A cúpula entre o presidente dos EUA e o líder da Coreia do Norte teve início nesta terça-feira (12), em Cingapura, assinalada por um histórico aperto de mão e pela assinatura de um acordo que promete ao mundo “uma grande mudança”.

Donald Trump foi o primeiro a chegar ao Capella Hotel, na cidade-Estado de Cingapura, para o encontro histórico que tinha como objetivo encontrar uma forma de proceder à desnuclearização da Coreia do Norte, com Kim Jong-un chegando logo depois.

Esse foi o primeiro encontro entre os líderes dos dois países depois de quase 70 anos de confrontos políticos no seguimento da Guerra da Coreia e de 25 anos de tensão sobre o programa nuclear de Pyongyang. O encontro entre os dois líderes começou com um simbólico aperto de mão.

No início da histórica cúpula em Cingapura, o presidente dos EUA disse “não ter dúvidas” de que terá um “ótimo relacionamento” com o líder norte-coreano. “Antigos preconceitos e velhos hábitos têm sido obstáculos, mas superamos todos eles para nos encontrarmos aqui hoje”, disse, por sua vez vez, Kim Jong-un.

Depois de uma reunião, Trump e Kim Jong-un anunciaram ter assinado um documento conjunto e tiveram um discurso marcado pela sintonia: “ambas as partes ficarão muito impressionadas com os resultados”.

White House

O presidente Donald Trump aperta mão do líder norte-coreano, Kim Jong-un

Kim Jong-un classificou a cúpula como “um encontro e um documento histórico”, garantindo que “o mundo verá uma grande mudança”. Já Donald Trump assegurou que “a relação com a Coreia do Norte e a península coreana irá melhorar”.

De acordo com a France-Presse (AFP), que fotografou o documento, o texto não menciona a exigência norte-americana de “desnuclearização completa e irreversível”, mas reafirma um compromisso, mais vago, de “desnuclearização completa da península da Coreia”.

Por outro lado, no mesmo texto, os EUA “garantem a segurança da Coreia do Norte”. “O presidente Trump se compromete em fornecer as garantias de segurança” à Coreia do Norte, indica a primeira informação sobre o documento conjunto.

“É um grande dia para a história mundial”

Depois da cúpula, o presidente dos EUA deu uma coletiva de imprensa aos jornalistas, na qual deixou uma “mensagem de esperança e visão”, cita o Jornal de Notícias.

“Quero agradecer ao general Kim pelo primeiro passo para o melhor futuro das pessoas do país. O encontro foi honesto, direto e produtivo“, disse Trump.

“É um grande dia para a história mundial”, acrescentou o chefe de Estado, agradecendo aos aliados asiáticos. “Quero agradecer a Cingapura, que tornou a visita tão importante e agradável. Quero agradecer ao presidente Moon, da Coreia do Sul. Ao presidente do Japão e também ao presidente da China, um grande líder e um amigo”.

“Estamos preparados para construir uma nova história”, disse Trump. Ao recordar que “muitas pessoas morreram nos conflitos na península coreana”, o presidente dos EUA destacou que “o passado não pode definir o futuro” e, por isso, mostrou confiança no líder norte-coreano para “continuar a trabalhar pela paz”.

“A paz vale sempre a pena. Isso deveria ter sido resolvido há muito tempo. Qualquer pessoa poder criar guerra, mas só os corajosos podem construir a paz“, acrescentou.

No entanto, informa o ECO, as sanções econômicas contra a Coreia do Norte continuarão até que a ameaça nuclear tenha desaparecido por completo. Porém, Trump não admite sequer a possibilidade de que o acordo não seja cumprido porque ambas as partes têm a ganhar.

“Não há limite para o que a Coreia do Norte pode alcançar” com este acordo. “O presidente Kim tem perante dele uma oportunidade única para ser recordado como alguém que abriu uma nova era de prosperidade e segurança”, afirmou Trump, citado pelo jornal.

Além disso, o presidente revelou que irá pôr fim aos exercícios militares conjuntos com a Coreia do Sul e que pretende reduzir o número de militares mobilizados na região. “Temos 32 mil soldados na Coreia do Sul e eu quero trazê-los para casa“, explicou. “Não acredito que seja possível fazer isso agora, mas quero terminar com os jogos de guerra”.

O chefe de Estado deixou ainda críticas às administrações que o antecederam, considerando que “teria sido mais fácil se isto tivesse acontecido há dez anos”.

“Não é uma crítica apenas a Barack Obama, mas a todos os que me antecederam. Fiz isso porque é um tema prioritário para mim e isto nunca seria possível se não fosse uma prioridade”, frisou.

