“Tsunami cerebral” no momento da morte pode ser reversível

(dr) UTSWIM

À esquerda, um cérebro vivo; à direita, o cérebro, sem fluxo sanguíneo, depois da morte

Pela primeira vez, pesquisadores conseguiram observar os “tsunamis cerebrais” que acontecem no cérebro no exato momento em que a morte se torna irreversível, analisando o fenômeno em pacientes terminais enquanto morriam no hospital. Afinal, irreversível pode ser uma ideia muito relativa.

Talvez nunca poderemos de fato saber o que realmente acontece na hora de nossa morte, mas um grupo de cientistas da Universidade Charitée, em Berlim, junto com uma equipe da Universidade de Cincinnati, nos EUA, decidiram desenvolver um estudo pioneiro sobre o tema, monitorando o sistema nervoso e o cérebro de pacientes terminais durante seus falecimentos.

A pesquisa, liderada pelo cientista Jens Dreier e publicada em janeiro na revista Annals of Neurology, foi realizada com a devida autorização das famílias dos pacientes, vítimas em geral de acidentes de carro, AVCs ou paradas cardíacas – pessoas que não tinham mais salvação.

O propósito da pesquisa não era somente o de compreender o funcionamento cerebral na hora da morte, mas também de possivelmente salvar vidas no futuro. Trata-se do primeiro estudo a realmente documentar a sequência de eventos cerebrais durante a morte.

A equipe de pesquisadores queria ter mais detalhes sobre o que acontece com o cérebro dos humanos, algo que ainda estava cheio de enigmas. Para isso, à medida que o paciente terminal piorava, os cientistas monitoraram sua atividade neurológica usando dezenas de eletrodos.

De maneira geral, os neurônios funcionam com íons carregados, o que cria desequilíbrios elétricos entre eles e seu ambiente – isso permite que pequenos choques, ou sinais, sejam criados. Para os autores do estudo, a manutenção desse sistema fica mais difícil quando a morte está chegando.

Para se alimentar, essas células “bebem” oxigênio e energia química da corrente sanguínea. Quando o corpo morre e o fluxo de sangue que chega ao cérebro para, os neurônios – privados de oxigênio – tentam uma de suas últimas saídas: acumular os recursos que sobraram, dizem os pesquisadores.

O que sabíamos até então sobre morte cerebral era a partir de pesquisas com animais e, ainda que a nova pesquisa revele que a morte para nossos cérebros seja similar à morte em animais, o cérebro humano naturalmente traz especificidades e complexidades peculiares – e incríveis.

Uma das primeiras descobertas é do esforço enorme que os neurônios realizam a fim de tentarem manter-se vivos – e, diante da falta de oxigênio e energia química pela ausência de fluxo sanguíneo, os neurônios se silenciam, a fim de acumularem e salvarem os recursos que lhes restam.

A energia é utilizada não para enviar sinais, como normalmente fazem, mas sim para manter cargas elétricas internas, mantendo o cérebro “vivo” a espera de um novo fluxo sanguíneo – que infelizmente não virá. Esse fenômeno incrível foi batizado de “depressão não dispersa”, pois acontece no cérebro como um todo.

Em seguida, no entanto, o inevitável: uma grande liberação dessa energia térmica, conhecida como “despolarização da difusão” ou “tsunami cerebral”, que leva à destruição das células. Conforme os níveis de oxigênio caiam nos pacientes monitorados, caia também as atividades cerebrais.

É então que a morte chega.

“A despolarização expansiva marca o início das mudanças celulares tóxicas que eventualmente levam à morte, mas não é o ponto chave da morte por si só, pois essa despolarização é reversível até certo ponto, com a restauração do suprimento de energia”, diz Jens Dreier.

Os resultados da pesquisa parecem apontar que a morte cerebral pode ser reversível. Mas, como diz Dreier, a morte é um fenômeno complexo para o qual não há respostas fáceis.

Ciberia // Hypeness / BBC / Science Alert

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Maioria considera justa a soltura de Lula, mostra Datafolha

Uma pesquisa do instituto Datafolha divulgada nesta segunda-feira (09/12) sugere que a maioria da população brasileira considera justa a libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ocorrida em novembro após ele cumprir um ano …

Agora sabemos sobre o que os orangotangos estão conversando: estudo

Um novo estudo da Universidade de Exeter desvendou a linguagem secreta dos orangotangos, descobrindo o que significam 11 sinais vocais e 21 gestos. Os pesquisadores passaram dois anos filmando mais de 600 horas do comportamento …

Cientistas desenvolvem holograma com som e toque iguais aos de Star Wars

Quando pensamos em desenvolver tecnologias baseadas nos filmes de Star Wars, a primeira, segunda e terceira coisa que passa pela cabeça dos fãs é a criação de sabres de luz da vida real. Mas, para os …

Secom diz que não há 'indicativo de câncer de pele' em Bolsonaro

Após o presidente Jair Bolsonaro declarar que tinha feito exame para investigar "possível câncer de pele", a Secretaria de Comunicação da Presidência disse por nota que não havia qualquer indicativo da doença. O chefe de Estado …

Evo Morales vai fazer da Argentina o seu comitê de campanha para as eleições na Bolívia

Em uma operação secreta, o ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, chegou à Argentina de onde vai comandar a campanha do seu partido para as próximas eleições. Depois de passar quase um mês no México, …

Boris Johnson vence por ampla margem no Reino Unido

O Partido Conservador do atual primeiro-ministro, Boris Johnson, conquistou a maioria absoluta dos assentos no Parlamento do Reino Unido nas eleições realizuadas nesta quinta-feira (12/12) no país. Esse resultado eleitoral garante ao premiê o número …

Simples e atemporal, azul clássico é a cor de 2020, segundo a Pantone

A cor do ano de 2020 será o Classic Blue, um azul clássico que oferece estabilidade e conexão. Quem diz isso é a Pantone, a principal empresa de cores do mundo, que oferece o sistema …

Segredos do idioma dos orangotangos são revelados

Um novo estudo da Universidade de Exeter (Inglaterra) desvendou a linguagem secreta dos orangotangos, descobrindo o que significam 11 sinais vocais e 21 gestos. Os pesquisadores passaram dois anos filmando mais de 600 horas do comportamento …

Exaustos com o Brexit, britânicos vão às urnas pela quarta vez em quatro anos

O Reino Unido está indo às urnas nesta quinta-feira (12) para o que está sendo chamada de a eleição mais importante desta era. Os britânicos estão diante de duas escolhas: apoiar o primeiro-ministro conservador Boris Johnson e …

VÍDEO da NASA revela degelo dramático das geleiras do Alasca

Vídeo recém-publicado mostra derretimento de geleiras e calotas de gelo do Alasca visto do espaço. Algumas imagens revelam mudanças de quase 50 anos, e dão aos cientistas novas ideias relacionadas aos efeitos das mudanças climáticas …