Na Polônia, conservadorismo tenta invadir escolas públicas e nomear diretores

Deixar as escolas sob os desmandos dos conservadores: este é o medo de muitas associações de pais, alunos e educadores da Polônia. Em junho, o ministro polonês da Educação apresentou uma proposta de lei para reduzir a autonomia das escolas do país.

O projeto traz uma longa lista de alterações na estrutura do sistema educacional que vão reforçar o controle do Estado sobre as instituições escolares. Em primeiro lugar, o governo nacional pretende permitir que um superintendente, nomeado para cada província, seja responsável pela escolha e pela nomeação dos diretores de cada escola.

Atualmente, as autoridades locais participam dessa escolha, o que garante algum equilíbrio já que muitos governos locais são administrados por grupos de oposição ao governo do populista conservador Andrzej Duda.

Com esse projeto de lei, os diretores de escola poderão ser suspensos de suas atividades facilmente, caso assim queira o superintendente, um representante do governo Duda.

Além disso, o superintendente poderá aceitar ou não que ONGs (Organizações Não Governamentais) façam intervenções em escolas polonesas. Atualmente, essa é uma decisão tomada pelos diretores de escola que podem, por exemplo, aceitar palestras sobre a violência contra mulheres ou LGBTs ou sobre assédio sexual contra crianças e adolescentes.

Essas questões não são bem vistas pelo ministro da Educação polonês, o conservador Przemysław Czarnek, conhecido, entre outras coisas, por suas posições homofóbicas e misóginas. Para ele, os membros da comunidade LGBT não são “pessoas normais”.

Recentemente, ele denunciou uma palestra em uma escola organizada por uma associação que defende os direitos civis na Polônia e chamou a atividade de “escândalo nojento”.

“Ditadura das opiniões da esquerda”

O ministro da Educação quer combater nas escolas o que chama de “ditadura das opiniões liberais da esquerda” e impor uma visão mais conservadora, fundada nos valores cristãos, segundo ele. Czarnek chegou a recomendar, por exemplo, o uso de materiais sobre o papa polonês João Paulo II.

O ministro pretende ainda tornar obrigatório para todos os estudantes o ensino religioso ou o curso de ética, o que hoje é facultativo.

De acordo com a associação de professores poloneses, atualmente existem apenas 700 professores de ética em todo país, o que não seria suficiente para garantir as aulas para todos os estudantes da Polônia. Neste caso, prevê o governo, os numerosos catequistas poloneses poderão ser contratados pelas escolas.

Nacionalismo como disciplina

As aulas de história são outro ponto sensível para o governo Duda. O ministro pretende que seja abandonado o ensino sobre o antissemitismo na história polonesa, o que chama de “pedagogia da vergonha”.

Ele também deseja que as aulas tenham um olhar nacionalista para formar estudantes “orgulhosos de serem poloneses”, segundo palavras de Czarnek.

Desde sua chegada ao ministério da Educação, em outubro de 2020, ele tem sido alvo de diversas manifestações por parte de professores, pais e alunos. Nada que tenha alterado seu espaço na política nacional.

Resta a saber se o governo conseguirá formar maioria necessária para passar o projeto de lei de reforma de ensino.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …