Mais de 90% das geleiras dos Alpes podem desaparecer até 2100

Estudo alerta para mudanças drásticas na paisagem alpina devido ao aquecimento global. Mesmo que emissões de CO2 sejam significativamente reduzidas até o fim do século, somente um terço do gelo da região deve sobreviver.

Em todo o mundo, as geleiras estão desaparecendo em ritmo mais rápido do que os cientistas imaginavam, e somente nos Alpes, mais de 90% delas podem desaparecer até o fim deste século, apontam estudos divulgados nestas segunda e terça-feira.

Segundo pesquisadores suíços, até 2100, emissões descontroladas de gases causadores do efeito estufa e aquecimento global podem resultar no derretimento da maior parte do gelo que define as paisagens e os ecossistemas dos Alpes. Há mais de 4 mil geleiras na região.

“Na abordagem mais pessimista [se as emissões continuarem aumentando no ritmo atual até o fim do século], os Alpes estarão na maior parte descobertos de gelo até 2100, com algumas porções isoladas em locais e elevação alta, representando 5% ou menos do volume de gelo dos dias atuais”, afirmou o coautor do estudo Matthias Huss, da Universidade ETH de Zurique.

Mesmo num cenário em que, após atingirem seu máximo dentro de alguns anos, as emissões regridam a zero até o final do século, somente um terço das geleiras alpinas sobreviveria.

Talvez a descoberta mais preocupante dos pesquisadores seja que, devido ao histórico de emissões e os níveis atuais de CO2, os Alpes perderão metade de suas geleiras até 2050, não importa o que venha a ser feito para conter as emissões. A atmosfera terrestre contém atualmente mais de 400 partes por milhão (ppm) de dióxido de carbono, o nível mais alto em três milhões de anos.

“As geleiras são reservatórios. Mesmo uma geleira saudável irá, normalmente, derreter no verão e se tornar um pouco maior no inverno. Isso significa que quando as pessoas mais necessitam de água, elas recorrem à água das geleiras”, afirmou o pesquisador da Universidade Deflt de Tecnologia da Holanda Harry Zekollari, coautor do estudo.

Se as geleiras desaparecerem, não haverá esse reservatório. Nos Alpes, pode ser que ainda seja ok, mas se considerarmos os Andes e o Himalaia, bilhões de pessoas que vivem ali precisam realmente da água das geleiras”, observou.

As reservas de gelo também contribuem para a produção de energia hidrelétrica em vários países alpinos, além de proteger os vales. Segundo Zekollari, se as condições piorarem ainda mais, poderão resultar em tragédias naturais, como enchentes e deslizamentos de terra.

Outro estudo, publicado pela revista científica Nature nesta segunda e que inclui a medição mais abrangente das geleiras já realizada em todo o mundo, concluiu que milhares de massas de gelo estão diminuindo 18% mais rápido do que havia sido calculado por um painel de cientistas em 2013.

As geleiras mundo afora estão perdendo anualmente 369 bilhões de toneladas de gelo e neve e diminuindo cinco vezes mais rápido do que nos anos 1960, contribuindo para o aumento do nível do mar. Essa aceleração é atribuída ao aquecimento global.

“Em mais de 30 anos, quase todas as regiões começaram a perder massa ao mesmo tempo”, diz o cientista que liderou o estudo, Michel Zemp, diretor do Serviço de Monitoramento de Geleiras na Universidade de Zurique, que liderou o estudo. “Isso é claramente o aquecimento global“, afirmou.

As geleiras diminuem mais rapidamente na Europa Central, no Cáucaso, oeste do Canadá, Nova Zelândia, em 48 estados americanos e em regiões próximas aos trópicos. Nesses locais, a perda da massa de gelo é de 1% ao ano, aponta o estudo. “Nessas regiões, segundo os índices atuais de derretimento das geleiras, elas não vão sobreviver a esse século”, disse Zemp.

A equipe de pesquisa utilizou medições por satélite e em solo para analisar 19 mil geleiras, número bem superior a qualquer estudo feiro anteriormente. Segundo os cientistas, apenas no sudoeste asiático as 19 geleiras existentes não estão diminuindo, devido às condições locais do clima.

Desde 1961, o mundo já perdeu 10,6 trilhões de toneladas de gelo e neve (9,6 trilhões de toneladas métricas), o que seria suficiente para cobrir os 48 estados americanos mais ao sul do país com 1, 2 metros de neve. Esse derretimento pode aumentar o nível da água do mar em 27 milímetros.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Brasil é líder em conflitos socioambientais na Amazônia

Dono da maior extensão de Floresta Amazônica, o Brasil também é campeão em conflitos socioambientais na região. Um levantamento inédito comparando a situação de quatro países mostrou que, dos 1.308 confrontos registrados em 2017 e …

Lukashenko toma posse em cerimônia secreta em Belarus

O presidente de Belarus prestou juramento, nesta quarta-feira (26), em uma cerimônia mantida em sigilo. Este é o sexto mandato do chefe de Estado, no poder há 26 anos. "Alexander Lukashenko prestou juramento no idioma bielorrusso, …

Pássaros sacrificados como oferenda aos deuses são encontrados no Egito

Milhões de aves, que teriam sido utilizadas como oferenda aos deuses Hórus, Rá ou Thoth foram encontradas por uma equipe de arqueólogos no Egito. Os arqueólogos da Universidade Claude Bernard Lyon estavam trabalhando nas escavações de …

Navalny deixa hospital em Berlim

Oposicionista russo recebe alta após um mês de tratamento para curar envenenamento por agente neurotóxico do tipo Novitchok. Médicos dizem que recuperação total é possível, mas não sabem estimar efeitos de longo prazo. O oposicionista russo …

Governo pede suspensão de filme da Netflix após acusações de pedofilia

Após diversas acusações de pedofilia nas redes sociais ao filme Lindinhas, que estreou com exclusividade na Netflix, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos pediu a suspensão e investigação sobre sua distribuição …

Mais de 13 milhões de britânicos enfrentam novo lockdown diante do aumento de casos de Covid-19

Um quinto da população do Reino Unido acordou sob um novo lockdown nesta terça-feira (22). Essas pessoas estão sobretudo no norte da Inglaterra e no País de Gales, as regiões mais afetadas pela Covid-19 …

Pinguim é encontrado morto no litoral de SP com máscara no estômago

Um pinguim foi encontrado morto no último dia 9 de setembro na praia de Juquehy, em São Sebastião, litoral de São Paulo – e, depois de realizada a necropsia, a causa da morte foi determinada: …

Misteriosa minilua vai entrar na órbita da Terra em outubro e ficará por meio ano

Corpo celeste tem uma velocidade muito baixa, o que é atípico para asteroides. Cientistas suspeitam que a minilua afinal seja lixo espacial do século passado. Astrônomos descobriram o corpo celeste 2020 SO, que está em uma …

Na ONU, Bolsonaro diz ser vítima de campanha de desinformação

Presidente defende política ambiental do governo e afirma que Amazônia e Pantanal sofrem campanha de desinformação internacional. Ele também elogia sua gestão da epidemia de covid-19, que já matou 137 mil. No discurso de abertura da …

CDC faz alerta sobre transmissão da COVID-19 através do ar, mas volta atrás

Não é segredo que pesquisadores ainda buscam consenso sobre a ação do novo coronavírus (SARS-CoV-2) no organismo humano. Nesse cenário, até o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos gerou polêmica nesta …