A mãe de Frank Grunwald morreu em Auschwitz, mas suas palavras sobreviveram

(dr) United States Holocaust Memorial Museum

Vilma Grunwald com os filhos John (esquerda) e Frank

Momentos antes de entrar em uma câmara de gás em Auschwitz, Vilma Grunwald entregou uma carta de despedida a um guarda para ser enviada ao filho e ao marido.

A família Grunwald foi enviada para o campo de concentração em dezembro de 1943. Além de Frank e dos pais, estava também o irmão mais velho, que tinha uma deficiência e que foi selecionado para morrer na câmara de gás. “A minha mãe não queria que ele morresse sozinho e se entregou”, contou Frank, em entrevista à Sky News.

Cinco dias depois de ter recebido a terrível notícia de que o filho ia morrer, Vilma Grunwald escreveu uma carta ao marido. Kurt Grunwald era médico e o prisioneiro responsável por tratar outros prisioneiros.

A carta foi entregue a um guarda alemão que a fez chegar ao marido. “A minha mãe tinha uma extraordinária capacidade para ler a personalidade das pessoas. Ele era um guarda mais velho, com 50 ou 60 anos, e a minha mãe deve ter percebido que era um homem cheio de compaixão“, disse Frank.

O campo de concentração foi libertado 17 meses após a morte de Vilma e pouco depois pai e filho conseguiram se reunir. Foi nessa altura que Kurt revelou a Frank que tinha uma carta da mãe. “Eu não queria abrir.”

Quando o pai morrer, em 1967, Frank encontrou a carta da mãe, já amarelada e com marcas do tempo. Frank Grunwald se encheu de coragem e a leu. “Não há uma palavra de raiva, ódio ou ressentimento sobre os nazistas. É tudo focado no meu pai, em mim e no nosso futuro.”

(dr) United States Holocaust Memorial Museum

“Você, meu querido, nunca se culpe pelo que está acontecendo“, escreveu. “O tempo vai curar, se não tudo, pelo menos parte dessas lembranças. Tome conta do nosso filho sem estragá-lo, mimando-o com tanto carinho. Para sempre sua, Vilma”, diz a carta, citada pelo Jornal de Notícias.

Depois da morte do pai, Kurt ficou com a carta, mas nunca a mostrou a ninguém durante mais de 20 anos. Durante a última década do século passado, ele a apresentou a alguns familiares e há cerca de quatro anos a entregou ao Museu do Holocausto, em Washington DC, nos EUA.

Mas não estava à espera que a carta da mãe tivesse tanto impacto. “Há pessoas que entram em contato comigo que eu não conheço”, conta.

Embora não possa afirmar que não há nada igual, Jane Klinger sabe que, pelo menos, “nunca vimos nada assim”. A curadora do museu explica que, para ser preservada, a carta é substituída a cada seis meses por uma cópia.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Bill Gates vai financiar sete pesquisas de vacina contra COVID-19

Bill Gates, o fundador, ex-CEO e atual filantropo, anunciou durante entrevista no talk show norte-americano Daily Show With Trevor Noah que, por meio de sua própria fundação, estará financiando sete pesquisas clínicas que buscam descobrir …

Bolsonaro é denunciado no TPI por “crime contra a humanidade”

A Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) denunciou o presidente Jair Bolsonaro por crime contra a humanidade no Tribunal Penal Internacional.  A denúncia foi protocolada nesta quinta-feira (2) na corte de Haia. Segundo …

O primeiro ‘autor’ do mundo era uma mulher

Enheduanna viveu no século 23 antes da nossa era na Mesopotâmia. Princesa, sacerdotisa e poeta, ela pode se orgulhar de ter sido a primeira autora do mundo a ter seu nome conhecido em uma época …

Maduro envia carta ao povo dos EUA pedindo "cessação das sanções"

Nicolás Maduro enviou uma carta ao povo dos Estados Unidos expressando uma mensagem de solidariedade e paz, e pedindo fim das ameaças militares e das sanções contra Venezuela. No documento, o chefe de Estado venezuelano exprime …

Governo dos EUA alerta população para novo "11 de Setembro" devido à covid-19

Chefe da Saúde Pública do país prevê que próxima semana será "a mais difícil e mais triste da vida da maioria dos americanos". Ele compara repercussão a dois dos maiores traumas da história dos Estados …

Quarentena em todo o mundo deixou a crosta terrestre mais "silenciosa"

As medidas de isolamento social adotadas para conter o novo coronavírus (SARS-CoV-2) estão deixando a Terra mais silenciosa - ao menos para os “ouvidos” sensíveis dos sismógrafos. É que as atividades humanas, tais como a circulação …

IA sincronizada com música cria rostos falsos, o resultado pode se aterrorizante

As pessoas ainda aprendem a melhor forma de empregar as redes neurais artificiais, aprendizado de máquina e avanços em inteligência artificial. Entre as pesquisas práticas há a busca por empregar essas técnicas de forma a …

Coronavírus: 92% das mães nas favelas dizem que faltará comida após um mês de isolamento

"Muitas pessoas entraram na linha de pobreza da noite para o dia. O casal que trabalhava no shopping na semana retrasada, que recebia por semana, fez a compra da semana passada e nesta semana já …

Dois anos após mortes de Marielle e Anderson, Anistia Internacional cobra identificação de mandantes

Dois anos após os assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e do motorista Anderson Gomes, em 14 de março de 2018, o crime permanece sem solução e ilustra a impunidade no combate à violência …

Coronavírus poderia ser a 1ª de muitas outras pandemias futuras, adverte cientista

Apesar do registro de mais de um milhão de infectados à escala mundial, a doença poderia ser suplantada por patologias bem mais perigosas. Comparando com as doenças que poderiam reaparecer como resultado do aquecimento global, o …