Trabalhadores de Auschwitz reclamam de “onda de ódio, manipulações e notícias falsas”

jechstra / Flickr

A entrada do antigo campo de concentração de Auschwitz, na Polônia

Os funcionários do museu de Auschwitz dizem estar sendo vítimas de intimidações desde a entrada em vigor da polêmica lei do Holocausto.

Desde que começou a polêmica em torno da lei que criminaliza a utilização de expressões como “campos de extermínio poloneses”, têm crescido os relatos de episódios de intimidações aos trabalhadores do memorial e museu de Auschwitz-Birkenau.

Segundo o The Guardian, a instituição tem sido vítima de uma onda de “ódio, notícias falsas e manipulações”.

A polêmica lei, aprovada pelo parlamento polonês em fevereiro, motivou violentas críticas de países como a Ucrânia, Estados Unidos e Israel. Este último, inclusive, acusou a Polônia de tentar apagar a história e de negar o envolvimento de muitos poloneses no genocídios dos judeus.

A lei permite punir com prisão quem acusar a Polônia de cumplicidade nos crimes cometidos contra os judeus no Holocausto.

A reação também foi violenta entre os grupos nacionalistas poloneses, que têm montado uma campanha de desinformação em torno do museu.

Entre as várias acusações, os nacionalistas acusam a administração do museu de desvalorizar o destino dos cerca de 74 mil prisioneiros poloneses que morreram no campo, focando-se apenas nos mortos judeus.

Em março, a casa de um guia italiano foi vandalizada por apoiantes da extrema-direita, com grafitis como “A Polônia para os poloneses” e desenhos que comparavam a estrela de Davi com a suástica nazista. Este ataque aconteceu pouco tempo depois de Piotr Rybak, um político nacionalista (condenado por ter queimado a efígie de um judeu ortodoxo, em 2015), ter visitado Auschwitz, e protagonizando outro momento de tensão.

O Público conta que, em vídeo publicado no YouTube, vê-se como Rybak e um grupo de apoiadores com bandeiras polonesas cercam e intimidam o guia, acusando-o de mentir sobre o destino dos poloneses que estiveram presos no campo de concentração.

Um porta-voz do museu garantiu que o episódio foi um caso isolado, mas, ainda assim, crescem os receios entre os funcionários do museu, que temem que a direção da instituição desvalorize essas situações para evitar aumentar a controvérsia política.

“A administração tem muito medo do governo e os guias têm medo de perder o emprego para denunciar as provocações que têm acontecido”, disse um guia ao The Guardian.

No entanto, os responsáveis pelo memorial e museu têm também tornado as reclamações públicas. Em abril, o irmão de Piotr Cywinski, diretor da instituição, denunciou através do Facebook aquilo que batizou de “50 dias incessantes de ódio” dirigidos ao irmão.

“Ao longo de 12 anos, ele trabalhou em um dos lugares mais terríveis do mundo, num escritório com vista para forcas e um crematório”, escreveu. Aguentar “dezenas de artigos de sites duvidosos, centenas de tuítes ofensivos, memes, obscenidades, ameaças e denúncias é mais que suficiente para alguém ficar doente”.

Pawel Sawicki, que dirige as redes sociais do museu de Auschwitz-Birkenau, diz que são falsas as acusações de que a bandeira polonesa não é autorizada no museu ou que a memória dos poloneses não está ali representada. Por esses motivos, o museu assumiu um papel interventivo, se envolvendo em discussões em redes sociais e divulgando a lista de falsas acusações que lhe têm sido dirigidas.

Auschwitz se tornou um “alvo” no meio de disputa política e internacional e Sawicki afirma que, embora não se envolvam em política, “por respeito a todas as vítimas temos a obrigação de defender a memória e a história desse lugar”.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Bill Gates vai financiar sete pesquisas de vacina contra COVID-19

Bill Gates, o fundador, ex-CEO e atual filantropo, anunciou durante entrevista no talk show norte-americano Daily Show With Trevor Noah que, por meio de sua própria fundação, estará financiando sete pesquisas clínicas que buscam descobrir …

Bolsonaro é denunciado no TPI por “crime contra a humanidade”

A Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) denunciou o presidente Jair Bolsonaro por crime contra a humanidade no Tribunal Penal Internacional.  A denúncia foi protocolada nesta quinta-feira (2) na corte de Haia. Segundo …

O primeiro ‘autor’ do mundo era uma mulher

Enheduanna viveu no século 23 antes da nossa era na Mesopotâmia. Princesa, sacerdotisa e poeta, ela pode se orgulhar de ter sido a primeira autora do mundo a ter seu nome conhecido em uma época …

Maduro envia carta ao povo dos EUA pedindo "cessação das sanções"

Nicolás Maduro enviou uma carta ao povo dos Estados Unidos expressando uma mensagem de solidariedade e paz, e pedindo fim das ameaças militares e das sanções contra Venezuela. No documento, o chefe de Estado venezuelano exprime …

Governo dos EUA alerta população para novo "11 de Setembro" devido à covid-19

Chefe da Saúde Pública do país prevê que próxima semana será "a mais difícil e mais triste da vida da maioria dos americanos". Ele compara repercussão a dois dos maiores traumas da história dos Estados …

Quarentena em todo o mundo deixou a crosta terrestre mais "silenciosa"

As medidas de isolamento social adotadas para conter o novo coronavírus (SARS-CoV-2) estão deixando a Terra mais silenciosa - ao menos para os “ouvidos” sensíveis dos sismógrafos. É que as atividades humanas, tais como a circulação …

IA sincronizada com música cria rostos falsos, o resultado pode se aterrorizante

As pessoas ainda aprendem a melhor forma de empregar as redes neurais artificiais, aprendizado de máquina e avanços em inteligência artificial. Entre as pesquisas práticas há a busca por empregar essas técnicas de forma a …

Coronavírus: 92% das mães nas favelas dizem que faltará comida após um mês de isolamento

"Muitas pessoas entraram na linha de pobreza da noite para o dia. O casal que trabalhava no shopping na semana retrasada, que recebia por semana, fez a compra da semana passada e nesta semana já …

Dois anos após mortes de Marielle e Anderson, Anistia Internacional cobra identificação de mandantes

Dois anos após os assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e do motorista Anderson Gomes, em 14 de março de 2018, o crime permanece sem solução e ilustra a impunidade no combate à violência …

Coronavírus poderia ser a 1ª de muitas outras pandemias futuras, adverte cientista

Apesar do registro de mais de um milhão de infectados à escala mundial, a doença poderia ser suplantada por patologias bem mais perigosas. Comparando com as doenças que poderiam reaparecer como resultado do aquecimento global, o …