Trump em guerra aberta com o FBI

Donald J. Trump, 45º presidente dos EUA

O chefe de gabinete da Casa Branca tentou neste mês, sem sucesso, que o FBI desacreditasse publicamente as informações da imprensa sobre supostos contatos com a Rússia da campanha eleitoral de Donald Trump. O presidente diz agora que a agência é incapaz de conter vazamento de informações à imprensa.

Segundo informações divulgadas na quinta-feira pela “CNN” e outros veículos de imprensa americanos, o chefe de gabinete da Casa Branca, Reince Priebus, tentou neste mês, sem sucesso, que o FBI desacreditasse publicamente as informações da imprensa sobre supostos contatos com a Rússia da campanha eleitoral de Donald Trump.

O pedido de Priebus esteve relacionado com uma informação publicada pelo jornal “The New York Times”, segundo a qual vários assessores da campanha presidencial de Trump mantiveram “reiterados contatos” com agentes da inteligência russa durante o ano anterior às eleições presidenciais de novembro do ano passado nos EUA.

De acordo com a “CNN”, que cita uma fonte judicial e outra da Casa Branca, Priebus falou sobre esse artigo do “The New York Times” no dia seguinte de sua publicação com o subdiretor do FBI, Andrew McCabe, aproveitando uma reunião sobre outro tema na residência presidencial.

Priebus voltou a ligar para McCabe e o diretor do FBI, James Comey, pedindo que eles falassem com os jornalistas desmentindo a informação.

Uma fonte da Casa Branca ressaltou à emissora, no entanto, que a solicitação de Priebus aconteceu depois que o FBI comunicasse à Casa Branca que achava que essas informações da imprensa eram incorretas.

A solicitação da Casa Branca ao FBI viola normas governamentais emitidas em 2007 e 2009 que proíbem esse tipo de contatos em relação com investigações pendentes, segundo denunciou o congressista democrata John Conyers.

“Isto é profundamente preocupante pela tentativa inadequada de influenciar o FBI, e que poderia revelar uma trama mais ampla dentro da Casa Branca de Trump para encobrir alguma negligência durante a campanha”, disse o congressista.

Até o momento, o FBI não fez comentários públicos sobre as informações relativas aos supostos contatos da campanha de Trump com a Rússia, que foram se sucedendo desde a chegada ao poder do novo presidente.

Trump diz que FBI é incapaz de conter vazamento de informações à imprensa

Esta sexta-feira, o presidente Donald Trump disse que o FBI é incapaz de deter os vazamentos de informações classificadas à imprensa, algo que, segundo sua opinião, pode ter “um efeito devastador” para o país.

O FBI é totalmente incapaz de deter os ‘vazadores’ da segurança nacional que se infiltraram em nosso governo há muito tempo”, denunciou Trump em sua conta pessoal no Twitter.

Segundo o presidente americano, o FBI nem sequer pode encontrar quem passa as informações de dentro da própria agência.

“As informações classificadas que estão sendo dadas à mídia podem ter um efeito devastador nos EUA”, disse Trump em outro tweet, ao pedir que os responsáveis pela divulgação desse tipo de material sejam localizados imediatamente.

Na semana passada, Trump declarou guerra aos vazamentos à imprensa de informações sobre seu governo, que se multiplicaram desde sua posse, em 20 de janeiro, e ordenou uma investigação desses atos “criminosos”, pelos quais os responsáveis pagarão “um alto preço”.

Entre os vazamentos que mais irritaram Trump está o que revelou que Michael Flynn, seu ex-assessor de segurança nacional, tinha conversado com a Rússia sobre as sanções impostas a esse país e mentido em relação ao vice-presidente, Mike Pence.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morre aos 84 anos

Primeiro negro a ocupar topo da diplomacia e da máquina militar americana, ex-general teve papel de destaque na Guerra do Golfo e arranhou sua credibilidade ao apoiar a invasão do Iraque uma década depois. Colin Powell, …

Criminosos usam escaneamento por código do próprio usuário para 'sequestrar' contas do WhatsApp

Em 2019, um relatório divulgado pelo laboratório de pesquisa da empresa de segurança virtual Eset alertou que uma das formas crescentes de sequestro de contas do WhatsApp era feita por meio de um ataque conhecido …

EUA: Manobras de Trump bloqueiam investigação sobre invasão do Capitólio

Vários parceiros e associados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se recusaram a comparecer à comissão da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio, sede do …

Dor nos olhos após COVID-19: cientistas explicam causa de complicação inesperada do vírus

Uma pesquisa de cientistas alemães mostrou que o coronavírus pode penetrar nos olhos e infectar os fotorreceptores e células ganglionares na retina. Isso pode ser uma causa de problemas com os olhos após a COVID-19. Os …

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata …

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …

Explosões deixam vários mortos em mesquita no Afeganistão

Ao menos 33 pessoas morrem após explosões em mesquita xiita durante a oração de sexta-feira. Testemunha diz ter visto homens-bomba. Incidente ocorre dias depois de ataque do "Estado Islâmico" contra xiitas no país. Fortes explosões atingiram …