“Não podemos simplesmente invadir a Venezuela?”, insistiu Trump

Kevin Lamarque / Reuters

Donald Trump

Donald Trump questionou, em agosto do ano passado, seus conselheiros sobre uma eventual invasão militar à Venezuela. Depois de ser aconselhado a não optar pela intervenção, o presidente abordou repetidamente a questão em outros encontros.

De acordo com um novo relatório, que a Associated Press teve acesso, Donald Trump fez a pergunta no fim de uma reunião na Sala Oval, na Casa Branca, que tinha sido marcada para discutir as sanções contra a Venezuela.

“Com a rápida degradação da Venezuela ameaçando a segurança regional, por que os Estados Unidos não podem simplesmente invadir esse país conturbado?”, disse o presidente dos EUA, segundo a agência de notícias, que cita um alto funcionário da administração norte-americana, que teve acesso à conversa.

Atualmente, a Venezuela, liderada desde 2013 por Nicolás Maduro, atravessa uma grave crise econômica, social e humanitária, que já obrigou milhares de pessoas a fugir do país, atravessando as fronteiras em direção ao Brasil e à Colômbia.

A sugestão de Trump implícita na pergunta surpreendeu os funcionários que estavam na reunião, incluindo o então secretário de Estado, Rex Tillerson, e o então conselheiro de segurança nacional, o general H.R. McMaster – membros que já desligados, entretanto, da administração norte-americana.

Durante uma breve troca de palavras – de cerca de cinco minutos –, os conselheiros da Casa Branca explicaram a Trump as consequências graves que uma eventual ação militar na Venezuela poderia causar. E, de que forma a intervenção poderia ainda implicar a perda do apoio dos governos latino-americanos, importantes para travar a influência de Maduro na região, disse à agência a mesma fonte que pediu anonimato.

Trump acabou por acatar as explicações dos conselheiros, mas sem deixar de apontar casos de invasões norte-americanas na região que, na opinião do próprio, foram bem-sucedidas, como por exemplo no Panamá, em 1989.

Ideia persistiu na cabeça de Trump

No entanto, os argumentos apresentados pelos conselheiros não dissuadiram completamente os planos do presidente norte-americano. No dia seguinte, em 11 de agosto, Trump fazia declarações em Nova Jersey, na quais afirmava não descartar nenhuma opção.

“Temos muitas opções para a Venezuela. Não vou descartar uma opção militar”, disse.

É um país vizinho. Temos tropas em todo o mundo em locais muito, muito distantes. A Venezuela não está longe, as pessoas estão sofrendo e morrendo. Temos muitas possibilidades para a Venezuela, incluindo a de uma opção militar se necessária”, reforçou então.

A Casa Branca anunciou mais tarde que Trump se recusou a receber, depois, uma chamada de Maduro, segundo o The Guardian. O ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino, considerou a ameaça de Trump como um “ato de loucura” e “extremismo supremo“.

Trump teria voltado pouco tempo depois a levantar a questão durante uma conversa com o então presidente da Colômbia e Nobel da Paz Juan Manuel Santos. Dois altos funcionários colombianos, que falaram sob anonimato, confirmaram a informação.

Um mês depois da reunião na Casa Branca, e à margem da Assembleia-Geral da ONU, Trump voltou a abordar a questão durante um jantar privado com os líderes de quatro países latino-americanos aliados dos EUA, entre os quais constava Juan Manuel Santos.

Segundo a AP, os assessores aconselharam especificamente a Trump para não falar de uma eventual invasão militar à Venezuela. No entanto, o presidente norte-americano ignorou, puxando o tema logo para o início da conversa.

A minha equipa me disse para não dizer isso”, declarou então Trump, questionando os líderes latino-americanos se continuavam a não querer uma solução militar.

Os líderes presentes responderam de forma clara a Trump, confirmando que não queriam uma solução militar para a Venezuela.

A Venezuela não é, no entanto, o único país que Trump já direcionou ameaças. No ano passado, o presidente norte-americano alertou a Coreia do Norte para a iminência do “fogo e fúria” e destruição total do país caso tentasse ameaçar os EUA com armas nucleares e mísseis.

Depois da reunião histórica com Kim Jong-un no mês passado, Trump considerou o conflito como “impensável”, apontando que causaria a perda de milhões de vidas.

Ciberia, Lusa // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Cientistas revelam nova razão que explica dependência do álcool

De acordo com um novo estudo, a dependência do álcool tem uma relação direta com as mudanças climáticas: quanto mais frio é o clima e menos incidência de sol, mais as pessoas tendem a consumir …

Cientistas encontraram pássaro que é três espécies em uma só

Cientistas encontraram um pássaro incomum na Pensilvânia, que guarda um incrível segredo genético: a toutinegra é o híbrido de três espécies diferentes de pássaros. Uma equipe de cientistas encontrou um pássaro incomum na Pensilvânia, cuja mãe …

Hitler abraçou uma menina judia; 85 anos depois, a foto foi a leilão

Uma foto de 1933 mostra o ditador nazista ao lado de uma menina de seis anos de idade cuja avó era judia. A imagem, com uma dedicatória assinada por Hitler, foi arrematada em leilão por …

No deserto mais seco do mundo, a chuva mata

No deserto mais seco e mais antigo da Terra, as coisas não funcionam da mesma maneira que em outros lugares. A água, por exemplo, não é uma bênção. No deserto do Atacama, no Chile, as …

CIA pensou em usar “soro da verdade” nos interrogatórios do 11 de setembro

O “Projeto Medicação” foi posto de lado em 2003, mas, até lá, os médicos da CIA estudaram a hipótese de substituir as violentas técnicas de interrogatório pelo uso de um “soro da verdade” que fizesse …

Distração de professora provoca ferimentos em 40 crianças na China

A distração de uma professora que se esqueceu de apagar uma luz ultravioleta em uma escola de Tianjin, perto de Pequim, causou ferimentos e queimaduras em mais de 40 crianças, informou nesta sexta-feira a imprensa …

Hábito diário pode ajudar a prever morte prematura

A velocidade com que caminhamos fornece muitas pistas sobre o nosso estado de saúde e pode mesmo ajudar a prever uma morte prematura.  Segundo um novo estudo, realizado o por cientistas da Universidade do Sul …

Assassino de John Lennon sente “mais vergonha” a cada dia que passa

Mark David Chapman, que assassinou John Lennon em 1980, disse a um conselho de condicional que se sente “mais e mais envergonhado” a cada ano que passa por ter assassinado o ex-Beatle. “Há 30 anos, eu …

Submarino argentino ARA San Juan é achado um ano após ter desaparecido com 44 tripulantes

A carcaça do submarino argentino Ara San Juan, desaparecido desde 15 de novembro de 2017 com 44 tripulantes a bordo, foi localizada no fundo do oceano Atlântico, a 800 metros de profundidade, a leste da …

Cientistas determinam qual foi o pior período na história da humanidade

Cientistas americanos chegaram à conclusão de que em 536 d.C., "um dos períodos mais terríveis" começou na história da humanidade. Segundo o historiador medieval Michael McCormick, arqueólogo da Universidade de Harvard, um "nevoeiro misterioso" caiu sobre a …