Substituir células no cérebro humano pode ser o fim do Parkinson

A ideia por trás da terapia de reposição celular (TRC) para o Parkinson é simples: a falta de mobilidade é o resultado da disfunção e morte de um tipo específico de célula no mesencéfalo, uma estrutura do sistema nervoso central.

Embora haja outros problemas associados ao Parkinson, a perda progressiva de mobilidade motora é o problema mais facilmente diagnosticado, uma vez que é o mais visível.

Os cientistas estão razoavelmente seguros de que essa falta de mobilidade resulta da deficiência e morte de células produtoras de dopamina em uma área do mesencéfalo chamada substância negra. Então, por que não tentar substituir essas células?

Substituir essas células é um dos três problemas principais que cada pessoa diagnosticada com Parkinson tem que enfrentar.

Os problemas começam com a dificuldade de manter as células remanescentes saudáveis.

Uma vez diagnosticado, a maioria das pessoas já perdeu a produção de 50 a 80% de dopamina no mesencéfalo. O problema é então interromper a progressão da doença, evitando tudo o que possa prejudicar os restantes 20-50% das células, ao mesmo tempo em que se dá ao corpo tudo o que precisa para manter essas células vivas e ativas.

Desses 50-80% de células não produtoras de dopamina, uma porção ainda está viva, apenas não fazem seu trabalho: produzir dopamina. Esta deficiência é o resultado de uma série de fatores inter-relacionados que prejudicam as células e, eventualmente, levam à sua morte.

A maioria dos cientistas acredita que o problema pode ser reduzido ao aglomerado de uma proteína dobrada chamada alfa-sinucleína.

Muitos métodos diferentes estão sendo testados em laboratórios por todo o mundo para limpar esses aglomerados e impedir que outros se acumulem. Mas isso só pode ser parte da história, uma vez que uma grande variedade de outros fatores também leva à morte celular.

Se um paciente consegue resolver os problemas um e dois, podem não ter necessidade de CRT, o tratamento de substituição celular.

A razão para isso é que o doente provavelmente pode resgatar uma parte considerável das células danificadas, mas ainda vivas e, assim, levar a produção de dopamina de volta a um nível que permite o movimento normal. O CRT geralmente será para as pessoas que tiveram Parkinson por um período mais longo e cujas células saudáveis ​​remanescentes juntas com as resgatadas não são capazes de fornecer dopamina suficiente.

No final dos anos 80 e 90, foi visto uma série de ensaios CRT para a doença de Parkinson com resultados mistos. Mas agora há uma compreensão muito melhor do tipo de células a serem usadas, como cultivar e armazenar essas células, como implantá-las e para quem essa terapia seria melhor.

Apesar de todos os progressos, a terapia de reposição celular ainda é muito controversa e repleta de vários problemas técnicos. Felizmente, CRT para Parkinson é um dos únicos campos da ciência médica onde os laboratórios superiores em todo o mundo estão em cooperação.

Um consórcio internacional de laboratórios se reuniu sob um nome que parece que foi arrancado de um filme de super-heróis da Marvel: o GForce-PD. Cada laboratório no GForce-PD visa trazer CRT para Parkinson em ensaios clínicos nos próximos anos.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Professora diz aos alunos que o Papai Noel não existe (e é demitida)

Uma professora substituta, em uma cidade norte-americana, já não vai voltar a ser chamada para dar aulas – além do Papai Noel, ela também “matou” o Coelhinho da Páscoa e a Fada do Dente. Por todo …

Maior quebra-cabeças do mundo é uma ilha congelada na Rússia

Localizado entre o Oceano Ártico e os mares gelados do norte da Sibéria, o aglomerado de rochas, conhecidas como as Ilhas da Nova Sibéria, é frio e remoto. As ilhas são uma tela quase desabitada coberta …

O melhor amigo do homem é a solução para a depressão

Há muito tempo se ouve pessoas dizerem, mas a Ciência acaba de comprovar: o cão é mesmo o melhor amigo do homem, sobretudo quando este sofre de depressão. De acordo com um novo estudo, realizado por …

O arroz “esconde” um perigo para o corpo humano

O arroz, grão amplamente utilizado por todo o mundo como parte essencial da dieta alimentar humana, pode acumular grandes quantidades de arsênico e outras toxinas, a maioria das quais entra no corpo durante a digestão. A …

Teste experimental detecta câncer em apenas 10 minutos

Cientistas australianos desenvolveram um novo teste capaz de detectar câncer em apenas 10 minutos, utilizando o DNA obtido através de uma amostra de sangue. A detecção precoce tem melhorado significativamente o prognóstico do câncer. Por esse …

Nova regra em Wall Street: evitar mulheres a todo o custo

Os homens de Wall Street estão adotando certos comportamentos para afastar as mulheres da esfera econômica após o surgimento do movimento #MeToo. Evitam jantares com colegas de trabalho, não se sentam ao lado de mulheres nos …

Cientistas encontram a água mais estranha de todo o Sistema Solar

Febe, um dos satélites de Saturno, tem a água mais incomum do Sistema Solar, apontou um novo estudo realizado por uma equipe de cientistas do Instituto de Ciência Planetária de Tucson, no estado norte-americano do …

Linguagem anti-animal: PETA quer acabar com o pau e atirar peixe ao gato

E se fosse proibido dizer “agarrar o touro pelos chifres”? A associação de defesa dos animais PETA quer eliminar da linguagem cotidiana expressões que ofendem várias espécies, dando como alternativas expressões pet-friendly. Há várias expressões que …

Pântanos nos EUA ganham cores do arco-íris (e já há explicação)

Um arco-íris pareceu baixar do céu e se instalar nas águas de um pântano do parque First Landing State, no estado da Virgínia, Estados Unidos. A fotografia, postada por Brent Rosse no Instagram, mostra o …

Duterte encoraja matar bispos católicos das Filipinas porque "são inúteis"

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, atacou de novo os bispos católicos ao afirmar que eles "são inúteis" e encorajou matá-los, em um país onde 85% da população é católica. "Os bispos de vocês, matem-nos. Esses …