Manifestantes russos se reúnem em apoio ao líder da oposição detido, Alexey Navalny

Yuri Kochetkov / EPA

Protestos para a libertação de Navalny, na Rússia

Neste sábado milhares de cidadãos russos enfrentaram o frio do inverno para protestarem contra a prisão do líder da oposição Alexey Navalny.

Navalny, que voou da Alemanha de volta para a Rússia em 17 de janeiro, depois de se recuperar de uma suposta tentativa de envenenamento, foi rapidamente preso ao desembarcar e, neste momento, está em prisão preventiva na penitenciária Matrosskaya Tishina, em Moscou.

As autoridades russas o acusam de violar os termos de sua liberdade condicional em um caso anterior de peculato e ele deve permanecer sob custódia até 15 de fevereiro.

Apesar da detenção de Navalny, sua equipe conseguiu, em 19 de janeiro, realizar o lançamento de uma nova investigação anticorrupção: um longa-metragem no Youtube, que descreve um luxuoso palácio próximo a Gelendzhik no sul da Rússia, supostamente construído para o presidente russo.

O vídeo, que atualmente possui cerca de 80 milhões de visualizações, adicionou combustível ao incêndio provocado pela prisão de Navalny e seu apelo ao público para se juntar aos protestos de domingo.

As redes sociais reagem primeiro

Embora o retorno de Navalny à Rússia e sua subsequente detenção tenham causado protestos nas plataformas das redes sociais mais populares – Facebook, Twitter e VKontakte – também repercutiu entre os usuários mais jovens em plataformas mais novas como o TikTok. Os usuários publicaram vários vídeos do TikTok encorajando outros a se unirem aos manifestantes e divulgando dicas de segurança.

“Tenho medo por mim, mas tenho ainda mais medo pelo meu país”. Usuários do TikTok convocaram para “uma marcha”, deram conselhos sobre como se comportar neste dia, removeram retratos de Putin das escolas e criaram fancams com os discursos de Navalny.

Enquanto alguns vídeos são de natureza humorística, uma boa parte é sincera ao expressar suas opiniões, e os mais populares acumularam centenas de milhares de visualizações.

A censura continua

Em resposta à enxurrada de conteúdo relacionado ao protesto, e a pedido do procurador-geral, a agência federal de monitoramento e censura da internet da Rússia, Roskomnadzor, exigiu, em 20 de janeiro, que o TikTok removesse “todo o conteúdo do site da rede social que convoque menores para participarem de eventos ilegais de protesto em massa”.

A solicitação não especifica a quais eventos eles estavam se referindo. Exigências similares foram feitas para outras plataformas de rede social. O Ministério da Educação russo advertiu os pais em uma postagem no VKontakte para evitar que seus filhos compareçam aos protestos, ecoando as preocupações sobre a segurança dos eventos.

Na corrida pelos protestos de sábado, a Roskomnadzor informou que as plataformas de redes sociais, ameaçadas com multas de até 4 milhões de rublos (US$ 54.000), começaram a remover postagens contendo “apelos para que crianças participem de eventos ilegais em massa” em resposta às suas demandas.

Protestos são transmitidos em todo o país

As manifestações começaram cedo no extremo oriente da Rússia e em vários fusos horários do país. Em Yakutsk, no leste da Sibéria, os manifestantes enfrentaram temperaturas de até -50°C.

Vários meios de comunicação e outros usuários têm monitorado a participação nas manifestações em diferentes cidades russas. As estimativas para Moscou, que geralmente atrai as maiores multidões, variaram de 15 mil (de acordo com a mídia local Znak) a 40 mil (estimativas da Reuters).

Os primeiros números do comparecimento total está acima de 110 mil, mas provavelmente serão atualizados depois.

Comentaristas notaram a escala das manifestações de sábado, tanto em termos de participação quanto em termos de números de cidades em toda a Rússia – mais de 120 – que viram os protestos nas ruas. As primeiras pesquisas também mostraram que cerca de 40% dos que se juntaram aos manifestantes participaram pela primeira vez.

O nível de atividade nas regiões, que geralmente são mais “calmas”, e o número de novos integrantes, podem potencialmente sinalizar um maior engajamento civil, mas neste estágio é muito cedo para prever o quanto essa onda de protestos será sustentável.

Os ativistas da oposição russa convocaram para mais ações de protestos nos próximos dias.

// GV

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Covid-19: EUA autorizam 3ª dose da vacina da Pfizer para idosos e grupos de risco

Os Estados Unidos autorizaram nesta quarta-feira a aplicação de uma terceira dose da vacina contra a covid-19 da Pfizer para maiores de 65 anos, pessoas com alto risco de contrair uma forma grave da …

Ministério da Saúde recua e volta a recomendar vacinação de adolescentes

O Ministério da Saúde recuou nesta quarta-feira (22/09) e voltou a recomendar a vacinação de adolescentes sem comorbidades contra a covid-19, uma semana após ter recomendado a suspensão. "Concluímos que os benefícios da vacinação de adolescentes …

Queiroga testa positivo para covid-19 e fica em Nova York

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, testou positivo para covid-19 durante a viagem a Nova York, na comitiva do presidente Jair Bolsonaro, e ficará em isolamento na cidade, comunicou nesta quarta-feira (21/09) a Presidência da …

Vulcão em erupção nas Canárias: o cenário 'desolador' enfrentado por moradores afetados pelo Cumbre Vieja

Juan Vicente Rodríguez ainda não chegou às lágrimas, mas ele garante que no final "todos vão acabar chorando". Morador da ilha canária La Palma, Rodríguez observa nas redondezas os rios de lava do vulcão Cumbre Vieja …

Anistia Internacional acusa empresas farmacêuticas de deixar países pobres sem vacinas anticovid

A ONG Anistia Internacional divulgou um relatório nesta quarta-feira acusando os grandes grupos farmacêuticos que produzem vacinas contra a Covid-19 de alimentar uma crise de direitos humanos sem precedentes. Por essa razão, a entidade …

Descobrem na Espanha dezenas de pegadas de espécie extinta de elefantes

Paleontólogos descobriram em Huevla, na Espanha, em um sítio da época do Pleistoceno Superior, trilhas e rastros de elefantes recém-nascidos e juvenis atribuídos a elefantes de presas retas (Palaeoloxodon antiquus). Os elefantes de presas retas são …

Na ONU, Bolsonaro defende ineficaz "tratamento precoce"

O presidente Jair Bolsonaro usou nesta terça-feira (21/09) seu discurso de abertura da 76ª Assembleia-Geral das Nações Unidas para defender o desacreditado "tratamento precoce" promovido pelo seu governo, que consiste num coquetel de drogas ineficazes …

Turismo em reservas naturais federais no Brasil triplica em 13 anos

Cerca de 15 milhões de turistas visitaram reservas ambientais federais no Brasil em 2019, uma alta de 300% nos últimos 13 anos. Se por um lado esse aumento reflete um maior interesse dos brasileiros em …

Presidente do Conselho da UE acusa EUA de "falta de lealdade" após ruptura de contrato com a França

O presidente do Conselho da União Europeia, Charles Michel, acusou nesta segunda-feira (20) os Estados Unidos de falta de lealdade depois que a Austrália cancelou um amplo contrato com a França para comprar submarinos …

Morcegos das cavernas de Laos podem revelar origem da COVID-19

Descobriu-se que os morcegos que habitam as cavernas do norte de Laos transportam um coronavírus que compartilha uma característica importante com o SARS-CoV-2, dando pistas aos cientistas para desvendar a causa da COVID-19. Uma equipe de …