Micro-ondas são tão nocivos para o meio ambiente quanto os carros

O uso de micro-ondas só na União Europeia emite tanto dióxido de carbono como quase sete milhões de automóveis, segundo um estudo exaustivo sobre seu impacto ambiental, considerando o ciclo de vida completo do aparelho.

Cientistas da Universidade de Manchester descobriram que os micro-ondas emitem 7,7 milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano na União Europeia, o equivalente às emissões anuais de 6,8 milhões de automóveis.

Em toda a UE, os micro-ondas consomem uma estimativa de 9,4 terawatts por hora (TWh) a cada ano, o mesmo que a eletricidade anual gerada por três grandes centrais termelétricas.

Segundo os autores do trabalho, devem ser feitos esforços para reduzir o consumo e conscientizar as pessoas para o problema e para o uso dos eletrodomésticos de forma mais eficiente. Os micro-ondas representam a maior porcentagem de vendas de todo o tipo de fornos na UE, com números que chegam a quase 135 milhões de 2020. Apesar disso, seu impacto no meio ambiente não era, até então, conhecido.

O estudo utilizou a avaliação do ciclo de vida (LCA) para estimar os impactos dos micro-ondas, tendo em conta sua fabricação, uso e gestão do descarte no final da vida útil.

No total, a equipe pesquisou 12 fatores ambientais diferentes, incluindo as mudanças climáticas, o esgotamento de recursos naturais, e a toxicidade ecológica.

A pesquisa mostra que os principais “pontos quentes” ambientais são os materiais utilizados para fabricar os micro-ondas, o processo de fabricação e a gestão de resíduos no final da vida útil. Por exemplo, o processo de fabricação por si só contribui com mais de 20% para o esgotamento de recursos naturais e mudanças climáticas.

No entanto, é o consumo de eletricidade dos micro-ondas que tem o maior impacto no meio ambiente, tendo em conta todo o ciclo de vida, desde a produção de combustíveis até à geração de eletricidade.

O estudo detectou que, em média, um micro-ondas individual utiliza 573 quilowatts hora (KWh) de eletricidade durante sua vida útil estimada em oito anos, o que equivale à eletricidade consumida por uma lâmpada LED de 7 watts que fique continuamente acesa durante quase nove anos. Isto apesar de os micro-ondas passarem mais de 90% das suas vidas inativos, no modo espera.

Uma possível solução

Os autores do estudo sugerem que os esforços para reduzir o consumo devem ser concentrados em conscientizar os consumidores para usar os eletrodomésticos de uma forma mais eficiente. Por exemplo, o consumo de eletricidade dos micro-ondas pode ser reduzido ao ajustar o tempo de cozimento ao tipo de comida.

O desperdício é outro problema importante. Devido ao seu baixo custo relativo e facilidade de fabricação, os consumidores têm mais equipamentos elétricos e eletrônicos (EE) que nunca, incluindo os micro-ondas.

Em 2005, em toda a UE, foram geradas 184 mil toneladas de desperdícios deste tipo de equipamento. Para 2025, estima-se que aumentarão para 195 mil toneladas, ou 16 milhões de unidades individuais que serão enviadas para eliminação.

Alejandro Gallego-Schmid, da Faculdade de Engenharia Química e Ciências Analíticas, explica que os “rápidos avanços tecnológicos e a queda dos preços impulsionam a compra de aparelhos elétricos e eletrônicos na Europa”.

“Os consumidores agora tendem a comprar eletrodomésticos novos antes de os existentes chegarem ao fim de ciclo de vida, já que os produtos eletrônicos se converteram em artigos de moda”, indica. Como resultado, os equipamentos desperdiçados são um dos fluxos de desperdício de mais rápido crescimento no mundo.

Outro fator importante que contribui para o desperdício é a redução da vida útil dos micro-ondas: agora, é quase sete anos mais curto do que era há quase 20 anos. A pesquisa mostra que o ciclo de vida de um micro-ondas diminuiu cerca de 10 a 15 anos no final dos anos 90 para entre seis e oito anos agora.

