O possível impacto das mutações do coronavírus está intrigando os cientistas

Narendra Shrestha / EPA

Pesquisas realizadas nos Estados Unidos e no Reino Unido descobriram, até agora, centenas de mutações do coronavírus que causa Covid-19. Mas o que isso significa?

Os cientistas estão totalmente intrigados. Vírus mutam. Isso é “normal”. No entanto, pelo menos no que diz respeito ao novo vírus, ainda não sabemos como suas mutações afetam coisas como a transmissão da doença entre a população, a gravidade dos sintomas ou uma vacina em potencial.

Um estudo da Universidade College London (Reino Unido) identificou nada menos do que 198 mutações recorrentes do vírus. Isso não significa nada tenebroso, no entanto.

Mutações em si não são coisas ruins e não há nada que sugira que o SARS-CoV-2 esteja mutando mais rápido ou mais devagar do que o esperado. Até agora, não podemos dizer se o SARS-CoV-2 está se tornando mais ou menos letal e contagioso”, disse François Balloux, um dos autores da pesquisa, à BBC.

Um estudo preliminar conduzido por pesquisadores do Laboratório Nacional de Los Alamos, no Novo México, EUA, sugeriu que uma mutação em particular, a D614G, está se tornando dominante e poderia tornar a Covid-19 mais infecciosa.

Os cientistas americanos têm acompanhado as mudanças na forma do “spike” do vírus através de um banco de dados chamado “Global Initiative on Sharing All Influenza Data” (GISAID). O “spike” é uma proteína do vírus que o torna capaz de se ligar à membrana celular de um hospedeiro.

Eles observaram que algo sobre essa mutação específica parecia fazer a doença se espalhar mais rapidamente, embora as consequências dessas mudanças ainda não estejam claras.

Por exemplo, a equipe analisou pacientes de Sheffield, no Reino Unido, e, enquanto os infectados com essa mutação pareciam ter quantidades maiores do vírus em suas amostras, não havia evidências de que esses pacientes ficaram mais doentes do que o normal ou passaram mais tempo no hospital.

Outro estudo da Universidade de Glasgow (Reino Unido) afirmou que as mutações observadas não equivalem a diferentes cepas do vírus. A equipe concluiu que apenas uma está circulando atualmente. Dito isto, monitorar mudanças à estrutura do vírus é importante, principalmente no contexto do desenvolvimento de vacinas.

Por exemplo, o vírus da gripe muda tanto que a vacina contra a gripe precisa ser ajustada todo ano para lidar eficazmente com as diferentes cepas em circulação.

Muitas vacinas atualmente em desenvolvimento para a Covid-19 têm como alvo os distintos “spikes” do vírus. Se eles estiverem mudando, uma vacina desenvolvida dessa maneira poderia se tornar menos eficaz.

Mas isso é, por ora, puramente teórico. Os cientistas ainda não possuem informação suficiente para saber o que todas as mudanças ao genoma do vírus significam.

Analisar um grande número de genomas seria, assim, valiosíssimo para o combate à Covid-19 – ainda que o conhecimento que eles forneçam seja de certa forma limitado.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Rede 5G pode transmitir energia elétrica e aposentar as baterias no futuro

O mundo já conhece os benefícios da tecnologia 5G como a alta velocidade na transmissão de dados e baixa latência. Agora, os cientistas do Instituto de Tecnologia da Geórgia, nos EUA, descobriram que essas redes …

Covid: como evitar a trágica marca de 5 mil mortes por dia no Brasil?

No dia 19 de maio de 2020, o Brasil atingiu pela primeira vez a marca das mil mortes diárias por covid-19. Esse número permaneceu relativamente estável, em um patamar considerado alto, durante todo o segundo semestre …

Físicos afirmam que o universo é um computador de aprendizado de máquina

Físicos teóricos que trabalham com a Microsoft lançaram um artigo na sexta-feira afirmando que o universo é essencialmente um computador de aprendizagem de máquina (machine learning, em inglês). Os pesquisadores, vários afiliados à Microsoft, pré-publicaram um …

Mundo ainda tem países sem uma única dose de vacina

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 600 milhões de doses de vacina contra a covid-19 já foram aplicadas em todo o mundo. Mas a discrepância entre países é alta: enquanto, …

Covid: site calcula quando você será vacinado. Resultados não animam

Um grupo de voluntários chamado CoronavirusBra desenvolveu uma plataforma para calcular quando você será vacinado contra a covid-19. O ‘Quando vou ser vacinado?’ utiliza dados públicos como a média de imunizados com o número de pessoas …

Rússia inicia desenvolvimento de mais uma vacina contra COVID-19

Sendo o primeiro país a registrar uma vacina contra a COVID-19, a Rússia anunciou o início do desenvolvimento de mais uma vacina contra o coronavírus. A criação do novo medicamento estará a cargo do Instituto Smorodintsev …

Especialista chinês: ascensão da China faz EUA entrarem em pânico e ficarem nervosos

O desenvolvimento econômico e a ascensão do país asiático fazem os EUA ficarem nervosos e entrarem em pânico, mas este medo se origina em seus preconceitos, disse em entrevista à Sputnik um especialista chinês. Li Junru, …

Interação de múons, a nova força da natureza que cientistas acreditam ter descoberto

Desde colar um ímã na porta de uma geladeira até jogar uma bola em uma cesta de basquete, as forças da física funcionam em todos os momentos de nossas vidas. Todas as forças que experimentamos todos …

Receita afirma que "só rico lê" e reforça preconceito de classe brasileiro

A Receita Federal deseja manter o projeto que cobra impostos sobre livros. Através da mesclagem entre PIS e Cofins, a nova CBS (Contribuição sobre bens e serviços), uma espécie de imposto sobre valor agregado, o …

Tribunal europeu dá aval a vacinação obrigatória

Corte de direitos humanos diz que medida pode ser necessária em sociedades democráticas e abre precedente no combate à covid-19. Tribunal julgava ação de famílias tchecas que se recusaram a vacinar os filhos. O Tribunal Europeu …