ONU defende ônibus movido a hidrogênio para melhorar mobilidade urbana

(dr) Daniel Guimarães / A2img

-

Um ônibus que não emite poluentes e libera apenas água na atmosfera. No Brasil, a ideia já saiu do papel. A solução sustentável foi apresentada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PnuD) no IV Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável (EMDS), realizado na última semana de abril em Brasília.

Ao participar da mesa intitulada Como qualificar o transporte coletivo e atrair novas fontes de recursos, a especialista da agência da ONU, Rose Diegues, lembrou que, em março de 2016, três ônibus movidos a hidrogênio foram incluídos na frota paulista.

Os veículos sustentáveis foram desenvolvidos pelo PnuD em parceria com a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (EMTU) e com recursos do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF).

“São Paulo foi escolhida porque é a cidade com a maior frota de ônibus do Brasil”, explicou Diegues. Os veículos rodaram por pouco tempo, pois apresentam uma tecnologia pré-comercial, com um modelo de negócio que ainda precisa ser implementado no Brasil.

A especialista do PnuD aponta, porém, que a iniciativa foi importante por transferir tecnologia e conhecimentos para a indústria nacional. “Esse projeto deu oportunidade ao mercado brasileiro para se adequar a essa nova tecnologia, que é uma tecnologia do futuro”, afirmou.

O Brasil foi o primeiro país da América Latina a colocar em circulação regular um ônibus movido a hidrogênio — e o quarto do mundo, junto com Estados Unidos, Canadá e Alemanha.

Também presente no evento, o secretário municipal de transportes de São Paulo, Sérgio Avelleda, apontou que, atualmente, apenas 7% dos veículos responsáveis pelo transporte urbano da cidade são sustentáveis.

O objetivo é chegar a 100%. “Apenas 21% da poluição gerada pelo sistema de transporte em São Paulo é causada pela frota de ônibus. Cerca de 40% é por caminhões, e o restante é pelos carros”, disse o secretário.

Nos últimos 15 anos, a frota de automóveis do Brasil triplicou, e a de motocicletas aumentou cerca de cinco vezes, o que torna fundamental a busca por soluções de mobilidade urbana sustentáveis.

Para mudar esse quadro, a diretora da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do estado do Rio de Janeiro (FETRANSPOR), Richele Cabral Gonçalves, defendeu o investimento em Transporte Rápido por Ônibus, os BRTs. “Cada BRT tira 3 ônibus da rua. Isso leva a ganho de eficiência energética no transporte público”, disse.

Para o presidente da Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos), Ailton Brasiliense, investimentos em sustentabilidade devem beneficiar não apenas os grandes centros urbanos, mas principalmente as cidades de médio porte.

“A perspectiva para os próximos 30 anos é que o Brasil ganhe cerca de 40 milhões de habitantes. Essas pessoas não vão morar em São Paulo, Rio de Janeiro ou Salvador. Elas vão viver nas cidades médias e, por isso, precisamos investir na mobilidade urbana dessas cidades”, alertou.

Dados e políticas públicas

O PnuD também moderou outra mesa do Encontro dos Municípios — Estratégias e instrumentalidades de gestão necessárias no enfrentamento das desigualdades.

Realizado na última quinta-feira, o evento contou com a participação do coordenador sênior de pesquisa do Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG), Rafael Osório. O especialista alertou para a falta de dados de qualidade sobre a situação da população brasileira.

“O município deve e pode produzir dados úteis para o planejamento de políticas públicas”, afirmou Osório. O pesquisador reconheceu que, para as gestões locais, o trabalho estatístico é dificultado pela falta de recursos humanos. “É muito difícil, por exemplo, inserir um grande profissional capacitado no interior do Brasil”, alegou.

Ao longo das atividades do IV EMDS, especialistas concordaram que a escassez de dados confiáveis é um empecilho ao monitoramento da implementação da Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

“O Brasil teve um processo destacado na formatação da Agenda 2030, que não é apenas uma agenda ambiental, é uma agenda de desenvolvimento sustentável, em três pilares: o social, o econômico e o ambiental. E traz mais um componente, que é o pilar institucional”, disse o secretário nacional de Articulação Social, Henrique Villas, durante o encontro.

“Não chegaremos a lugar algum sem instituições fortes e preparadas ao desafio, tanto de quem gere políticas públicas no âmbito federal como também de quem gere a política pública no âmbito municipal”, acrescentou.

Para o pesquisador do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Leonardo Athias, no nível do monitoramento nacional, sabe-se da dificuldade para se ter “dados confiáveis, dados comparáveis e com os mesmos critérios”. Outros desafios incluem a compilação de estatísticas regionais, de acordo com o funcionário da instituição.

// EcoD

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …