Texugos e coelhos podem ter sido os primeiros vetores da covid-19 na China, diz OMS

Equipe, que foi a Wuhan em missão de quatro semanas, acredita que é preciso estender análises para o Sudeste Asiático e outros animais que podem ter sido os primeiros vetores da pandemia do coronavírus.

Investigadores da Organização Mundial da Saúde (OMS) identificaram uma nova possibilidade do espalhamento do novo coronavírus para humanos. A suspeita é de que texugos-furões e coelhos vendidos em um mercado chinês da cidade de Wuhan, onde muitos dos primeiros casos surgiram em dezembro de 2019, possam ter carregado o vírus.

Os profissionais alegam que ainda é preciso haver mais investigações nos fornecedores do mercado para determinar com mais certeza as origens da pandemia. Alguns fornecedores de animais vieram de uma região da China perto das fronteiras do Sudeste Asiático, onde tipos parecidos do vírus foram encontrados em morcegos.

Ainda na China, os especialistas suspeitam da possibilidade de contágio humano a partir dos visons, pequenos animais famosos por sua pele.

A equipe da OMS ainda não tem certeza se o vírus saltou primeiro de animais para humanos no mercado chinês ou se estava circulando em outro lugar antes. Com isso, acredita-se na necessidade de estender a investigação também a outros países, especialmente no Sudeste Asiático, onde coronavírus semelhantes foram encontrados recentemente, incluindo a Tailândia e o Camboja.

Além das teorias do início da pandemia pela venda de animais como o coelho e o texugo-furão no mercado de Wuhan, zoólogos e virologistas da OMS também supõem que o vírus possa ter se espalhado por meio do comércio ilegal de animais selvagens na China.

Dominic Dwyer, um microbiologista da equipe da OMS, afirmou ser importante incluir o Sudeste Asiático e outros países na pesquisa. “Só porque o comércio de animais selvagens é ilegal, não significa que não aconteça, e isso é complicado”, ponderou.

Já foi detectado que o vírus sobrevive quando resfriado ou congelado em experimentos de laboratório. Mas, apesar de enfraquecido quando descongelado, não está claro se permanece infeccioso.

O problema é que o mercado chinês também pode ter vendido os animais vivos de maneira ilegal, já que ex-vendedores e gerente do comércio disseram ao The Wall Street Journal que viram carcaças e mamíferos vivos enjaulados, incluindo cães, coelhos e texugos.

Peter Ben Embarek, líder da equipe da OMS, disse em uma entrevista publicada na revista Science no domingo (14) que os investigadores querem fazer estudos mais aprofundados, particularmente na China, em outros animais suscetíveis ao SARS-CoV-2, incluindo martas, raposas e cães-guaxinins.

Ele e outros membros da equipe também ressaltaram a probabilidade de o coronavírus ter entrado primeiro em Wuhan, como sugerem as autoridades chinesas, por meio de outros tipos de importação de alimentos congelados, mesmo não tendo havido surtos generalizados de COVID-19 em fábricas de alimentos em outras partes do mundo na época.

Enquanto não é possível afirmar quando e onde o vírus se espalhou pela primeira vez para humanos, as tensões internacionais, entre EUA e China, seguem acirradas.

Uma equipe da OMS fez recentemente uma viagem de quatro semanas a Wuhan, mas o acesso aos cientistas locais e dados dependeu da cooperação de Pequim, que tem sugerido repetidamente que o vírus se originou fora da China.

Ciberia // Sputnik

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Cientistas resolvem enigma de esculturas de pedra de 3.200 anos da Turquia

Um recente estudo permitiu descobrir finalmente o significado e a função dos relevos em pedra criados há 3.200 anos no santuário de Yazilikaya, na Turquia, após 200 anos de conjeturas. No século XIII a.C., a alguns …

EUA não devem esperar retomada do diálogo com Pyongyang, diz irmã de Kim Jong-un

As expectativas de retomada do diálogo entre os EUA e a Coreia do Norte são erradas, podendo levar a uma "decepção ainda maior", declarou a irmã do líder norte-coreano. Na terça-feira (22), Kim Yo Jong, alta …

Ministro da Saúde diz que não há mudança de estratégia para a Coronavac

No início desta segunda-feira (21), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, revelou que não haverá qualquer mudança de estratégia para a aplicação da CoronaVac. A declaração do ministro foi feita em audiência ao Senado Federal, revelando …

Há 80 anos, Hitler invadia a URSS – e começava a perder a guerra

Adolf Hitler e seus generais vinham planejando há meses para este momento. No domingo, 22 de junho de 1941, havia chegado a hora: às 3h15 da manhã, a Wehrmacht, forças armadas nazistas, atacou a União …

Com apenas 2% da população imunizada, África quer fabricar suas próprias vacinas anticovid

A África do Sul anunciou nesta segunda-feira a primeira etapa para capacitar seu continente na produção de vacinas anticovid. A conclusão do projeto ainda não tem data prevista, mas a iniciativa já é vista …

Pessoas feias superestimam drasticamente suas aparências

Pessoas pouco atraentes parecem menos capazes de julgar com precisão sua própria atratividade, e tendem a superestimar sua aparência. Não faltam disparidades entre pessoas atraentes e pouco atraentes. Estudos mostram que os mais belos entre nós …

Noruega acusa Pequim de ciberataque contra serviços do governo

Pela primeira vez na história, o Serviço de Segurança Policial da Noruega (PST, na sigla em inglês) identificou a China como sendo responsável por um ataque hacker contra as autoridades do país nórdico. A agência de …

China supera marca de 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 aplicadas

Quantia representa mais de um terço das doses aplicadas no mundo. Após início lento da imunização, autoridades chinesas querem vacinar completamente 40% da população até o final de junho. O número de doses de vacinas contra …

Brasileiros protestam no exterior contra Bolsonaro e gestão da epidemia

Dezenas de milhares de pessoas tomaram as ruas de várias capitais brasileiras neste sábado para protestar contra o presidente Jair Bolsonaro e sua gestão da pandemia, que já deixou mais de meio milhão de …

Relíquia do Jurássico: descoberto animal marinho cuja espécie vive há 180 milhões de anos

Um grupo de pesquisadores descreveu uma nova espécie de ofíuros – um animal marinho parecido com as estrelas-do-mar, que recebeu o nome de Ophiojura, informou nesta quinta-feira (17) Tim O’Hara, curador dos Museus Victoria (Austrália) …