Micro-ondas são tão nocivos para o meio ambiente quanto os carros

O uso de micro-ondas só na União Europeia emite tanto dióxido de carbono como quase sete milhões de automóveis, segundo um estudo exaustivo sobre seu impacto ambiental, considerando o ciclo de vida completo do aparelho.

Cientistas da Universidade de Manchester descobriram que os micro-ondas emitem 7,7 milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano na União Europeia, o equivalente às emissões anuais de 6,8 milhões de automóveis.

Em toda a UE, os micro-ondas consomem uma estimativa de 9,4 terawatts por hora (TWh) a cada ano, o mesmo que a eletricidade anual gerada por três grandes centrais termelétricas.

Segundo os autores do trabalho, devem ser feitos esforços para reduzir o consumo e conscientizar as pessoas para o problema e para o uso dos eletrodomésticos de forma mais eficiente. Os micro-ondas representam a maior porcentagem de vendas de todo o tipo de fornos na UE, com números que chegam a quase 135 milhões de 2020. Apesar disso, seu impacto no meio ambiente não era, até então, conhecido.

O estudo utilizou a avaliação do ciclo de vida (LCA) para estimar os impactos dos micro-ondas, tendo em conta sua fabricação, uso e gestão do descarte no final da vida útil.

No total, a equipe pesquisou 12 fatores ambientais diferentes, incluindo as mudanças climáticas, o esgotamento de recursos naturais, e a toxicidade ecológica.

A pesquisa mostra que os principais “pontos quentes” ambientais são os materiais utilizados para fabricar os micro-ondas, o processo de fabricação e a gestão de resíduos no final da vida útil. Por exemplo, o processo de fabricação por si só contribui com mais de 20% para o esgotamento de recursos naturais e mudanças climáticas.

No entanto, é o consumo de eletricidade dos micro-ondas que tem o maior impacto no meio ambiente, tendo em conta todo o ciclo de vida, desde a produção de combustíveis até à geração de eletricidade.

O estudo detectou que, em média, um micro-ondas individual utiliza 573 quilowatts hora (KWh) de eletricidade durante sua vida útil estimada em oito anos, o que equivale à eletricidade consumida por uma lâmpada LED de 7 watts que fique continuamente acesa durante quase nove anos. Isto apesar de os micro-ondas passarem mais de 90% das suas vidas inativos, no modo espera.

Uma possível solução

Os autores do estudo sugerem que os esforços para reduzir o consumo devem ser concentrados em conscientizar os consumidores para usar os eletrodomésticos de uma forma mais eficiente. Por exemplo, o consumo de eletricidade dos micro-ondas pode ser reduzido ao ajustar o tempo de cozimento ao tipo de comida.

O desperdício é outro problema importante. Devido ao seu baixo custo relativo e facilidade de fabricação, os consumidores têm mais equipamentos elétricos e eletrônicos (EE) que nunca, incluindo os micro-ondas.

Em 2005, em toda a UE, foram geradas 184 mil toneladas de desperdícios deste tipo de equipamento. Para 2025, estima-se que aumentarão para 195 mil toneladas, ou 16 milhões de unidades individuais que serão enviadas para eliminação.

Alejandro Gallego-Schmid, da Faculdade de Engenharia Química e Ciências Analíticas, explica que os “rápidos avanços tecnológicos e a queda dos preços impulsionam a compra de aparelhos elétricos e eletrônicos na Europa”.

“Os consumidores agora tendem a comprar eletrodomésticos novos antes de os existentes chegarem ao fim de ciclo de vida, já que os produtos eletrônicos se converteram em artigos de moda”, indica. Como resultado, os equipamentos desperdiçados são um dos fluxos de desperdício de mais rápido crescimento no mundo.

Outro fator importante que contribui para o desperdício é a redução da vida útil dos micro-ondas: agora, é quase sete anos mais curto do que era há quase 20 anos. A pesquisa mostra que o ciclo de vida de um micro-ondas diminuiu cerca de 10 a 15 anos no final dos anos 90 para entre seis e oito anos agora.

“Dado que os micro-ondas representam a maior porcentagem de vendas de todo o tipo de fornos na UE, é cada vez mais importante começar a abordar seu impacto sobre o uso de recursos e resíduos no final da vida útil”, explica Gallego-Schmid em comunicado.

O estudo mostra também que a regulação existente não será suficiente para reduzir o impacto ambiental dos micro-ondas, pelo que seus autores recomendam desenvolver regulamentações específicas para estes dispositivos, especialmente dirigidas para sua projeção. Isto poderá ajudar a reduzir a quantidade de recursos utilizados para gerar micro-ondas.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Por que não exercer maior pressão sobre os fabricantes? Eles produzem os equipamentos no limite entre a qualidade para o usuário e a rentabilidade para eles. Isso quer dizer que a vida útil poderia ser bastante aumentada se os materiais e a produção fossem melhorados. Atualmente, no carnaval dos industriais, a vida útil dos produtos não pode ser muito longa, para que os clientes sejam obrigados a trocar logo por um novo. Tudo por dinheiro. O povo que se dane.

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …