Fechado há quase 40 anos, relatos de abusos em orfanato católico ainda chocam a Escócia

(dr) Lanark Museum

O orfanato católico Smyllum Park, na Escócia, abriu em 1864 e fechou portas em 1981

Quase 40 anos depois de ter fechado as portas, o orfanato católico Smyllum Park, na Escócia, continua a chocar os escoceses pelos relatos de abusos e violência. Foram presas 12 pessoas, na quinta-feira (23), entre elas várias freiras.

A polícia escocesa anunciou, na última quinta-feira, a detenção de 12 pessoas, entre elas 11 mulheres, algumas freiras, e um homem com idades entre 62 e 85 anos, como parte da investigação sobre “abusos físicos e sexuais” a crianças cometidos na instituição.

Localizado em Lanark, uma pequena cidade na região central do país, Smyllum Park ficou conhecido como o “orfanato fantasma” quando fechou as portas, em 1981, depois de mais de um século comandado pela ordem das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo.

A britânica Marie Peachey foi uma das crianças que viveu no orfanato católico, juntamente com o irmão mais velho, Samuel, e a irmã mais nova, Brenda. À BBC, a mulher de 50 anos diz ter ficado “chocada, assustada, enjoada e feliz” com a notícia das prisões.

“São muitas emoções em uma só”, explica Peachey, que diz: nunca vai se esquecer do que viveu no orfanato. “Uma brincadeira pode ser o gatilho que me faz voltar a Smyllum, a ser uma menina assustada. Tenho 50 anos e ainda hoje sinto medo“.

No início do ano, os depoimentos efetuados como parte das investigações fizeram com que a irmã Ellen Flynn, que está atualmente à frente da ordem católica, fizesse um pedido de desculpas público. A responsável classificou como “horripilantes” os relatos das vítimas e declarou que os fatos vão “totalmente contra” aquilo que a ordem representa.

Segundo o jornal britânico The Scottish Daily Mail, a polícia também começou a investigar as Irmãs de Nazaré, outra ordem católica que administrava lares para crianças.

400 crianças enterradas em cova clandestina

Mais de 11,6 mil crianças passaram pelo Smyllum Park desde a sua inauguração, em 1864, até ser encerrado 117 anos depois. Algumas eram órfãs, outras faziam parte de famílias que não tinham condições para sustentá-las.

Há vários anos que a Scottish Child Abuse Inquiry (SCAI) analisa as denúncias sobre os supostos abusos cometidos no local. A maioria das pessoas que testemunharam garante que, enquanto viveram ali, foram agredidas, submetidas a castigos e algumas dizem ainda ter sido vítimas de abusos sexuais.

Gregor Rolfe, advogado das Filhas da Caridade, reconheceu no ano passado perante o SCAI que um ex-funcionário pode ter abusado sexualmente de menores e que, embora tenham sido feitas denúncias às freiras, elas nunca foram à polícia.

Alguns depoimentos dão conta de um grande número de crianças que teriam morrido no orfanato, mas a forma exata como essas mortes aconteceram e onde teriam sido enterrados os corpos é algo que não se soube durante anos.

Em 2003, um dos sobreviventes encontrou uma cova clandestina em um terreno próximo ao orfanato onde, segundo uma investigação da BBC, foram enterradas pelo menos 400 crianças.

“Comi grama porque tinha fome”

Ainda que a maioria dos jovens que viveram no orfanato já tenha morrido, as denúncias do processo continuam pelos que ainda estão vivos. No final de 2017, o SCAI revelou alguns dos depoimentos das pessoas que teriam sido vítimas de abusos.

Uma destas pessoas afirmou que as freiras o agrediam e o deixavam preso e que, em certa ocasião, chegaram mesmo a enfiar sua cabeça em um vaso sanitário. “Estava histérico, porque pensava que ia desaparecer por ali”, contou.

Outra vítima, ao ser interrogada sobre a comida no orfanato, disse que estava sempre com fome. “Não me lembro de comida. Lembro de ter comido grama porque tinha fome“, recorda.

Outra testemunha que diz ter vivido no local desde os quatro anos afirmou ter recebido choques elétricos e contou que ficou amarrada a uma cama e amordaçada durante várias horas, engasgada com uma almofada.

Theresa Tolmie-McGrane, que se apresenta como uma das vítimas, contou à BBC que tinha seis anos quando chegou ao orfanato e que viveu ali “mais de uma década de abusos físicos, sexuais e mentais”.

“Todas as crianças foram agredidas, castigadas, trancadas em quartos escuros. Nos faziam comer nosso próprio vômito. Diria que muitos de nós tivemos a boca lavada com sabão”, recorda.

Depois de quase três anos de investigações, o SCAI planeja divulgar um relatório preliminar sobre os abusos nas próximas semanas e uma decisão final em 2019.