“Dado que os micro-ondas representam a maior porcentagem de vendas de todo o tipo de fornos na UE, é cada vez mais importante começar a abordar seu impacto sobre o uso de recursos e resíduos no final da vida útil”, explica Gallego-Schmid em comunicado.

O estudo mostra também que a regulação existente não será suficiente para reduzir o impacto ambiental dos micro-ondas, pelo que seus autores recomendam desenvolver regulamentações específicas para estes dispositivos, especialmente dirigidas para sua projeção. Isto poderá ajudar a reduzir a quantidade de recursos utilizados para gerar micro-ondas.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Por que não exercer maior pressão sobre os fabricantes? Eles produzem os equipamentos no limite entre a qualidade para o usuário e a rentabilidade para eles. Isso quer dizer que a vida útil poderia ser bastante aumentada se os materiais e a produção fossem melhorados. Atualmente, no carnaval dos industriais, a vida útil dos produtos não pode ser muito longa, para que os clientes sejam obrigados a trocar logo por um novo. Tudo por dinheiro. O povo que se dane.

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Cientistas revelam misterioso fenômeno que pode ser causador do crescimento do oceano Atlântico

O Pacífico continua sendo o maior oceano do nosso planeta, mas o Atlântico está ganhando terreno e mar à medida que se expande por cerca de quatro centímetros anualmente. O deslocamento glacial lento dos oceanos acontece …

A cidade mais antiga das Américas - com a mesma idade do Egito faraônico - está sendo invadida

Tendo sobrevivido por 5 mil anos, o sítio arqueológico mais antigo das Américas está sob ameaça de posseiros alegando que a pandemia coronavírus os deixou sem outra opção a não ser ocupar a cidade sagrada. A …

Greve global pelo clima está marcada para o dia 19 de março

As mudanças climáticas costumam ser tratadas como uma pauta menos urgente e com maior prazo para ser resolvida, mas a verdade é que, pela gravidade do quadro e pela totalidade de sua abrangência, ela é …

Farmacêutico dos EUA que danificou centenas de doses da Moderna declarou-se culpado

O farmacêutico que tentou sabotar quase 600 doses da vacina da Moderna do Aurora Medical Center, no estado norte-americano de Wisconsin, se declarou culpado. O farmacêutico norte-americano Steven Brandenburg, de 46 anos, se declarou culpado por …

Cepa brasileira eleva preocupação mundial com mutações do coronavírus

A variante do coronavírus do Amazonas, assim conhecida por ter sido detectada pela primeira vez em pessoas que estiveram no estado brasileiro, ao lado de cepas identificadas no Reino Unido e na África do Sul, …

AstraZeneca nega que venderá vacinas ao setor privado

A farmacêutica soltou um comunicado após o governo federal brasileiro ter dado aval para empresas privadas adquirirem um lote de 33 milhões de doses do imunizante. Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro comemorou a possibilidade. A …

Islândia começa a emitir 'passaportes de vacinação' em meio à polêmica na UE

A Islândia emitiu seus primeiros "certificados" de vacinação destinados a facilitar as viagens de pessoas vacinadas contra a Covid-19, os chamados "passaportes de vacinação", segundo informações das autoridades nesta terça-feira. Ela se tornou um …

Governo alemão rejeita especulações sobre baixa eficácia da vacina de Oxford

Ministério da Saúde sugere que jornais confundiram proporção de idosos no estudo da AstraZeneca com percentual de eficácia em pessoas acima de 65 anos. Imbróglio deve ser esclarecido com análise de reguladores europeus. O ministro da …

Cidade é a 1 ª da América do Norte a ter doação automática de órgãos

A Nova Escócia acaba de se tornar a primeira jurisdição na América do Norte a implementar a doação automática de órgãos para quem vive na região. A nova Lei de Doação de Órgãos e Tecidos Humanos …

O maior mar da lua Titã pode ter mais de 300 metros de profundidade

Os oceanos da Terra não são os únicos que guardam vários mistérios ainda não explorados: os lagos e mares de Titã, a maior lua de Saturno, também são enigmáticos. Assim, em um novo estudo, astrônomos …