais ou eliminar o uso da internet não relacionado com o trabalho”.

Antes da experiência revolucionária, 54% dos funcionários afirmaram que conseguiram equilibrar a vida profissional com a vida familiar. Mas o número aumentou para 78% após as oito semanas. Além disso, o nível de estresse diminuiu 7% e a satisfação com a vida subiu 5%.

Por enquanto, a semana de quatro dias de trabalho não é permanente na empresa, mas Barnes já trabalha nesse sentido. O diretor da Perpetual GUardian vai enviar à administração recomendações para que o modelo de trabalho não seja extinto e se torne comum na companhia.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Detalhe microscópico revela segredos de retratos egípcios de 1.800 anos

Análise das partículas da tinta revelou novas informações sobre os retratos enterrados ao lado das múmias egípcias há mais de 1.800 anos. A pintura Retrato do Homem Barbudo foi feita entre 170 e 180 d.C. e …

Ação da polícia contra migrantes em Paris gera críticas

Forças de segurança desmontam de forma violenta acampamento improvisado no centro da capital francesa. Ministro do Interior diz que imagens são chocantes. Ação ocorre na véspera de votação de lei que favorece polícia. A ação da …

Pandemia gera escassez de matéria-prima e faz preços subirem no Brasil

Por três vezes ao longo do mês de outubro, Diogo Murrieta, dono da pizzaria La-Nápoles, em Belém do Pará, tentou comprar as embalagens de papelão nas quais suas pizzas são entregues aos clientes e não …

Quando as crianças dominaram o mundo: uma sociedade paralela que parece saída da ficção

Na virada do século XIX para o século XX, os jovens, aqueles que já não mais eram crianças mas ainda não haviam entrado para o mercado de trabalho e se tornado adultos, sequer eram vistos …

Sem reconhecer derrota, Trump autoriza início de transição para administração Biden

Mais de duas semanas após o anúncio da vitória de Joe Biden na eleição presidencial americana, Donald Trump autorizou nessa segunda-feira o início do processo de transição para a administração do democrata, mas não …

Os estados quânticos mais extremos são descobertos por cientistas

Pela primeira vez, físicos descobriram uma maneira de definir matematicamente o grau de quanticidade que qualquer coisa — seja partícula, átomo, molécula ou mesmo um planeta — exibe A partícula de luz é uma bola zunindo …

Itália supera a marca de 50 mil mortos por COVID-19

Primeiro país ocidental a registrar casos da doença torna-se o sexto do mundo a alcançar esta marca. País é o que mais teve mortes no continente nos últimos dias. O governo italiano informou nesta segunda-feira (23) …

Covid-19: EUA pretendem lançar campanha de vacinação em dezembro

O país, o mais atingido pela epidemia no mundo, espera vacinar sua população 24 horas após a concessão da autorização de emergência pelo FDA, a agência americana reguladora de medicamentos. A reunião pública de …

França quer punir delito de "ecocídio"

Membros do governo francês anunciaram neste domingo (22/11) que pretendem promover uma projeto de lei para punir o "delito de ecocídio" com o objetivo de combater danos graves e intencionais ao meio ambiente, com previsão …

Barco em formato de ziper “abre” os mares enquanto navega

Se na fábula bíblica Moisés abriu o Mar Vermelho, o designer japonês Yasuhiro Suziki decidiu tornar a metáfora quase literal, ao criar um barco no formato de um imenso zíper. O resultado é ao mesmo tempo …