Manifesto “Todas Sabemos” quer criar “rede de solidariedade” contra abusos

Tânia Rêgo / Agência Brasil

A ONG Rio de Paz promove, na Praia de Copacabana, ato público contra o abuso sofrido pelas mulheres

Oitocentas e cinquenta pessoas assinaram, numa semana, o manifesto “Todas Sabemos” que pretende criar uma “rede de solidariedade” e levar o governo português a criar mecanismos de prevenção, denúncia e protecção contra assédio moral e sexual.

O manifesto vai ser publicado em francês porque se trata de uma causa transversal, explicam algumas das co-autoras que vivem em Paris.

Uma semana depois da sua publicação, 850 académicos, artistas e outros profissionais do sector cultural e científico assinaram o manifesto “Todas Sabemos”, publicado a 14 de Abril no portal Buala.

Trata-se de um texto que manifesta “total solidariedade” com as autoras do artigo “The walls spoke when no one else would: Autoethnographic notes on sexual-power gatekeeping within avant-garde academia”, publicado no livro “Sexual Misconduct in Academia: Informing an Ethics of Care in the University”, da editora britânica Routledge.

O artigo, de três ex-investigadoras do Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra, denunciava casos de assédio moral e sexual no seio da instituição e levou o centro a criar uma comissão independente para investigar as alegações.

O director emérito do CES, Boaventura de Sousa Santos, disse, em comunicado, que vai processar as autoras do artigo por difamação e nega as acusações.

Contactado pela RFI, Boaventura de Sousa Santos remeteu para mais tarde quaisquer declarações.

Esta sexta-feira, no jornal Público, o professor e investigador disse esperar que a sua voz “seja ouvida com a mesma atenção que outras vozes” e que tem “todo o interesse em que a comissão independente criada pelo CES efectue a competente investigação de todas as denúncias” e que “ouça todas as partes com igual imparcialidade e rigor”.

O manifesto “Todas Sabemos” expressa “total solidariedade” com outras vozes que, entretanto, vieram a público e “com todas as pessoas sujeitas a abusos de poder e outras formas de violência em contexto académico e fora dele”.

O texto foi redigido a muitas mãos e também por três professoras que vivem em Paris: Luísa Semedo, professora de Filosofia, Maria Benedita Basto, professora de Estudos Lusófonos na Universidade Paris Sorbonne, e Raquel Schefer, professora de Estudos Cinematográficos na Universidade Sorbonne Nouvelle que falaram com a RFI.

O manifesto já tem uma versão em inglês e vai ser publicado em castelhano e em francês “porque o problema de abuso moral e sexual na Academia, violência e violência de género é transversal a todas as instituições, mas também acontece em todos os países”, explica Raquel Schefer.

O documento quer, também, contribuir para “uma reflexão sobre as questões mais profundas que continuam a existir na sociedade portuguesa, e não só, e que levam a que esses casos e situações aconteçam”, diz Maria Benedita Basto.

“O texto tenta reflectir sobre a maneira como as divisões e a existência dessas hierarquias tão marcadas no seio da academia – como no seio de outras instituições, não é um problema exclusivo da academia – depois se reflectem em práticas de abuso de poder que podem ter múltiplas declinações”, acrescenta Raquel Schefer.

Será que se está perante o início do movimento #MeToo em Portugal? Luísa Semedo diz que “teria de ser um movimento muito mais forte”, mas que “já dá para ver que são as mesmas estruturas e as mesmas estratégias de evitar a verdadeira questão” que se verificaram em diversos países.

O manifesto começa por invocar “total solidariedade” com as autoras do artigo “As paredes falam quando mais ninguém o fez” e sublinha que “as repetidas e persistentes situações abusivas que o texto retrata, longe de serem episódicas ou um ataque concertado de difamação pessoal, institucional ou política, devem ser interpretadas como uma crítica a dinâmicas institucionais sistémicas, comuns dentro e fora da academia”.

É o que sublinha a investigadora Maria Benedita Basto ao dizer que “a questão é muito mais extensa e transversal”: “Convém alertar as pessoas que não estamos a falar, nem a acusar, um centro em particular e uma situação em particular, mas que é o momento de aproveitar o que está a acontecer para uma reflexão mais global, mais geral e mais transversal e, dessa forma, realmente criar uma acção porque a ideia também é de agir e tentar mudar alguma coisa”.

A investigadora salienta que o manifesto foi criado para “criar uma rede de solidariedade e apoio” e “preparar, eventualmente, uma intervenção junto de instituições e do governo”. Até porque, destaca, “a resposta, a nível do governo, tem sido uma resposta muito fácil a dizer que já existem instituições e canais que possam resolver o problema e isso não corresponde inteiramente à verdade”.

“No caso das universidades e das escolas, do ensino em geral, as falhas são bastante grandes. É, ao mesmo tempo, no campo escolar, mas é também na sociedade em geral, tentar que ao nível do governo haja uma tomada de consciência de que o que está feito não chega, que é preciso fazer e que é bom que essa parte que é preciso fazer seja feita com actores no terreno: pessoas que viveram essas situações e outras pessoas que pretendem estar solidárias com elas”, explica Maria Benedita Basto.

