Julho de 2019 foi o mês mais quente da história

ABr

Temperatura média ultrapassou em 0,04ºC o recorde anterior de 2016. Mês foi marcado por ondas de calor na Europa e incêndios florestais sem precedentes na Sibéria e no Alasca.

Julho de 2019 foi o mês mais quente já registrado no mundo e este ano está a caminho de ser o mais quente da história, segundo dados divulgados nesta segunda-feira pelo serviço europeu Copernicus sobre mudança climática.

“O mês de julho é geralmente o mais quente do ano no mundo, mas de acordo com os nossos dados o último também foi o mês mais quente já registrado globalmente“, afirmou o responsável pelo Copernicus, Jean-Noël Thépaut, em comunicado.

Ele acrescentou que “com a continuação das emissões de gases de efeito de estufa e o impacto global das temperaturas, os recordes continuarão a ser quebrados no futuro”.

O mês foi marcado por ondas de calor que atingiram a Europa e com temperaturas excepcionalmente altas ao redor do Círculo Ártico. Além disso, incêndios sem precedentes devastaram partes da Sibéria e do Alasca, liberando mais de 100 milhões de toneladas de dióxido de carbono na atmosfera entre junho e julho.

Recordes de temperatura foram quebrados em diversos países europeus, como a Alemanha, Bélgica ou Holanda. Em Paris, por exemplo, os termômetros marcaram 42,6°C, a temperatura mais alta já registrada na capital francesa, ultrapassando o recorde anterior de 40,4°C alcançado em 1947.

Em comparação com o período entre 1981 e 2010, as temperaturas médias de julho ficaram acima do normal no Alasca, Groenlândia e partes da Sibéria, bem como na Ásia Central e partes da Antártida. As temperaturas na África e Austrália também ficaram acima da média.

Segundo dados do Copernicus, o mês de julho foi 0,04ºC mais quente do que o recorde anterior: de julho de 2016, ano marcado pela influência do fenômeno atmosférico-oceânico El Niño, que tende a elevar as temperaturas.

O Copernicus acrescentou que a temperatura em julho de 2019 foi 0,56ºC acima da média do período entre 1981 e 2000, quase 1,2ºC acima do nível pré-industrial, a linha de base dos especialistas em clima das Nações Unidas.

“Sempre houve verões quentes, mas este não é o verão da nossa juventude, não é o verão dos nossos avós”, comentou, há alguns dias, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) estima que 2019 fique entre os cinco anos mais quentes já registrados. “Julho reescreveu a história climática com dezenas de recordes de temperatura local, nacional e global”, afirmou o secretário-geral da agência, Petteri Taalas, num comunicado e destacou que o aquecimento global é o responsável por essa mudança.

Segundo o Copernicus, todos os meses do ano ficaram entre os mais quentes já registrados para o período, com junho e julho batendo recordes. A medição das temperaturas teve início por volta de 1880.

Em comunicado, o serviço europeu apontou, no entanto, que o aumento de temperatura média para julho foi tão pequeno que é possível que outras organizações que analisam dados com outros métodos, não cheguem à mesma conclusão. A Agência Atmosférica dos Estados Unidos ainda não publicou as suas conclusões para o mês.

Apenas um ano do século 21 não está entre os mais quentes já registrados. Cientistas apontam o aquecimento global impulsionado pela ação humana para justificar essa mudança.

Deutsche Welle //

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Pessoas feias superestimam drasticamente suas aparências

Pessoas pouco atraentes parecem menos capazes de julgar com precisão sua própria atratividade, e tendem a superestimar sua aparência. Não faltam disparidades entre pessoas atraentes e pouco atraentes. Estudos mostram que os mais belos entre nós …

Noruega acusa Pequim de ciberataque contra serviços do governo

Pela primeira vez na história, o Serviço de Segurança Policial da Noruega (PST, na sigla em inglês) identificou a China como sendo responsável por um ataque hacker contra as autoridades do país nórdico. A agência de …

China supera marca de 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 aplicadas

Quantia representa mais de um terço das doses aplicadas no mundo. Após início lento da imunização, autoridades chinesas querem vacinar completamente 40% da população até o final de junho. O número de doses de vacinas contra …

Brasileiros protestam no exterior contra Bolsonaro e gestão da epidemia

Dezenas de milhares de pessoas tomaram as ruas de várias capitais brasileiras neste sábado para protestar contra o presidente Jair Bolsonaro e sua gestão da pandemia, que já deixou mais de meio milhão de …

Relíquia do Jurássico: descoberto animal marinho cuja espécie vive há 180 milhões de anos

Um grupo de pesquisadores descreveu uma nova espécie de ofíuros – um animal marinho parecido com as estrelas-do-mar, que recebeu o nome de Ophiojura, informou nesta quinta-feira (17) Tim O’Hara, curador dos Museus Victoria (Austrália) …

Projeto de estrada cortando parque das cataratas de Iguaçu ameaça outras áreas de proteção pelo Brasil

Uma das paisagens naturais mais impressionantes do Brasil e reconhecida pela Unesco, o Parque Nacional do Iguaçu, que abriga as cataratas, no Paraná, pode ser cortado ao meio por uma rodovia asfaltada – em …

Por que a imunidade de rebanho está longe de ser realidade

Embora costume ser apresentada como simples cálculo matemático, alcançar a imunidade de rebanho não é tarefa fácil. Ela não só depende da infecciosidade das variantes, como da adoção de medidas sanitárias pela população. Apesar das campanhas …

Uso de maconha na adolescência pode atrapalhar o desenvolvimento do cérebro

O consumo de maconha pode ser prejudicial ao cérebro humano durante a adolescência, de acordo com estudo publicado na última quarta-feira (16). Segundo a pesquisa, realizada em regiões da Europa, o uso recreativo da planta pode …

EUA terão feriado para comemorar fim da escravidão

Data já celebrada na maioria dos estados vai se tornar feriado federal. O "Juneteenth" lembra dia em que os últimos escravos negros foram libertados no país, em 1865. Após aprovação pelo Congresso dos Estados Unidos na …

5 perguntas sobre os denisovanos, 'parentes' extintos dos humanos modernos que viveram na Terra há 50 mil anos

Desde que os primeiros vestígios dos denisovanos foram descobertos em 2008, os cientistas não descansaram tentando obter mais informações sobre eles. A tarefa, no entanto, não tem sido fácil, porque até agora só foram encontrados pequenos …