Astrônomos criam o mais preciso mapa do passado do Universo

Pablo Carlos Budassi / Wikimedia

Conceito artístico do aspecto de todo o Universo conhecido

Neste mês, um time de astrônomos apresentou o que é considerado o maior mapa 3D da evolução do universo. A imagem foi divulgada no European Week of Astronomy and Space Science, evento que aconteceu em Liverpool, na Inglaterra, sendo criada por um trabalho colaborativo entre várias instituições do globo.

Uma equipe liderada pelo Dr. David Sobral, da Lancaster University, fez o gráfico usando o telescópio Subaru, no Havaí, e o telescópio Isaac Newton, nas Ilhas Canárias.

“Olhando para trás no tempo para 16 diferentes épocas entre 11 e 13 bilhões de anos atrás, os pesquisadores descobriram quase 4.000 galáxias antigas, muitas das quais evoluíram para galáxias como a nossa própria Via Láctea”, explica o anúncio oficial.

O mapa é representado por um cubo que mostra a distância das galáxias em anos-luz em relação à Terra. A posição de todas as galáxias vistas aparecem na imagem pelos círculos. Quanto mais voltado ao vermelho, mais perto da Terra as galáxias estão, enquanto, quanto mais para o azul, mais longe se posicionam em relação ao nosso planeta.

“A luz das galáxias mais distantes leva bilhões de anos para chegar até nós. Isso significa que os telescópios funcionam como máquinas do tempo, permitindo que os astrônomos vejam galáxias no passado distante”, explica o documento.

(dr) David Sobral

Cientistas conseguem ter uma noção de posicionameneto das galáxias pela cor emitida

Segundo os cientistas, a luz dessas galáxias também é esticada pela expansão do Universo, aumentando seu comprimento de onda para torná-lo mais vermelho. Este chamado efeito redshift está relacionado com a distância da galáxia.

Ao medir o desvio para o vermelho de uma galáxia, os astrônomos podem deduzir sua distância, quanto tempo sua luz levou para chegar até nós e, portanto, quanto tempo atrás estamos vendo.

Segundo um dos membros do projeto, Sergio Santos, da Universidade de Lancaster, foram usadas imagens de 16 câmeras com filtros especiais para dividir o universo nestes pontos. Já Sobral explica que apenas entre 20% a 27% das galáxias encontradas podem ser caracterizadas como atuais. “O resto é proveniente de luz vinda do passado e que chegou somente agora até nós”, diz o cientista.

“A maior parte das galáxias distantes que encontramos tem apenas cerca de 3 mil anos-luz de diâmetro, enquanto a Via Láctea é cerca de 30 vezes maior. A sua compactação provavelmente explica muitas das suas excitantes propriedades físicas que eram comuns no início do Universo ”, comenta outra pesquisadora Ana Paulino-Afonso, aluna de doutorado em Lancaster e Lisboa.

“Algumas dessas galáxias deveriam ter evoluído para se tornarem como as nossas e, portanto, estamos vendo o que nossa galáxia pode ter parecido 11 a 13 bilhões de anos atrás”, informa.

O trabalho foi feito com a colaboração de estudantes de Leida, na Holanda; Lisboa, em Portugal; e Califórnia, nos Estados Unidos.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Preço para voar em nave da Boeing será 60% mais caro do que na da SpaceX

O inspetor-geral da NASA divulgou nesta quinta-feira (14) um relatório sobre o Programa Commercial Crew, com detalhes sobre os problemas técnicos enfrentados pelas empresas SpaceX e Boeing no desenvolvimento de suas espaçonaves - Crew Dragon …

A corrida para salvar 33 marinheiros e 1 cachorro da ilha onde missionário foi morto por nativos há 1 ano

"Homens selvagens, provavelmente mais de 50, com armas caseiras, estão fazendo dois ou três barcos. Temo que eles nos alcancem no pôr do Sol. A vida de todos os tripulantes está em risco." A corrida contra …

Gigante chinesa do comércio eletrônico vende U$ 1 bilhão em 1 minuto

Sessenta e oito segundos. Esse foi o tempo que consumidores chineses levaram para gastar seu primeiro bilhão de dólares em vendas pela internet numa tradicional liquidação do país. O resultado surpreendente de vendas foi alcançado …

“A Tumba”: depósito de lixo nuclear está começando a se romper e afundar nas Ilhas Marshall

Antes de lançar a primeira bomba atômica do mundo, os EUA fizeram vários testes de detonações em locais remotos. O problema é que toda a radiação está até hoje nesses lugares, sendo que um desses …

Brasil dá 'sinal positivo' e valoriza participação no BRICS, diz especialista

Contrariando estimativas de que o governo de Jair Bolsonaro reduziria a importância do BRICS na sua política externa, o Brasil demonstra empenho e compromisso com o bloco, segundo especialista ouvido pela Sputnik. Em entrevista à Sputnik, …

Elon Musk fala em "curar o autismo" com as inovações da Neuralink

Participando de um podcast voltado à discussão da inteligência artificial (IA), o CEO da Neuralink, Elon Musk, erroneamente afirmou que sua empresa será capaz de curar distúrbios neurológicos como a esquizofrenia e o Alzheimer, além …

Bomba-H da Coreia do Norte seria 17 vezes mais poderosa que a de Hiroshima

Dados de satélite japonês forneceram detalhes do teste de uma arma termonuclear, realizado em 2017, indicando que sua explosão teria sido 17 vezes mais poderosa do que a bomba de Hiroshima. A Coreia do Norte estimou …

Aquecimento global afetará saúde das novas gerações, diz relatório

Um relatório publicado nesta quinta-feira na revista científica The Lancet, a poucas semanas da conferência internacional para o clima (COP25), alerta para os riscos sanitários relacionados ao aquecimento global e às emissões de gás carbônico. O …

Estudante abre fogo em escola na Califórnia

Ao menos duas pessoas morreram e outras três ficaram feridas depois que um aluno abriu fogo nesta quinta-feira (14/11) numa escola secundária no sul da Califórnia, nos Estados Unidos, causando pânico entre estudantes e funcionários. …

Governo italiano deve decretar estado de catástrofe natural em Veneza

Metade da cidade está debaixo d’água, atingida pela pior cheia em 53 anos. O nível subiu 187 cm na terça-feira (12), o segundo mais alto desde 1966. A situação levou o governo a decidir decretar …