“Não podemos simplesmente invadir a Venezuela?”, insistiu Trump

Kevin Lamarque / Reuters

Donald Trump

Donald Trump questionou, em agosto do ano passado, seus conselheiros sobre uma eventual invasão militar à Venezuela. Depois de ser aconselhado a não optar pela intervenção, o presidente abordou repetidamente a questão em outros encontros.

De acordo com um novo relatório, que a Associated Press teve acesso, Donald Trump fez a pergunta no fim de uma reunião na Sala Oval, na Casa Branca, que tinha sido marcada para discutir as sanções contra a Venezuela.

“Com a rápida degradação da Venezuela ameaçando a segurança regional, por que os Estados Unidos não podem simplesmente invadir esse país conturbado?”, disse o presidente dos EUA, segundo a agência de notícias, que cita um alto funcionário da administração norte-americana, que teve acesso à conversa.

Atualmente, a Venezuela, liderada desde 2013 por Nicolás Maduro, atravessa uma grave crise econômica, social e humanitária, que já obrigou milhares de pessoas a fugir do país, atravessando as fronteiras em direção ao Brasil e à Colômbia.

A sugestão de Trump implícita na pergunta surpreendeu os funcionários que estavam na reunião, incluindo o então secretário de Estado, Rex Tillerson, e o então conselheiro de segurança nacional, o general H.R. McMaster – membros que já desligados, entretanto, da administração norte-americana.

Durante uma breve troca de palavras – de cerca de cinco minutos –, os conselheiros da Casa Branca explicaram a Trump as consequências graves que uma eventual ação militar na Venezuela poderia causar. E, de que forma a intervenção poderia ainda implicar a perda do apoio dos governos latino-americanos, importantes para travar a influência de Maduro na região, disse à agência a mesma fonte que pediu anonimato.

Trump acabou por acatar as explicações dos conselheiros, mas sem deixar de apontar casos de invasões norte-americanas na região que, na opinião do próprio, foram bem-sucedidas, como por exemplo no Panamá, em 1989.

Ideia persistiu na cabeça de Trump

No entanto, os argumentos apresentados pelos conselheiros não dissuadiram completamente os planos do presidente norte-americano. No dia seguinte, em 11 de agosto, Trump fazia declarações em Nova Jersey, na quais afirmava não descartar nenhuma opção.

“Temos muitas opções para a Venezuela. Não vou descartar uma opção militar”, disse.

É um país vizinho. Temos tropas em todo o mundo em locais muito, muito distantes. A Venezuela não está longe, as pessoas estão sofrendo e morrendo. Temos muitas possibilidades para a Venezuela, incluindo a de uma opção militar se necessária”, reforçou então.

A Casa Branca anunciou mais tarde que Trump se recusou a receber, depois, uma chamada de Maduro, segundo o The Guardian. O ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino, considerou a ameaça de Trump como um “ato de loucura” e “extremismo supremo“.

Trump teria voltado pouco tempo depois a levantar a questão durante uma conversa com o então presidente da Colômbia e Nobel da Paz Juan Manuel Santos. Dois altos funcionários colombianos, que falaram sob anonimato, confirmaram a informação.

Um mês depois da reunião na Casa Branca, e à margem da Assembleia-Geral da ONU, Trump voltou a abordar a questão durante um jantar privado com os líderes de quatro países latino-americanos aliados dos EUA, entre os quais constava Juan Manuel Santos.

Segundo a AP, os assessores aconselharam especificamente a Trump para não falar de uma eventual invasão militar à Venezuela. No entanto, o presidente norte-americano ignorou, puxando o tema logo para o início da conversa.

A minha equipa me disse para não dizer isso”, declarou então Trump, questionando os líderes latino-americanos se continuavam a não querer uma solução militar.

Os líderes presentes responderam de forma clara a Trump, confirmando que não queriam uma solução militar para a Venezuela.

A Venezuela não é, no entanto, o único país que Trump já direcionou ameaças. No ano passado, o presidente norte-americano alertou a Coreia do Norte para a iminência do “fogo e fúria” e destruição total do país caso tentasse ameaçar os EUA com armas nucleares e mísseis.

Depois da reunião histórica com Kim Jong-un no mês passado, Trump considerou o conflito como “impensável”, apontando que causaria a perda de milhões de vidas.

Ciberia, Lusa // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Aquecimento global afetará saúde das novas gerações, diz relatório

Um relatório publicado nesta quinta-feira na revista científica The Lancet, a poucas semanas da conferência internacional para o clima (COP25), alerta para os riscos sanitários relacionados ao aquecimento global e às emissões de gás carbônico. O …

Estudante abre fogo em escola na Califórnia

Ao menos duas pessoas morreram e outras três ficaram feridas depois que um aluno abriu fogo nesta quinta-feira (14/11) numa escola secundária no sul da Califórnia, nos Estados Unidos, causando pânico entre estudantes e funcionários. …

Governo italiano deve decretar estado de catástrofe natural em Veneza

Metade da cidade está debaixo d’água, atingida pela pior cheia em 53 anos. O nível subiu 187 cm na terça-feira (12), o segundo mais alto desde 1966. A situação levou o governo a decidir decretar …

Oxigênio descoberto em Marte intriga cientistas da NASA

Padrão de comportamento do oxigênio recém-descoberto pelo rover Curiosity, da NASA, é tão diferente que os cientistas não conseguem desvendá-lo através dos processos químicos conhecidos pela ciência. A agência espacial norte-americana divulgou os resultados da análise …

O misterioso "Monstro Tully" acaba de ficar ainda mais esquisito

Um fóssil de 300 mil anos descoberto na década de 1950 no estado de Illinois (EUA) tem gerado muitas discussões entre cientistas. Batizado de Tullimonstrum, ou Monstro Tully, ele se parece com uma lesma. Mas …

Com asilo a Evo Morales, diplomacia mexicana dá passo à esquerda

México assume liderança esquerdista na América Latina ao receber o ex-presidente boliviano. Para analistas, medida desvia atenção de problemas internos, mas é jogo perigoso diante da dependência econômica dos EUA. A viagem de Evo Morales ao …

Incêndios florestais matam quatro pessoas e centenas de cangurus na Austrália

O número de vítimas pelos incêndios no leste da Austrália, onde 140 focos ainda continuam ativos, subiu para quatro nesta quinta-feira (14), com a descoberta de um cadáver perto da cidade de Kempsey, em Nova …

Holanda reduzirá limite de velocidade para combater poluição

O governo da Holanda reduzirá o limite máximo de velocidade nas rodovias do país como parte de uma série de medidas para combater as emissões de óxido de nitrogênio, geradas em grande parte por veículos …

A polêmica sobre campos de extermínio nazistas que opôs a Polônia ao Netflix

O primeiro-ministro da Polônia, Mateusz Morawiecki, enviou uma carta ao Netflix insistindo em mudanças no documentário The Devil Next Door (o diabo ao lado), sobre campos de extermínio nazistas. Na carta enviada no domingo, 10, e …

O único problema de ser filho único é o estigma

Filhos únicos possuem uma péssima reputação. Quantas vezes você não observou algum pai ser criticado por escolher ter apenas um pimpolho? “Ele vai ficar mimado, muito sozinho, egoísta, etc. etc. etc”. É um senso comum. Parece, …