Na Polônia, conservadorismo tenta invadir escolas públicas e nomear diretores

Deixar as escolas sob os desmandos dos conservadores: este é o medo de muitas associações de pais, alunos e educadores da Polônia. Em junho, o ministro polonês da Educação apresentou uma proposta de lei para reduzir a autonomia das escolas do país.

O projeto traz uma longa lista de alterações na estrutura do sistema educacional que vão reforçar o controle do Estado sobre as instituições escolares. Em primeiro lugar, o governo nacional pretende permitir que um superintendente, nomeado para cada província, seja responsável pela escolha e pela nomeação dos diretores de cada escola.

Atualmente, as autoridades locais participam dessa escolha, o que garante algum equilíbrio já que muitos governos locais são administrados por grupos de oposição ao governo do populista conservador Andrzej Duda.

Com esse projeto de lei, os diretores de escola poderão ser suspensos de suas atividades facilmente, caso assim queira o superintendente, um representante do governo Duda.

Além disso, o superintendente poderá aceitar ou não que ONGs (Organizações Não Governamentais) façam intervenções em escolas polonesas. Atualmente, essa é uma decisão tomada pelos diretores de escola que podem, por exemplo, aceitar palestras sobre a violência contra mulheres ou LGBTs ou sobre assédio sexual contra crianças e adolescentes.

Essas questões não são bem vistas pelo ministro da Educação polonês, o conservador Przemysław Czarnek, conhecido, entre outras coisas, por suas posições homofóbicas e misóginas. Para ele, os membros da comunidade LGBT não são “pessoas normais”.

Recentemente, ele denunciou uma palestra em uma escola organizada por uma associação que defende os direitos civis na Polônia e chamou a atividade de “escândalo nojento”.

“Ditadura das opiniões da esquerda”

O ministro da Educação quer combater nas escolas o que chama de “ditadura das opiniões liberais da esquerda” e impor uma visão mais conservadora, fundada nos valores cristãos, segundo ele. Czarnek chegou a recomendar, por exemplo, o uso de materiais sobre o papa polonês João Paulo II.

O ministro pretende ainda tornar obrigatório para todos os estudantes o ensino religioso ou o curso de ética, o que hoje é facultativo.

De acordo com a associação de professores poloneses, atualmente existem apenas 700 professores de ética em todo país, o que não seria suficiente para garantir as aulas para todos os estudantes da Polônia. Neste caso, prevê o governo, os numerosos catequistas poloneses poderão ser contratados pelas escolas.

Nacionalismo como disciplina

As aulas de história são outro ponto sensível para o governo Duda. O ministro pretende que seja abandonado o ensino sobre o antissemitismo na história polonesa, o que chama de “pedagogia da vergonha”.

Ele também deseja que as aulas tenham um olhar nacionalista para formar estudantes “orgulhosos de serem poloneses”, segundo palavras de Czarnek.

Desde sua chegada ao ministério da Educação, em outubro de 2020, ele tem sido alvo de diversas manifestações por parte de professores, pais e alunos. Nada que tenha alterado seu espaço na política nacional.

Resta a saber se o governo conseguirá formar maioria necessária para passar o projeto de lei de reforma de ensino.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Queiroga testa positivo para covid-19 e fica em Nova York

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, testou positivo para covid-19 durante a viagem a Nova York, na comitiva do presidente Jair Bolsonaro, e ficará em isolamento na cidade, comunicou nesta quarta-feira (21/09) a Presidência da …

Vulcão em erupção nas Canárias: o cenário 'desolador' enfrentado por moradores afetados pelo Cumbre Vieja

Juan Vicente Rodríguez ainda não chegou às lágrimas, mas ele garante que no final "todos vão acabar chorando". Morador da ilha canária La Palma, Rodríguez observa nas redondezas os rios de lava do vulcão Cumbre Vieja …

Anistia Internacional acusa empresas farmacêuticas de deixar países pobres sem vacinas anticovid

A ONG Anistia Internacional divulgou um relatório nesta quarta-feira acusando os grandes grupos farmacêuticos que produzem vacinas contra a Covid-19 de alimentar uma crise de direitos humanos sem precedentes. Por essa razão, a entidade …

Descobrem na Espanha dezenas de pegadas de espécie extinta de elefantes

Paleontólogos descobriram em Huevla, na Espanha, em um sítio da época do Pleistoceno Superior, trilhas e rastros de elefantes recém-nascidos e juvenis atribuídos a elefantes de presas retas (Palaeoloxodon antiquus). Os elefantes de presas retas são …

Na ONU, Bolsonaro defende ineficaz "tratamento precoce"

O presidente Jair Bolsonaro usou nesta terça-feira (21/09) seu discurso de abertura da 76ª Assembleia-Geral das Nações Unidas para defender o desacreditado "tratamento precoce" promovido pelo seu governo, que consiste num coquetel de drogas ineficazes …

Turismo em reservas naturais federais no Brasil triplica em 13 anos

Cerca de 15 milhões de turistas visitaram reservas ambientais federais no Brasil em 2019, uma alta de 300% nos últimos 13 anos. Se por um lado esse aumento reflete um maior interesse dos brasileiros em …

Presidente do Conselho da UE acusa EUA de "falta de lealdade" após ruptura de contrato com a França

O presidente do Conselho da União Europeia, Charles Michel, acusou nesta segunda-feira (20) os Estados Unidos de falta de lealdade depois que a Austrália cancelou um amplo contrato com a França para comprar submarinos …

Morcegos das cavernas de Laos podem revelar origem da COVID-19

Descobriu-se que os morcegos que habitam as cavernas do norte de Laos transportam um coronavírus que compartilha uma característica importante com o SARS-CoV-2, dando pistas aos cientistas para desvendar a causa da COVID-19. Uma equipe de …

Em Nova York, Bolsonaro vai se reunir com Boris Johnson

O presidente Jair Bolsonaro viajou neste domingo (19/09) para Nova York, nos Estados Unidos, onde participará nesta semana da Assembleia Geral das Nações Unidas e terá seu primeiro encontro bilateral com o primeiro-ministro do Reino …

Os softwares de home office mais importantes

A pandemia de COVID-19 obrigou muita gente a trabalhar a partir de casa. Nesse momento, se uma pessoa pode fazer seu trabalho em home office, ela deve seguir este caminho. Toda essa situação ajudou as empresas …