Micro-ondas são tão nocivos para o meio ambiente quanto os carros

O uso de micro-ondas só na União Europeia emite tanto dióxido de carbono como quase sete milhões de automóveis, segundo um estudo exaustivo sobre seu impacto ambiental, considerando o ciclo de vida completo do aparelho.

Cientistas da Universidade de Manchester descobriram que os micro-ondas emitem 7,7 milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano na União Europeia, o equivalente às emissões anuais de 6,8 milhões de automóveis.

Em toda a UE, os micro-ondas consomem uma estimativa de 9,4 terawatts por hora (TWh) a cada ano, o mesmo que a eletricidade anual gerada por três grandes centrais termelétricas.

Segundo os autores do trabalho, devem ser feitos esforços para reduzir o consumo e conscientizar as pessoas para o problema e para o uso dos eletrodomésticos de forma mais eficiente. Os micro-ondas representam a maior porcentagem de vendas de todo o tipo de fornos na UE, com números que chegam a quase 135 milhões de 2020. Apesar disso, seu impacto no meio ambiente não era, até então, conhecido.

O estudo utilizou a avaliação do ciclo de vida (LCA) para estimar os impactos dos micro-ondas, tendo em conta sua fabricação, uso e gestão do descarte no final da vida útil.

No total, a equipe pesquisou 12 fatores ambientais diferentes, incluindo as mudanças climáticas, o esgotamento de recursos naturais, e a toxicidade ecológica.

A pesquisa mostra que os principais “pontos quentes” ambientais são os materiais utilizados para fabricar os micro-ondas, o processo de fabricação e a gestão de resíduos no final da vida útil. Por exemplo, o processo de fabricação por si só contribui com mais de 20% para o esgotamento de recursos naturais e mudanças climáticas.

No entanto, é o consumo de eletricidade dos micro-ondas que tem o maior impacto no meio ambiente, tendo em conta todo o ciclo de vida, desde a produção de combustíveis até à geração de eletricidade.

O estudo detectou que, em média, um micro-ondas individual utiliza 573 quilowatts hora (KWh) de eletricidade durante sua vida útil estimada em oito anos, o que equivale à eletricidade consumida por uma lâmpada LED de 7 watts que fique continuamente acesa durante quase nove anos. Isto apesar de os micro-ondas passarem mais de 90% das suas vidas inativos, no modo espera.

Uma possível solução

Os autores do estudo sugerem que os esforços para reduzir o consumo devem ser concentrados em conscientizar os consumidores para usar os eletrodomésticos de uma forma mais eficiente. Por exemplo, o consumo de eletricidade dos micro-ondas pode ser reduzido ao ajustar o tempo de cozimento ao tipo de comida.

O desperdício é outro problema importante. Devido ao seu baixo custo relativo e facilidade de fabricação, os consumidores têm mais equipamentos elétricos e eletrônicos (EE) que nunca, incluindo os micro-ondas.

Em 2005, em toda a UE, foram geradas 184 mil toneladas de desperdícios deste tipo de equipamento. Para 2025, estima-se que aumentarão para 195 mil toneladas, ou 16 milhões de unidades individuais que serão enviadas para eliminação.

Alejandro Gallego-Schmid, da Faculdade de Engenharia Química e Ciências Analíticas, explica que os “rápidos avanços tecnológicos e a queda dos preços impulsionam a compra de aparelhos elétricos e eletrônicos na Europa”.

“Os consumidores agora tendem a comprar eletrodomésticos novos antes de os existentes chegarem ao fim de ciclo de vida, já que os produtos eletrônicos se converteram em artigos de moda”, indica. Como resultado, os equipamentos desperdiçados são um dos fluxos de desperdício de mais rápido crescimento no mundo.

Outro fator importante que contribui para o desperdício é a redução da vida útil dos micro-ondas: agora, é quase sete anos mais curto do que era há quase 20 anos. A pesquisa mostra que o ciclo de vida de um micro-ondas diminuiu cerca de 10 a 15 anos no final dos anos 90 para entre seis e oito anos agora.

