Talvez os neandertais não fossem tão brutos como se pensava

Apesar de vários esqueletos de neandertais terem sido encontrados com ferimentos graves na cabeça e no pescoço, um novo estudo sugere que não fossem tão violentos como se pensava.

Na verdade, os níveis de lesões cranianas dos neandertais são muito semelhantes aos dos primeiros humanos modernos, de acordo com o estudo publicado este mês na revista Nature.

“Não há diferença estatística entre os dois, o que significa que não podem ser diferenciados”, disse a coautora do estudo, Katerina Harvati, paleoantropóloga da Universidade de Tübingen, na Alemanha.

“Acho que é uma evidência que eles não andavam batendo uns nos outros“, pelo menos não mais do que os humanos modernos, referiu Fred Smith, professor da Universidade do Estado de Illinois, especializado em Neandertais, que não estava envolvido na pesquisa.

Smith não ficou surpreendido com os resultados e, por muitos anos, “houve muito foco em enfatizar as diferenças entre os neandertais e nós”. Isso mudou em 2010, quando os cientistas descobriram que os neandertais contribuíam com material genético para os humanos modernos, tornando-os um parente precoce.

Desde então, uma enxurrada de estudos desafiou a imagem dos neandertais como selvagens. Pesquisadores sugeriram que podem ter feito arte, tiveram longas infâncias, às vezes tinham dietas vegetarianas e até usavam joias e maquiagem.

Os pesquisadores reuniram um banco de dados de artigos publicados que descreviam os ossos de 204 indivíduos neandertais e do homem moderno do Paleolítico Superior, incluindo lesões cranianas. Os espécimes vieram do que hoje é a Europa e a Ásia e datam de aproximadamente 20 a 80 mil anos atrás.

Em ambos os grupos, os homens eram mais propensos a sofrer lesões cranianas do que as mulheres – o que, de acordo com a Universidade de Tübingen, é “explicado pela divisão do trabalho entre homens e mulheres ou por comportamentos e atividades específicos do sexo determinados culturalmente”.

Embora o nível de traumatismo craniano entre os neandertais e os primeiros humanos modernos fosse estatisticamente o mesmo, os neandertais que sofreram traumatismo craniano antes dos 30 anos tinham maior probabilidade de morrerem mais jovens.

“Essa descoberta poderia indicar que os neandertais tinham um risco maior de mortalidade após sobreviverem a lesões cranianas em comparação com os humanos modernos do Paleolítico Superior”, de acordo com os pesquisadores. Isso também poderia significar que os primeiros humanos modernos eram melhores em cuidar dos feridos.

Harvati disse que, provavelmente, houve muitas causas para esses ferimentos na cabeça. Além da caça e da violência interpessoal, lesões cranianas em ambos os grupos foram provavelmente causadas por “acidentes de um estilo de vida altamente móvel de caçadores-coletores em ambientes glaciais, bem como ataques de carnívoros”.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

UE exportou mais de um bilhão de doses contra Covid-19, diz Comissão Europeia

A União Europeia exportou mais de um bilhão de doses de vacinas contra a Covid-19 para mais de 150 países. Essa quantidade representa a metade das doses produzidas na Europa, de acordo com dados …

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morre aos 84 anos

Primeiro negro a ocupar topo da diplomacia e da máquina militar americana, ex-general teve papel de destaque na Guerra do Golfo e arranhou sua credibilidade ao apoiar a invasão do Iraque uma década depois. Colin Powell, …

Criminosos usam escaneamento por código do próprio usuário para 'sequestrar' contas do WhatsApp

Em 2019, um relatório divulgado pelo laboratório de pesquisa da empresa de segurança virtual Eset alertou que uma das formas crescentes de sequestro de contas do WhatsApp era feita por meio de um ataque conhecido …

EUA: Manobras de Trump bloqueiam investigação sobre invasão do Capitólio

Vários parceiros e associados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se recusaram a comparecer à comissão da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio, sede do …

Dor nos olhos após COVID-19: cientistas explicam causa de complicação inesperada do vírus

Uma pesquisa de cientistas alemães mostrou que o coronavírus pode penetrar nos olhos e infectar os fotorreceptores e células ganglionares na retina. Isso pode ser uma causa de problemas com os olhos após a COVID-19. Os …

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata …

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …