Rixa com Trump e Musk pode levar Bezos a concorrer à presidência dos EUA

(dr) European CEO

Jeff Bezos, CEO da Amazon

Não é de hoje que Jeff Bezos, fundador da Amazon e da Blue Origin, nutre uma rivalidade com Elon Musk (fundador da SpaceX) e grande antipatia por Donald Trump.  Agora, essa rixa vem escalando a um patamar que poderia até mesmo levar Bezos a concorrer à presidência dos Estados Unidos em 2024, especialmente se um litígio contra o mandatário máximo estadunidense render frutos para sua gigante do varejo e de serviços em nuvem.

Em primeiro lugar está a disputa entre Musk e Bezos. Ambos duelam pela corrida espacial comercial, o que gerou várias, digamos, “trocas de gentilezas”. Esse confronto pode levar a Amazon a entrar de cabeça no segmento de veículos elétricos, justamente para que a Tesla (outra empresa de Musk), que enfrenta dificuldades para se estabelecer nessa seara, tenha uma concorrência capaz de preocupar ainda mais seus investidores.

Já a “treta” entre Bezos e Trump está bastante atrelada ao The Washington Post, jornal que hoje pertence à Amazon e que não costuma ser muito gentil com a atual administração do país. Sempre que pode, o presidente norte-americano deixa claro que discorda da posição do periódico e diz sofrer perseguição do grupo.

O projeto JEDI, a Microsoft, o Pentágono e a Justiça

Dito isso, chegamos a um episódio envolvendo o projeto Joint Enterprise Defense Infrastructure (JEDI), iniciativa do governo dos EUA que prevê um cobiçado orçamento de US$ 10 bilhões. O projeto visa construir uma plataforma de inteligência artificial que será usada pelo Pentágono para controlar mecanismos de defesa — uma rede de alta tecnologia em nuvem capaz de gerenciar autômatos armados, a exemplo de drones.

A grande líder em serviços de nuvem atualmente é a Amazon, e todos imaginavam que o Amazon Web Services seria o grande vencedor da licitação. Contudo, no final do ano passado, a escolhida foi a Microsoft com o Azure, para a surpresa até mesmo dos outros participantes do processo.

A Oracle chegou a acionar judicialmente o governo, acusando as autoridades de excluir grupos menores devido ao alto grau de exigência — aliás, os próprios executivos da Oracle acreditavam que somente a Amazon poderia preencher esses requisitos.

O caso, claro, foi imediatamente associado às rusgas envolvendo Trump e Bezos. Some essa decisão ao fato de a Amazon não ter tido o apoio de políticos para a instalação de uma grande fábrica em Nova Iorque, possivelmente por influência do presidente dos Estados Unidos — que mostra uma conversa mais amigável com Musk, principalmente quando o assunto envolve disputas tecnológicas com a Tesla, a Space X e outros negócios rivais de empresas de Bezos.

Para piorar a situação, Guy Snodgrass, redator de discursos do general James Mattis, ex-secretário de Defesa dos Estados Unidos, colocou mais lenha na fogueira. Snodgrass revelou em seu livro (Holding the Line: Inside Trump’s Pentagon with Secretary Mattis), lançado em outubro do ano passado, que Trump teria dito a Mattis que “a Amazon que se ferre”. Isso teria acontecido justamente na época da licitação do JEDI — o que, claro, aborreceu ainda mais Jeff Bezos.

A contrapartida demorou alguns meses, mas, de acordo com a CNBC, foi oficialmente registrada na última segunda-feira (10). Os advogados da Amazon protocolaram uma ação, processando a Casa Branca e exigindo que Trump e Mattis se expliquem no tribunal, sob a alegação de que relações pessoais motivaram a escolha pela Microsoft no projeto JEDI.

Um porta-voz de Bezos disse o seguinte: “O presidente Trump demonstrou repetidamente sua posição para interferir nas funções do governo — incluindo aquisições federais —, com o objetivo de promover seus objetivos pessoais.

A preservação da confiança do público no processo de compras do país exige a descoberta e a suplementação do registro administrativo, particularmente à luz da ordem do presidente Trump de ‘ferrar com a Amazon’”.

Bezos estaria minando as forças de Trump

É improvável que Trump vá ao tribunal se explicar, mas os esforços de Bezos estariam concentrados em minar as forças do presidente, acusando-o de usar o dinheiro do contribuinte para inflar seu próprio ego. Além disso, outros objetivos seriam irritar e consumir tempo de Trump, assim como destacar Bezos frente aos eleitores.

A especulação de alguns especialistas aborda a ideia de que Bezos não estaria de olho na disputa presidencial deste ano, e sim na de 2024, quando ele poderia articular democratas e construir uma reputação para vencer um possível sucessor de Trump, caso este não seja reeleito.

E, claro, com uma vitória, Bezos não somente estaria em posição para superar Trump e seus aliados políticos, como também poderia impor várias derrotas a Elon Musk. Embora essa história tenha projeções dignas de “teorias da conspiração”, não dá para negar que o desenho dos acontecimentos até agora pode resultar em um embate ainda maior no futuro próximo. Vamos ficar de olho para ver o que acontece.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …