Micro-ondas são tão nocivos para o meio ambiente quanto os carros

O uso de micro-ondas só na União Europeia emite tanto dióxido de carbono como quase sete milhões de automóveis, segundo um estudo exaustivo sobre seu impacto ambiental, considerando o ciclo de vida completo do aparelho.

Cientistas da Universidade de Manchester descobriram que os micro-ondas emitem 7,7 milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano na União Europeia, o equivalente às emissões anuais de 6,8 milhões de automóveis.

Em toda a UE, os micro-ondas consomem uma estimativa de 9,4 terawatts por hora (TWh) a cada ano, o mesmo que a eletricidade anual gerada por três grandes centrais termelétricas.

Segundo os autores do trabalho, devem ser feitos esforços para reduzir o consumo e conscientizar as pessoas para o problema e para o uso dos eletrodomésticos de forma mais eficiente. Os micro-ondas representam a maior porcentagem de vendas de todo o tipo de fornos na UE, com números que chegam a quase 135 milhões de 2020. Apesar disso, seu impacto no meio ambiente não era, até então, conhecido.

O estudo utilizou a avaliação do ciclo de vida (LCA) para estimar os impactos dos micro-ondas, tendo em conta sua fabricação, uso e gestão do descarte no final da vida útil.

No total, a equipe pesquisou 12 fatores ambientais diferentes, incluindo as mudanças climáticas, o esgotamento de recursos naturais, e a toxicidade ecológica.

A pesquisa mostra que os principais “pontos quentes” ambientais são os materiais utilizados para fabricar os micro-ondas, o processo de fabricação e a gestão de resíduos no final da vida útil. Por exemplo, o processo de fabricação por si só contribui com mais de 20% para o esgotamento de recursos naturais e mudanças climáticas.

No entanto, é o consumo de eletricidade dos micro-ondas que tem o maior impacto no meio ambiente, tendo em conta todo o ciclo de vida, desde a produção de combustíveis até à geração de eletricidade.

O estudo detectou que, em média, um micro-ondas individual utiliza 573 quilowatts hora (KWh) de eletricidade durante sua vida útil estimada em oito anos, o que equivale à eletricidade consumida por uma lâmpada LED de 7 watts que fique continuamente acesa durante quase nove anos. Isto apesar de os micro-ondas passarem mais de 90% das suas vidas inativos, no modo espera.

Uma possível solução

Os autores do estudo sugerem que os esforços para reduzir o consumo devem ser concentrados em conscientizar os consumidores para usar os eletrodomésticos de uma forma mais eficiente. Por exemplo, o consumo de eletricidade dos micro-ondas pode ser reduzido ao ajustar o tempo de cozimento ao tipo de comida.

O desperdício é outro problema importante. Devido ao seu baixo custo relativo e facilidade de fabricação, os consumidores têm mais equipamentos elétricos e eletrônicos (EE) que nunca, incluindo os micro-ondas.

Em 2005, em toda a UE, foram geradas 184 mil toneladas de desperdícios deste tipo de equipamento. Para 2025, estima-se que aumentarão para 195 mil toneladas, ou 16 milhões de unidades individuais que serão enviadas para eliminação.

Alejandro Gallego-Schmid, da Faculdade de Engenharia Química e Ciências Analíticas, explica que os “rápidos avanços tecnológicos e a queda dos preços impulsionam a compra de aparelhos elétricos e eletrônicos na Europa”.

“Os consumidores agora tendem a comprar eletrodomésticos novos antes de os existentes chegarem ao fim de ciclo de vida, já que os produtos eletrônicos se converteram em artigos de moda”, indica. Como resultado, os equipamentos desperdiçados são um dos fluxos de desperdício de mais rápido crescimento no mundo.

Outro fator importante que contribui para o desperdício é a redução da vida útil dos micro-ondas: agora, é quase sete anos mais curto do que era há quase 20 anos. A pesquisa mostra que o ciclo de vida de um micro-ondas diminuiu cerca de 10 a 15 anos no final dos anos 90 para entre seis e oito anos agora.

