Substituir células no cérebro humano pode ser o fim do Parkinson

A ideia por trás da terapia de reposição celular (TRC) para o Parkinson é simples: a falta de mobilidade é o resultado da disfunção e morte de um tipo específico de célula no mesencéfalo, uma estrutura do sistema nervoso central.

Embora haja outros problemas associados ao Parkinson, a perda progressiva de mobilidade motora é o problema mais facilmente diagnosticado, uma vez que é o mais visível.

Os cientistas estão razoavelmente seguros de que essa falta de mobilidade resulta da deficiência e morte de células produtoras de dopamina em uma área do mesencéfalo chamada substância negra. Então, por que não tentar substituir essas células?

Substituir essas células é um dos três problemas principais que cada pessoa diagnosticada com Parkinson tem que enfrentar.

Os problemas começam com a dificuldade de manter as células remanescentes saudáveis.

Uma vez diagnosticado, a maioria das pessoas já perdeu a produção de 50 a 80% de dopamina no mesencéfalo. O problema é então interromper a progressão da doença, evitando tudo o que possa prejudicar os restantes 20-50% das células, ao mesmo tempo em que se dá ao corpo tudo o que precisa para manter essas células vivas e ativas.

Desses 50-80% de células não produtoras de dopamina, uma porção ainda está viva, apenas não fazem seu trabalho: produzir dopamina. Esta deficiência é o resultado de uma série de fatores inter-relacionados que prejudicam as células e, eventualmente, levam à sua morte.

A maioria dos cientistas acredita que o problema pode ser reduzido ao aglomerado de uma proteína dobrada chamada alfa-sinucleína.

Muitos métodos diferentes estão sendo testados em laboratórios por todo o mundo para limpar esses aglomerados e impedir que outros se acumulem. Mas isso só pode ser parte da história, uma vez que uma grande variedade de outros fatores também leva à morte celular.

Se um paciente consegue resolver os problemas um e dois, podem não ter necessidade de CRT, o tratamento de substituição celular.

A razão para isso é que o doente provavelmente pode resgatar uma parte considerável das células danificadas, mas ainda vivas e, assim, levar a produção de dopamina de volta a um nível que permite o movimento normal. O CRT geralmente será para as pessoas que tiveram Parkinson por um período mais longo e cujas células saudáveis ​​remanescentes juntas com as resgatadas não são capazes de fornecer dopamina suficiente.

No final dos anos 80 e 90, foi visto uma série de ensaios CRT para a doença de Parkinson com resultados mistos. Mas agora há uma compreensão muito melhor do tipo de células a serem usadas, como cultivar e armazenar essas células, como implantá-las e para quem essa terapia seria melhor.

Apesar de todos os progressos, a terapia de reposição celular ainda é muito controversa e repleta de vários problemas técnicos. Felizmente, CRT para Parkinson é um dos únicos campos da ciência médica onde os laboratórios superiores em todo o mundo estão em cooperação.

Um consórcio internacional de laboratórios se reuniu sob um nome que parece que foi arrancado de um filme de super-heróis da Marvel: o GForce-PD. Cada laboratório no GForce-PD visa trazer CRT para Parkinson em ensaios clínicos nos próximos anos.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA:

Nova descoberta pode nos ajudar a colonizar Marte (e a encontrar extraterrestres)

Cientistas conseguiram descobrir uma bactéria que seria capaz de sobreviver em Marte, e potencialmente também em outros planetas. A descoberta abre a porta à colonização de Marte e até pode facilitar a busca por sinais …

Há uma estranha relação entre o racismo e a negação das mudanças climáticas

Os motivos que estão por trás da negação das mudanças climáticas parecem ser ainda mais complexos do que pensávamos. Um estudo concluiu que há uma ligação entre atitudes racistas e o ceticismo no que toca …

Fóssil com 500 milhões de anos intriga os cientistas

Foi descoberto na China um fóssil de uma estranha criatura marinha com 500 milhões de anos, e os cientistas não sabem onde encaixá-la na “árvore da vida”. Uma equipe de cientistas descobriu um fóssil de uma …

Inteligência Artificial do Google já consegue prever quando os pacientes vão morrer

O Google tem expandido seus serviços médicos e treinado algoritmos para prever quanto tempo de vida resta a um paciente, informação que pode ajudar a salvar vidas. A rede neural do Google pode ser considerada única …

Desempenho positivo na Copa do Mundo diminui polarização política e até violência

Basta acompanhar uma Copa do Mundo para rapidamente perceber que a coisa vai muito além de uma simples competição de futebol: para além das tramoias e das negociatas que infelizmente contaminam esse evento, trata-se de …

Maduro anuncia aumento de 103% no salário mínimo da Venezuela, que agora chega R$ 250

Nicolás Maduro vai aumentar o salário mínimo em 103,7% na Venezuela, naquele que é o quarto aumento salarial este ano. No entanto, os preços dos produtos aumentam diariamente cerca de 2,4%. O presidente da Venezuela, Nicolás …

Trump impede (temporariamente) a separação de famílias imigrantes

O presidente dos EUA assinou, nesta quarta-feira (20), uma Ordem Executiva que permite resolver temporariamente o problema das famílias imigrantes no país, que foram separadas dos filhos na fronteira com o México. No entanto, ressalvou …

Portaria determina emissão de carteira de trabalho para imigrantes no Brasil

Em meio à crise migratória que atinge diversos países e a crescente entrada de venezuelanos no Brasil com o estado de Roraima, o Ministério do Trabalho publicou portaria que trata dos procedimentos para a emissão …

Temer vai cortar R$ 1 bilhão do Fies para financiar segurança pública

O governo do presidente Michel Temer deve passar parte do investimento em educação à manutenção do Fundo Nacional da Segurança Pública (FNSP). A medida provisória que destina recursos das loterias federais para o fundo representa …

49 crianças brasileiras foram separadas dos pais e enviadas a abrigos nos EUA

Quarenta e nove crianças brasileiras estão em abrigos e foram separadas dos pais ao ingressarem ilegalmente nos Estados Unidos. A informação é do cônsul-geral adjunto do Brasil em Houston, Felipe Santarosa, que concedeu entrevista à …