Protestos em Hong Kong começam a afetar comércio e turismo

Há dois meses Hong Kong vive ao ritmo de protestos contra um projeto de lei que autoriza as extradições para a China. Os dirigentes se recusam a responder às reivindicações dos manifestantes, que pedem reformas democráticas no território. O impasse começa a afetar o comércio e o turismo na região.

A greve de segunda-feira (5) mostrou que uma parte da população continua apoiando o movimento. Mas os bloqueios constantes do comércio em plena temporada de férias, quando Hong Kong recebe muitos visitantes, não agrada a todos, principalmente os que dependem do turismo.

“Claro que as manifestações tiveram um impacto no comércio. Estamos no meio do dia e apenas três clientes entraram na minha farmácia”, reclama Chen, um comerciante de Causeway Bay, uma das zonas mais movimentadas de Hong Kong.

“Esse é um bairro que normalmente estaria lotado, mas agora só vemos idosos e algumas pessoas que trabalham por aqui. Os turistas sempre vêm para se divertir. Mas sabendo o que está acontecendo, será que vão continuar vindo?”

Não muito longe dali, Siu, gerente de uma loja de doces, tenta ser compreensiva, mesmo se já dá sinais de cansaço diante dos mais de dois meses de protestos. “No início eu até entendia as reivindicações dos manifestantes. Mas alguns começaram a ficar violentos e me assustaram. Perto daqui, ao lado do centro comercial SoGo, eles cortaram os fios dos semáforos”, relata, assustada. “Eu acho que tudo isso afetou as vendas”, afirma.

“Isso não é uma maneira de protestar”, continua. “A polícia também não deve ser violenta, mas em alguns casos eles têm motivos para agir assim com manifestantes”, comenta, se referindo aos confrontos com as forças de ordem que fizeram vários feridos.

Jeremy Tai, dono de uma loja de bordados, também constata uma queda nas vendas. “Eu não apoio os manifestantes. Mas os jovens têm muito poder. Eles podem impedir os clientes de chegar até as lojas”.

As autoridades locais confirmaram esta semana que as manifestações já tiveram consequências negativas concretas no varejo. Do lado do turismo, a companhia aérea Cathay Pacific e o grupo hoteleiro Hongkong and Shanghai Hotels também indicaram que os protestos provocaram uma baixa em suas atividades.

O presidente do Conselho das empresas especializadas em turismo, Jason Wong, declarou que o número de viagens organizadas vindas da China continental também despencou 40%.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Jovem norueguesa monitora quase 500 perfis nas redes sociais para evitar suicídios

Ingebjørg Blindheim tem 22 anos e já ganhou o apelido de “salva-vidas”. A norueguesa monitora quase 500 perfis nas redes sociais buscando identificar usuários que possam estar próximo de cometer suicídio. Quando percebe uma situação de …

NASA pode ter encontrado pistas sobre Planeta X

O suposto Planeta X segue repleto de mistérios e a única coisa que se sabe é que há algum objeto grande e massivo na região do cinturão de Kuiper. O grande objeto estaria causando uma grande …

Co-fundador da Wikipedia lança rede social livre de anúncios

O co-fundador da Wikipédia, Jimmy Wales, desenvolveu uma rede social chamada WT: Social, que opera basicamente do mesmo jeito que a enciclopédia virtual, ou seja, sem publicidade, apenas com doações. Apesar disso, não há ligação …

O que é a peste pulmonar e por que sua aparição na China preocupa

A forma mais rara, porém mais letal de peste, apareceu na China. Duas pessoas foram hospitalizadas em Pequim após contrairem a peste pulmonar ou pneumônica - uma variante altamente infecciosa da doença e muitas vezes …

Mais de 200 pessoas perderam visão em protestos no Chile

A principal associação médica do Chile anunciou nesta quinta-feira (14/11) que pelo menos 230 pessoas perderam a visão, parcial ou completamente do olho afetado, devido a tiros com espingarda de pressão disparadas por agentes de …

Movimento dos "coletes amarelos" completa um ano com efeitos positivos na economia

O diário econômico francês Les Echos desta sexta-feira dedica sua capa e várias páginas ao movimento dos coletes amarelos, que completa um ano neste domingo. O jornal analisa as consequências dos protestos na economia francesa …

Preço para voar em nave da Boeing será 60% mais caro do que na da SpaceX

O inspetor-geral da NASA divulgou nesta quinta-feira (14) um relatório sobre o Programa Commercial Crew, com detalhes sobre os problemas técnicos enfrentados pelas empresas SpaceX e Boeing no desenvolvimento de suas espaçonaves - Crew Dragon …

A corrida para salvar 33 marinheiros e 1 cachorro da ilha onde missionário foi morto por nativos há 1 ano

"Homens selvagens, provavelmente mais de 50, com armas caseiras, estão fazendo dois ou três barcos. Temo que eles nos alcancem no pôr do Sol. A vida de todos os tripulantes está em risco." A corrida contra …

Gigante chinesa do comércio eletrônico vende U$ 1 bilhão em 1 minuto

Sessenta e oito segundos. Esse foi o tempo que consumidores chineses levaram para gastar seu primeiro bilhão de dólares em vendas pela internet numa tradicional liquidação do país. O resultado surpreendente de vendas foi alcançado …

“A Tumba”: depósito de lixo nuclear está começando a se romper e afundar nas Ilhas Marshall

Antes de lançar a primeira bomba atômica do mundo, os EUA fizeram vários testes de detonações em locais remotos. O problema é que toda a radiação está até hoje nesses lugares, sendo que um desses …