Trump admitiu ainda visitar Pyongyang no futuro e acrescentou também que já convidou o líder norte-coreano para ir aos EUA, tendo o convite sido aceito por Kim, que garantiu que a viagem vai acontecer numa altura apropriada.

China fala de uma “nova história”

A China considerou que os EUA e a Coreia do Norte estão “criando uma nova história”, depois da cúpula, e lembrou sua contribuição para a pacificação da península. “A China apoia porque é aquilo que temos esperado”, afirmou o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros, Geng Shuang.

Geng lembrou o contributo da China para a resolução da questão norte-coreana: a proposta de “dupla suspensão”, sendo o fim das manobras militares dos EUA e da Coreia do Sul na península coreana e, ao mesmo tempo, o cessar dos testes com armamento nuclear por parte da Coreia do Norte.

“A proposta de suspensão por suspensão é correta e foi concretizada”, afirmou Geng, lembrando que Pequim “tem apelado aos dois lados para que mantenham o diálogo diplomático”.

O porta-voz lembrou ainda a importância de os EUA “levarem seriamente e atenderem as preocupações com a segurança da Coreia do Norte”. “A outra parte deve também tomar medidas construtivas”, afirmou.

As expectativas e as incertezas em torno do encontro eram elevadas, após três meses de acidentadas negociações, em que a cúpula chegou mesmo a ser cancelada por Trump.

O regime norte-coreano se mostrou disposto a abandonar seu programa nuclear durante a reunião que as duas Coreias realizaram no dia 27 de abril, na zona desmilitarizada da fronteira, pretendendo um processo de desarmamento progressivo.

Ciberia, Lusa // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Maioria das vacinas da Moderna será reservada no início para os Estados Unidos

A Moderna espera disponibilizar entre 100 e 125 milhões de doses de sua vacina contra a Covid-19 no primeiro trimestre de 2021. A empresa anunciou, nesta quinta-feira que, no início, entre 85 e 100 …

Amazonas é 3º estado com mais queimadas, emissões e desmatamento

Pela primeira vez, o Amazonas assume a terceira posição nos três principais rankings que indicam o avanço da degradação florestal na Amazônia brasileira, incluindo indicadores de queimadas, emissões de gases de efeito estufa e desmatamento …

Sudão bane casamento infantil e mutilação genital feminina, mas prática apresenta desafios

Depois de derrubar o ditador Omar al-Bashir no ano passado, o Sudão deu importante passo para reverter alguns dos tantos horrores cometidos contra a população feminina no país – e tornou ilegal tanto o casamento …

Namíbia elege deputado chamado Adolf Hitler

O nome de um recém-eleito político da Namíbia, vem chamando atenção na mídia nacionais e internacionais. "Adolf Hitler teve uma vitória esmagadora nas eleições regionais na Namíbia", relatou o portal de notícias alemão Spiegel Online nesta …

Astrônomos mapeiam 1 milhão de galáxias previamente desconhecidas

Cerca de um milhão de galáxias previamente desconhecidas para além da Via Láctea foram adicionadas a um mapa detalhado de seção de espaço. Pesquisas sobre o espaço normalmente demoram anos para serem completas, mas um novo …

Brasil recebe vacina de Oxford em janeiro, promete Pazuello

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que o primeiro lote das vacinas de Oxford chega ao Brasil em janeiro. Serão 15 milhões de doses entre janeiro e fevereiro, totalizando 260 milhões ao longo do …

Cingapura é primeiro país a aprovar venda de carne de laboratório

Empresa californiana obteve autorização da cidade-Estado para usar sua carne de frango produzida a partir de cultura celular em chicken nuggets e garante que preço será competitivo. Cingapura é o primeiro país do mundo a aprovar …

Relatório da ONU aponta que 2020 deve ser um dos 3 anos mais quentes já registrados

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) publicou um relatório que aponta que o ano de 2020 deve ser um dos três anos mais quentes desde o início dos registros de temperatura. O secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, …

Documentos oficiais mostram que a China escondeu informações sobre a Covid-19

Relatórios oficiais chineses teriam sido transmitidos à rede de TV americana CNN por meio de um informador anônimo. A investigação se chama “Wuhan files” e tem como foco o começo da pandemia de Covid-19, em …

Jovem que filmou morte de George Floyd por policiais brancos ganha prêmio por bravura

A mulher que filmou o assasinato de George Floyd pelo policial Derek Chauvin vai ser condecorada com um prêmio por sua coragem. Darnella Frazier, de 17 anos, fez o registro enquanto ia com o primo …