Igreja vive momento negro

No fim de semana, o Papa Francisco visitou a Irlanda, onde se encontrou com vítimas de abusos cometidos por padres quando eram crianças. Na primeira passagem pelo país em 39 anos, o líder da Igreja Católica disse ter ficado envergonhado pelo fracasso da instituição em lidar de forma adequada com esses “crimes repugnantes”.

Esta foi a 24ª viagem ao exterior do Papa, que ocorre em um momento que tem abalado a Igreja Católica, com revelações, na semana passada, de antigos abusos sexuais perpetrados pelo clero nos Estados Unidos.

Uma investigação no estado norte-americano da Pensilvânia revelou que mais de mil menores foram abusados por 300 padres e que os casos foram ocultados pela igreja.

Agora, o antigo núncio apostólico nos EUA, o arcebispo Carlo Maria Viganò, acusa o Papa Francisco de saber, desde junho de 2013, as acusações de abusos sexuais sobre o cardeal Theodore McCarrick, pedindo a ele que renuncie.

O Papa não considerou necessário comentar as acusações. “Não vou dizer uma palavra sobre isso, acho que o comunicado fala por si“, declarou Francisco, questionado durante o retorno a Roma.

“Eu li o comunicado esta manhã”, disse o Papa aos jornalistas que o acompanharam no avião. “Leiam o comunicado atentamente e façam o vosso próprio julgamento”.

“Têm capacidade jornalística suficiente para tirar conclusões. É um ato de confiança. Quando passar algum tempo e vocês tiverem tirado as conclusões, talvez eu fale, mas gostaria que a vossa maturidade profissional fizesse isso”, afirmou o pontífice.

Ciberia // BBC / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Inacreditável: homem de 101 sobrevive à gripe de 1918, guerra mundial e coronavírus

É quase inacreditável, mas aconteceu: um italiano de 101 anos sobreviveu a não uma, mas duas pandemias globais: a gripe espanhola de 1918 e o surto de COVID-19. Conhecido apenas como “Senhor P”, o homem foi …

IA usa imagens de satélites para localizar bombas não detonadas da Guerra do Vietnã

Muitas bombas lançadas durante a Guerra do Vietnã nunca explodiram e representam um sério perigo para a população local. Cientistas desenvolveram uma nova ferramenta alimentada por IA que facilitaria a detecção e desmantelamento desses explosivos. Um …

Crianças exibem pinturas de arco-íris nas janelas para alegrar colegas no Reino Unido

O Reino Unido deixou o negacionismo de lado para encarar a quarentena devido ao Coronavírus com seriedade desde esta segunda-feira, 23. Com as escolas fechadas, crianças desenham arco-íris e os exibem nas janelas para alegrar …

Covid-19: Austrália testa vacina contra tuberculose para imunizar profissionais da saúde

Uma equipe de cientistas australianos anunciou nesta sexta-feira (27) que decidiu testar em larga escala uma vacina usada durante décadas contra a tuberculose, a BCG, para comprovar se é capaz de imunizar profissionais da área …

'Pula no esgoto e nada acontece': Brasil tem mais de 300 mil internações por ano por doenças causadas por falta de saneamento

Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) contrariam a declaração do presidente Jair Bolsonaro de que o brasileiro seria resistente a infecções, já que "pula no esgoto e nada acontece". Em 2016, houve 166,8 …

Camada de ozônio está se recuperando e mudança de fluxos de vento

A recuperação da camada de ozônio acima da Antártica continua lenta e constante. Um sintoma claro desta recuperação é a mudança na circulação atmosférica registrada por pesquisadores da Universidade de Colorado Boulder e publicada na …

Esta geleira da Antártica inquieta pesquisadores

Com seu recuo de 5 km em somente 22 anos, a geleira de Denman, na parte leste da Antártica, inquieta os pesquisadores, que consideram os graves riscos associados ao seu potencial desaparecimento completo. A ravina Denman, …

Jornalista da Globo chora ao pedir que idosos fiquem em casa por coronavírus

Em tempos de pandemia da Covid-19 pelo mundo – e afetando o Brasil, é claro – mesmo o jornalista mais profissional e experiente pode acabar se rendendo as emoções, como aconteceu com Jessica Senra, apresentadora …

Mãe conta como adolescente francesa de 16 anos morreu de quadro fulminante da Covid-19

A angústia dos franceses aumenta com a morte de uma adolescente de 16 anos, Julie, vítima do novo coronavírus. Ela morreu na terça-feira (24) no Hospital Necker de Paris, especializado em doenças infantis, 24 horas …

Ex-ministros da Saúde repudiam postura de Bolsonaro em pandemia

Ex-ministros da Saúde dos governos petistas criticaram nesta quinta-feira (26/03) o posicionamento do presidente Jair Bolsonaro diante da pandemia do novo coronavírus. Em carta, eles defenderam as restrições impostas por governos estaduais e ressaltaram a …