NASA descobriu “Sistema Solar” parecido com o nosso

Durante uma reunião com a imprensa realizada esta quarta-feira, a NASA informou que foram identificados sete planetas do tamanho da Terra em órbita da estrela TRAPPIST-1, localizada a cerca de 39 anos-luz do Sol, na constelação Aquarius.

“Sinto-me entusiasmado por anunciar que o Dr. Michael Gillon e sua equipe usaram o nosso telescópio espacial Spitzer para confirmar que existem realmente sete planetas do tamanho da Terra em órbita da estrela TRAPPIST-1”, informou o dirigente da NASA, Thomas Zubuchen.

Este sistema de exoplanetas é chamado de TRAPPIST-1, devido ao Transiting Planets and Planetesimals Small Telescope (TRAPPIST), localizado no Chile, através do qual os cientistas observaram três planetas, em maio de 2016.

A apenas 40 anos-luz da Terra, o sistema estelar com sete planetas de massa similar ao nosso, três dos quais se encontram na área habitável e poderiam abrigar oceanos de água na superfície, o que aumenta a possibilidade de que esse sistema possa abrigar vida.

O sistema, localizado por um grupo internacional de astrônomos e cujo estudo foi publicado nesta quarta-feira pela revista “Nature”, tem tanto o maior número de planetas do tamanho da Terra como o maior número de mundos que poderiam ter água em estado líquido na superfície.

Os seis planetas mais próximos à estrela, provavelmente rochosos, podem ter uma temperatura na superfície de entre 0 e 100 graus, a faixa na qual pode haver água em estado líquido, e três deles estão na chamada “área habitável”, razão pela qual são candidatos especialmente promissores para abrigar vida.

Os corpos recém-descobertos giram em órbitas planas e ordenadas ao redor de TRAPPIST-1, uma estrela anã ultrafria com um brilho cerca de mil vezes menor que o do nosso sol.

O autor principal do estudo, Michaël Gillon, do Instituto STAR na Universidade de Liège (Bélgica), se mostrou animado com os resultados.

“Trata-se de um sistema planetário surpreendente, não só por termos encontrado tantos planetas, mas porque são todos assombrosamente similares em tamanho à Terra!”, afirmou Gillon.

O novo sistema é relevante para os cientistas por sua proximidade à Terra em termos astronômicos e porque é o primeiro que conta com sete planetas de tamanho similar ao nosso, assim como pelo reduzido tamanho de sua estrela, uma particularidade que simplificará o estudo do clima e da atmosfera desses mundos.

Os sete planetas são 80 vezes maiores em relação à TRAPPIST-1 que a Terra em relação ao sol, motivo pelo qual bloqueiam uma grande quantidade de luz quando transitam na frente da estrela.

Isso facilita para os pesquisadores a tarefa de identificar seus componentes químicos por meio de técnicas de fotometria.

Buscamos uma estrela muito pequena, ao contrário de outros grupos de astrônomos. Isso faz com que os planetas apareçam magnificados”, explicou em entrevista coletiva por telefone Amaury Triaud, pesquisador da Universidade de Cambridge (Reino Unido).

Após uma primeira fase de “reconhecimento”, os cientistas planejam agora iniciar “observações detalhadas para estudar o clima e a composição química dos corpos, com o objetivo de determinar se há vida nele”.

Em alguns anos saberemos muito mais sobre estes planetas e esperamos saber se há vida no prazo de uma década”, previu Triaud.

Em 2010, o grupo de pesquisadores liderado por Gillon começou a esquadrinhar a vizinhança do sistema solar com o TRAPPIST (Telescópio Pequeno para Planetas em Trânsito e Planetesimais), situado no Chile.

A promissora descoberta inicial da estrela TRAPPIST-1 permitiu aos pesquisadores focar o telescópio espacial Spitzer da Nasa (agência espacial americana) em direção a esse ponto durante 20 dias sem interrupção.