O texto aponta “o assédio sexual e moral, o extrativismo intelectual (a prática de plagiar ou reproduzir o trabalho de outrem sem citar, apresentando-o como seu), bem como outras formas de violência” como “estruturais e estruturantes de um sistema académico fundado em marcadas hierarquias profissionais e divisões de classe, género e étnico-raciais”.

Além disso, fala na “concentração de poder” e “monopolização de recursos financeiros essenciais para o desenvolvimento de carreiras de investigação, cuja grande maioria assenta na precariedade”.

“O modo como funciona – no interior da academia, das bolsas, os pós-doutoramentos, etc – está, por vezes, nas mãos de uma pessoa que vai assinar. Não se pode dar muito poder só a uma pessoa sobre a vida de várias outras que estão subalternizadas. Parece-me absolutamente evidente que as tutelas têm que tratar disso e não lavar as mãos como se não fosse um problema delas”, acrescenta Luísa Semedo, lembrando que se está a falar em “dinheiros públicos”.

O manifesto destaca, ainda, as retaliações e aponta que “não é de ânimo leve que as mulheres se sujeitam ao escrutínio e ao questionamento público” porque “sabem de antemão o que as espera: juízos de valor, humilhação, deturpação, desvalorização, ridicularização e potencial re-traumatização”.

O manifesto é, por isso, uma forma de resistência, nomeadamente contra “a cultura do medo”. “É preciso resistir e nós estamos a tentar fazer corpo, fazer grupo (…) Todos os movimentos emancipatórios e de resistência são assim. Ou tu te calas e ficas num buraquinho e deixas o poder funcionar como ele costuma funcionar ou fazes o teu papel de fazer resistência. A resistência é aguentar todo o ‘backlash’ que vem a seguir e avançar e progredir”, conclui Luísa Semedo.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Como é feito o café descafeinado? A bebida é realmente livre de cafeína?

O café é uma das bebidas mais populares do mundo, e seus altos níveis de cafeína estão entre os principais motivos. É um estimulante natural e muito popular que dá energia. No entanto, algumas pessoas preferem …

“Carros elétricos não são a solução para a transição energética”, diz pesquisador

Peter Norton, autor do livro “Autonorama”, questiona marketing das montadoras e a idealização da tecnologia. Em viagem ao Brasil para o lançamento de seu livro “Autonorama: uma história sobre carros inteligentes, ilusões tecnológicas e outras trapaças …

Método baseado em imagens de satélite se mostra eficaz no mapeamento de áreas agrícolas

Modelo criado no Inpe usa dados da missão Sentinel-2 – par de satélites lançado pela Agência Espacial Europeia para o monitoramento da vegetação, solos e áreas costeiras. Resultados da pesquisa podem subsidiar políticas agroambientais Usadas frequentemente …

Como o Brasil ajudou a criar o Estado de Israel

Ao presidir sessão da Assembleia Geral da ONU que culminou no acordo pela partilha da Palestina em dois Estados, Oswaldo Aranha precisou usar experiência política para aprovar resolução. O Brasil teve um importante papel no episódio …

O que são os 'círculos de fadas', formações em zonas áridas que ainda intrigam cientistas

Os membros da tribo himba, da Namíbia, contam há várias gerações que a forte respiração de um dragão deixou marcas sobre a terra. São marcas semicirculares, onde a vegetação nunca mais cresceu. Ficou apenas a terra …

Mosquitos modificados podem reduzir casos de dengue

Mosquitos infectados com a bactéria Wolbachia podem estar associados a uma queda de 97% nas infecções de dengue em três cidade do vale de Aburra, na Colômbia, segundo o resultado de um estudo realizado pelo …

Chile, passado e presente, ainda deve às vítimas de violações de direitos humanos

50 anos após a ditadura chilena, ainda há questões de direitos humanos pendentes. No último 11 de setembro, durante a véspera do 50° aniversário do golpe de estado contra o presidente socialista Salvador Allende, milhares de …

Astrônomos da NASA revelam caraterísticas curiosas de sistema de exoplanetas

Os dados da missão do telescópio espacial Kepler continuam desvendando mistérios espaciais, com sete exoplanetas de um sistema estelar tendo órbitas diferentes dos que giram em torno do Sol. Cientistas identificaram sete planetas, todos eles suportando …

Em tempos de guerra, como lidar com o luto coletivo

As dores das guerras e de tantas tragédias chegam pelas TV, pelas janelinhas dos celulares, pela conversa do grupo, pelos gritos ou pelo silêncio diante do que é difícil assimilar e traduzir. Complicado de falar …

Pesquisa do Google pode resolver problemas complexos de matemática

O Google anunciou uma série de novidades para melhorar o uso educativo da busca por estudantes e professores. A ferramenta de pesquisa agora tem recursos nativos para resolver problemas mais complexos de matemática e física, inclusive …