“Dado que os micro-ondas representam a maior porcentagem de vendas de todo o tipo de fornos na UE, é cada vez mais importante começar a abordar seu impacto sobre o uso de recursos e resíduos no final da vida útil”, explica Gallego-Schmid em comunicado.

O estudo mostra também que a regulação existente não será suficiente para reduzir o impacto ambiental dos micro-ondas, pelo que seus autores recomendam desenvolver regulamentações específicas para estes dispositivos, especialmente dirigidas para sua projeção. Isto poderá ajudar a reduzir a quantidade de recursos utilizados para gerar micro-ondas.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Por que não exercer maior pressão sobre os fabricantes? Eles produzem os equipamentos no limite entre a qualidade para o usuário e a rentabilidade para eles. Isso quer dizer que a vida útil poderia ser bastante aumentada se os materiais e a produção fossem melhorados. Atualmente, no carnaval dos industriais, a vida útil dos produtos não pode ser muito longa, para que os clientes sejam obrigados a trocar logo por um novo. Tudo por dinheiro. O povo que se dane.

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Guerra Fria 2.0 entre EUA e China será uma batalha tecnológica, dizem especialistas

A batalha mundial pelo domínio da alta tecnologia está cada vez mais centrada em EUA e China. Com confronto aberto no caso da Huawei, especialistas do clube Valdai alertam para uma longa guerra fria tecnológica …

Combate à corrupção reduz mortalidade infantil, aponta estudo

Auditorias anticorrupção realizadas em municípios brasileiros entre 2003 e 2015 reduziram a mortalidade infantil. Esta é a principal conclusão de um estudo, conduzido por pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, que relacionou o …

2.300 maneiras de prevenir o Covid-19 foram mapeadas por universidade brasileira

Está disponível online a Plataforma das Universidades contra COVID-19 organizada pelo Projeto Ciência Popular e desenvolvida em parceria com a Empresa Júnior de Sistemas de Informação da EACH/USP (Síntese Jr.). Em setembro havia sido publicado o …

Debate nos EUA: Trump não disse nada de novo para reverter vantagem de Biden, diz historiador

O segundo e último debate entre o presidente americano, Donald Trump, e seu rival democrata Joe Biden, nesta quinta-feira (22), em Nashville, foi mais civilizado do que a primeira confrontação entre os dois candidatos …

Mais humanos estão evoluindo para ter três artérias nos braços; entenda porquê

Não se engane ao achar que o corpo humano não está em constante evolução. Pesquisadores australianos descobriram recentemente que o nosso organismo parece estar, aos poucos, desenvolvendo uma nova artéria no braço: a artéria mediana. Esse …

Tesla supera expectativas e apresenta quinto trimestre consecutivo de lucros

A Tesla divulgou nesta quarta-feira (21) seus resultados financeiros relativos ao terceiro trimestre de 2020. E as notícias foram boas: além de apresentar lucros pelo quinto trimestre consecutivo, a montadora elétrica apresentou os três meses …

Bitcoin alcança valor máximo anual após anúncio do PayPal

Nesta quarta-feira (21), o PayPal anunciou que vai lançar um sistema que permite efetuar compras e vendas em moedas digitais. Nesta quarta-feira (21), o bitcoin alcançou seu valor máximo neste ano, acima de US$ 13.200 (R$ …

Papa Francisco defende união civil homossexual

Pela primeira vez desde que assumiu a liderança da Igreja Católica, pontífice se manifesta a favor da união civil entre pessoas do mesmo sexo. "Gays têm direito a ter família, são filhos de Deus", diz …

Obama faz campanha para Biden e tenta ganhar votos republicanos com evento drive-in na Pensilvânia

Em seu primeiro evento presencial do ano, o ex-presidente Barack Obama vai participar de uma campanha drive-in na noite desta quarta-feira (21) na Pensilvânia. A expectativa é que Obama conquiste eleitores negros no sul …

Cientistas acabam de descobrir um órgão misterioso escondido no centro da cabeça humana

Cientistas fizeram uma descoberta anatômica surpreendente, encontrando o que parece ser um misterioso conjunto de glândulas salivares escondidas dentro da cabeça humana que de alguma forma passaram despercebidas até agora. Essa “entidade misteriosa” foi identificada acidentalmente …