A partir dessas observações e das de outros telescópios terrestres recolhidas durante anos, foram recopiladas evidências de 34 trânsitos de corpos em frente à estrela, que os cientistas atribuem às órbitas de sete planetas.

O sistema estelar, no qual os seis corpos interiores têm períodos orbitais de entre 1,5 e 13 dias, fez os astrônomos se lembrarem do que formam Júpiter e suas luas, tanto por suas proporções relativas como pelas órbitas compactas e próximas.

Nos últimos anos, os cientistas acumularam provas que os planetas do tamanho da Terra são comuns na galáxia, mas o trabalho de Gillon e seus colegas indica que são ainda mais abundantes do que se pensava.

Calcula-se que, por cada planeta que se detecta quando transita em frente a sua estrela, há uma multidão de outros corpos similares (entre 20 e 100 vezes mais) que permanecem inobserváveis porque da perspectiva terrestre não cruzam na frente do astro.

// EFE / ZAP

 

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Estão são as atividades mais e menos arriscadas para espalhar Covid-19

Quando falamos em pegar Covid-19 cada atividade traz um risco diferente. É o que nos mostra esse admirável infográfico (que traduzimos a seguir) recentemente compartilhando pelo Twitter do Information is Beautiful (Informação é linda, em …

Android gerou receitas equivalentes a 2% do PIB brasileiro em 2019, diz estudo

Um levantamento feito pela consultoria Bain & Company apontou que o Android gerou receitas estimadas em R$ 136 bilhões ao mercado brasileiro. Isso aconteceu a partir de empresas diretamente envolvidas no ecossistema do sistema operacional móvel …

Eleições regionais na Itália são um teste para governo diante de avanço da Liga de Salvini

Apesar do novo avanço de contaminações de Covid-19, a Itália organiza neste domingo e segunda-feira eleições municipais e regionais. Os eleitores também são convocados para se pronunciar em um referendo nacional sobre a redução …

Documentos secretos dos EUA expõem grandes bancos

Arquivos do Departamento do Tesouro americano revelam que algumas das maiores instituições financeiras do mundo facilitaram por anos lavagem de dinheiro. Valor suspeito movimentado chega a 2 trilhões de dólares. Milhares de documentos secretos do governo …

Estudo confirma que animais e humanos podem transmitir SARS-CoV-2 entre si

Cientistas neerlandeses examinaram grupos de animais e humanos de 16 fazendas de martas nos Países Baixos, descobrindo que houve infeção entre eles. Um estudo realizado em 16 fazendas de martas nos Países Baixos confirma que o …

Uma imensidão de novos mundos podem conter vida após essa nova descoberta

Pesquisadores observaram um planeta gigante orbitando sua estrela, uma anã branca, pela primeira vez. É a mais forte evidência até o momento de que planetas conseguem sim sobreviver a morte violenta de suas estrelas-mãe. A estrela …

Covid-19 vira “oportunidade" para golpistas na internet

Incertezas sobre os sintomas, alta contagiosidade, milhares de mortes no mundo. Ao atingir em cheio o medo das pessoas, o coronavírus se tornou uma “oportunidade" para golpistas na internet, que se aproveitam da ansiedade …

Trump ofereceu perdão a Assange em troca de fonte de e-mails vazados, diz advogada

Advogada de Assange afirmou que administração Trump ofereceu liberdade para o fundador do WikiLeaks caso ele revelasse a fonte por trás dos vazamentos de e-mails do Partido Democrata dos EUA. A oferta teria sido feita através …

Estudo mostra material especial que pode ser usado em construções em Marte

A NASA planeja levar humanos novamente à Lua com o programa Artemis a partir de 2024, que irá contribuir para a realização de futuras visitas a Marte. E Elon Musk é um entusiasta da ideia …

YouTube, Facebook: redes sociais bloqueiam contas de pesquisadores de maconha medicinal

No final do ano passado o uso medicinal da maconha foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e legalizado no Brasil. A lei, que beneficia a saúde de milhares de pessoas que sofrem com …