Sexo em Marte pode originar uma nova espécie humana

Paramount Pictures

Barbarella (1968), de Roger Vadim

Os cientistas defendem que a reprodução humana em Marte “será necessária para a subsistência desta comunidade a longo prazo”. No entanto, a tentativa de praticar sexo na superfície marciana pode implicar vários problemas sérios. E até mesmo originar uma nova espécia humana.

De todos os desafios que a colonização em Marte pode trazer aos humanos, a reprodução poder ser o maior de todos. No entanto, se a humanidade conseguir superá-lo, um grupo de cientistas afirma que isso pode levar à criação de “um novo tipo de espécie”.

Em um artigo científico, publicado recentemente na Futures, um grupo internacional de cientistas descreve alguns dos principais problemas associados à reprodução no Planeta Vermelho, como o risco de exposição crônica à radiação, que tem um efeito prejudicial nos adultos, especialmente nas células reprodutivas e no desenvolvimento de embriões e fetos.

Outro desafio apontado pelos cientistas é a gravidade reduzida, cujo impacto na produção de células reprodutivas, a taxa de sucesso de fertilização ou o desenvolvimento embrionário é ainda desconhecida.

A gravidade em Marte é até 62% menor do que a terrestre.

Em ambiente de baixa gravidade, soma-se a pressão atmosférica quase 93% menor do que a da Terra, assim como a temperatura média de cerca de 63 graus negativos.

Todas estas condições aumentam o risco de aborto espontâneo. A imunossupressão que frequentemente afeta os astronautas é outro grande desafio que faz com que qualquer gravidez em Marte acarrete alto risco para a vida da mãe.

Além disso, o conceito de reprodução numa colônia em Marte implica uma série de desafios morais e éticos, relacionados com o valor da vida humana, que não podem ter totalmente avaliados antes do início da missão.

Neste contexto, os cientistas sugerem recorrer à modificação genética nos humanos antes e durante a missão, para adaptar as pessoas ao ambiente marciano, de modo a facilitar a reprodução em Marte. Contudo, isso implica “superar desafios éticos”, frisam os cientistas.

Esse processo levaria a “um novo tipo de espécie humana, que possuirá uma nova natureza e, consequentemente, novos direitos e deveres morais em comparação com as pessoas que vivem na Terra”, afirmam os cientistas.

A vida em Marte será diferente da vida na Terra, assim como a reprodução”, concluem os autores do artigo.

Ciberia // Sputnik / LM, ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

O Yellow Submarine da vida real está disponível para aluguel no Airbnb

O Submarino Amarelo nasceu em uma simpática canção de Paul McCartney de 1966, virou um longa de animação estrelado pelos Beatles em 1968, e agora, passadas mais de cinco décadas, se transformou em uma apartamento …

"O Iraque estará sempre comigo", diz papa ao fim de visita histórica ao Oriente Médio

O Papa Francisco concluiu sua histórica visita ao Iraque neste domingo (7) com uma missa diante de milhares de fiéis no norte do país devastado pelos jihadistas, conclamando os cristãos que ainda estão no …

Por que iceberg do tamanho do Rio de Janeiro que se desprendeu da Antártida anima cientistas?

Um iceberg gigante de cerca de 1.270 km² (a cidade do Rio de Janeiro tem 1.255 km²) quebrou e se desprendeu da Antártida, gerando euforia na comunidade científica. Na sexta-feira (26/2), instrumentos na superfície da plataforma …

Coronavírus: Por que vacinação sem lockdown pode tornar Brasil 'fábrica' de variantes superpotentes

O cenário atual no Brasil, que combina início da vacinação com transmissão descontrolada da covid-19, pode tornar o país uma "fábrica" de variantes potencialmente capazes de escapar por completo da eficácia das vacinas. Esta é …

Esquema de venda de vacinas falsas da COVID-19 é descoberto pela Interpol

Na última quarta-feira (3), autoridades da África do Sul apreenderam centenas de vacinas falsas da COVID-19, esquema que já havia sido alertado pela Interpol devido às disputas pelo imunizante no mundo inteiro. No país africano, foram …

Egito descobre cemitério de 2 mil anos com 600 cães e gatos

Pesquisadores poloneses encontraram cerca de 600 restos mortais de animais em um cemitério de dois mil anos, no Egito. De acordo com os cientistas, os corpos encontrados na necrópole são de gatos (cerca de 90% deles), …

Nova superterra encontrada pode dar pistas sobre vida fora do Sistema Solar

Um novo exoplaneta detectado orbitando uma estrela relativamente perto do nosso Sistema Solar, pode potencialmente ajudar a resolver enigmas sobre vida alienígena. Um exoplaneta com uma massa 2,8 maior do que a da Terra designado Gliese …

China anuncia meta de crescimento econômico mais modesta na abertura do Congresso Nacional do Povo

A reunião anual do Congresso Nacional do Povo da China foi aberta nesta sexta-feira (5), em Pequim, com o tradicional discurso do primeiro-ministro do país, Li Keqiang. O líder anunciou um objetivo de crescimento …

Análogo de Buraco negro de laboratório se comporta como Stephen Hawking previu

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia Technion-Israel tentaram confirmar duas das previsões mais importantes de Hawking, que a radiação hawking surge do nada e que não muda de intensidade ao longo do tempo, o que significa …

SP concentra 40% dos feminicídios com 200 mortes, diz estudo do Observatório de Segurança

A Rede de Observatórios da Segurança publicou seu relatório de dados sobre a violência contra a mulher do ano de 2020. O boletim, que traz números de cinco estados (SP, RJ, PE, CE e BA), mostrou …