“Dado que os micro-ondas representam a maior porcentagem de vendas de todo o tipo de fornos na UE, é cada vez mais importante começar a abordar seu impacto sobre o uso de recursos e resíduos no final da vida útil”, explica Gallego-Schmid em comunicado.

O estudo mostra também que a regulação existente não será suficiente para reduzir o impacto ambiental dos micro-ondas, pelo que seus autores recomendam desenvolver regulamentações específicas para estes dispositivos, especialmente dirigidas para sua projeção. Isto poderá ajudar a reduzir a quantidade de recursos utilizados para gerar micro-ondas.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Por que não exercer maior pressão sobre os fabricantes? Eles produzem os equipamentos no limite entre a qualidade para o usuário e a rentabilidade para eles. Isso quer dizer que a vida útil poderia ser bastante aumentada se os materiais e a produção fossem melhorados. Atualmente, no carnaval dos industriais, a vida útil dos produtos não pode ser muito longa, para que os clientes sejam obrigados a trocar logo por um novo. Tudo por dinheiro. O povo que se dane.

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Rede 5G pode transmitir energia elétrica e aposentar as baterias no futuro

O mundo já conhece os benefícios da tecnologia 5G como a alta velocidade na transmissão de dados e baixa latência. Agora, os cientistas do Instituto de Tecnologia da Geórgia, nos EUA, descobriram que essas redes …

Covid: como evitar a trágica marca de 5 mil mortes por dia no Brasil?

No dia 19 de maio de 2020, o Brasil atingiu pela primeira vez a marca das mil mortes diárias por covid-19. Esse número permaneceu relativamente estável, em um patamar considerado alto, durante todo o segundo semestre …

Físicos afirmam que o universo é um computador de aprendizado de máquina

Físicos teóricos que trabalham com a Microsoft lançaram um artigo na sexta-feira afirmando que o universo é essencialmente um computador de aprendizagem de máquina (machine learning, em inglês). Os pesquisadores, vários afiliados à Microsoft, pré-publicaram um …

Mundo ainda tem países sem uma única dose de vacina

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 600 milhões de doses de vacina contra a covid-19 já foram aplicadas em todo o mundo. Mas a discrepância entre países é alta: enquanto, …

Covid: site calcula quando você será vacinado. Resultados não animam

Um grupo de voluntários chamado CoronavirusBra desenvolveu uma plataforma para calcular quando você será vacinado contra a covid-19. O ‘Quando vou ser vacinado?’ utiliza dados públicos como a média de imunizados com o número de pessoas …

Rússia inicia desenvolvimento de mais uma vacina contra COVID-19

Sendo o primeiro país a registrar uma vacina contra a COVID-19, a Rússia anunciou o início do desenvolvimento de mais uma vacina contra o coronavírus. A criação do novo medicamento estará a cargo do Instituto Smorodintsev …

Especialista chinês: ascensão da China faz EUA entrarem em pânico e ficarem nervosos

O desenvolvimento econômico e a ascensão do país asiático fazem os EUA ficarem nervosos e entrarem em pânico, mas este medo se origina em seus preconceitos, disse em entrevista à Sputnik um especialista chinês. Li Junru, …

Interação de múons, a nova força da natureza que cientistas acreditam ter descoberto

Desde colar um ímã na porta de uma geladeira até jogar uma bola em uma cesta de basquete, as forças da física funcionam em todos os momentos de nossas vidas. Todas as forças que experimentamos todos …

Receita afirma que "só rico lê" e reforça preconceito de classe brasileiro

A Receita Federal deseja manter o projeto que cobra impostos sobre livros. Através da mesclagem entre PIS e Cofins, a nova CBS (Contribuição sobre bens e serviços), uma espécie de imposto sobre valor agregado, o …

Tribunal europeu dá aval a vacinação obrigatória

Corte de direitos humanos diz que medida pode ser necessária em sociedades democráticas e abre precedente no combate à covid-19. Tribunal julgava ação de famílias tchecas que se recusaram a vacinar os filhos. O Tribunal Europeu …