Trump terá que indenizar estudantes de sua universidade com US$ 25 milhões

Um juiz dos Estados Unidos deu nesta sexta-feira a aprovação final para um acordo para que o presidente Donald Trump pague uma indenização de US$ 25 milhões a um grupo de pessoas que processou sua universidade por fraude, uma decisão que põe fim ao litígio.

O juiz encarregado de dar o sinal verde ao acordo em um tribunal de San Diego, na Califórnia, foi o magistrado Gonzalo Curiel, que foi alvo de ataques de Trump durante a campanha presidencial de 2016 por ter origem mexicana.

A decisão de Curiel põe fim a sete anos de litígio, evita que a empresa de Trump tenha que ir a julgamento e serve para resolver duas demandas coletivas interpostas pela via civil pelo procurador-geral do estado de Nova York, o democrata Eric Schneiderman, crítico feroz do presidente.

Em uma audiência realizada ontem em um tribunal de San Diego, os advogados dos litigantes disseram que seus clientes, cerca de 3.730 estudantes, poderão receber até US$ 0,90 por cada dólar perdido nos cursos da universidade.

O acordo entre as partes foi conseguido em novembro do ano passado, pouco depois das eleições presidenciais, mas era necessário que o juiz assinasse o pacto, como fez hoje.

Durante a campanha presidencial, Trump prometeu que jamais chegaria a um acordo para resolver os processos contra sua universidade, mas, depois das eleições, anunciou no Twitter que tinha chegado a um pacto porque, como presidente, não teria tempo para lidar com um julgamento.

“Alcancei um acordo no processo contra a Universidade Trump por uma pequena quantidade porque, como presidente, tenho que me concentrar em nosso país“, disse Trump em 19 de novembro.

Os documentos judiciais do caso retratam a Universidade Trump, que abriu em 2005, como um negócio sem escrúpulos que pressionava seus estudantes para que adquirissem cursos sobre negócios imobiliários e finanças com matrículas de quase US$ 35 mil.

O centro teve que mudar em 2010 seu nome para “Trump Entrepreneur Initiative”, pois não contava com uma licença para funcionar como universidade.

Até 80 mil pessoas compareceram aos cursos gratuitos de iniciação da Universidade Trump nos quais os professores pressionavam os estudantes a se matricularem por US$ 9.995 dólares no curso “bronze”, por US$ 19.495 no curso “prata”; e por US$ 34.995 no curso “ouro”, segundo os autos do processo.

Durante a última campanha eleitoral, o caso foi utilizado em várias ocasiões pela candidata democrata Hillary Clinton para atacar Trump e defender que o milionário não merecia ter a confiança dos americanos porque já tinha enganado milhares de pessoas.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Estudo de esqueletos de 200 gerações revela como humanos evoluíram para lutar contra germes

Estudiosos analisaram cerca de 70 mil esqueletos de 200 gerações a fim de entender como a humidade passou por pandemias anteriores. Os estudos foram feitos acerca de doenças infecciosas como tuberculose, treponematose e hanseníase. Os pesquisadores …

Médica adverte sobre síndrome inflamatória multissistema em pacientes que superaram covid

A médica-chefe de um hospital de Moscou, Mariana Lysenko, declarou em uma entrevista ao canal RT que alguns dos pacientes que superaram a COVID-19 podem desenvolver uma síndrome inflamatória multissistema. De acordo com a médica, a …

Militares abrem fogo contra manifestantes em Mianmar

Forças de segurança reforçam repressão aos protestos contra golpe de Estado e deposição do governo democraticamente eleito. Relatos de mortes surgem de várias cidades. ONU condena violência e o uso de força excessiva. As forças de …

LEGO lança quiz online para educar a criançada sobre cyberbullying

O sentido educacional que os brinquedos da LEGO oferecem ganha nova e ainda maior dimensão com o lançamento do Safer Internet Day (ou Dia da Internet mais Segura, em tradução livre), um quiz virtual desenvolvido …

Covid-19: Peru prorroga suspensão de voos do Brasil até 14 de março

O governo do Peru anunciou neste domingo (29) a prorrogação até 14 de março da suspensão de voos procedentes do Brasil. A medida preventiva visa evitar a entrada de passageiros que podem estar infectados …

Ex-funcionários do McDonald's revelam "estratégia de espionagem" da rede de fast-food

A revista Vice analisou testemunhos de supostos trabalhadores anônimos do McDonald's que tinham conhecimento direto da vigilância, e vazou documentos que explicam as táticas de espionagem. Uma equipe de analistas de inteligência da cadeia de fast-food …

Bolsonaro usa pesquisa alemã distorcida para criticar uso de máscaras

O presidente Jair Bolsonaro usou sua live de quinta-feira (26/02) para mais uma vez desestimular o uso de máscaras contra a covid-19. No mesmo dia em que o Brasil registrou a segunda pior marca de mortes …

Cientistas congelam sêmen de corais para tentar salvar espécie da extinção no Brasil

Estima-se que até 50% dos recifes de corais já desapareceram dos oceanos. A previsão para o futuro também não é animadora: uma projeção da Unesco apontou que, caso as mudanças climáticas não sejam revertidas, eles …

Esqueletos descobertos podem revelar a história do mais rico pirata da historia, morto há 300 anos

No início do século XVIII, quem mandava nos mares sem lei do Caribe, da América Central e da América do Norte era o grande pirata inglês Samuel Bellamy, imortalizado pelo apelido de “Black Sam”. Um dos …

Biden isola príncipe saudita, provável alvo de relatório da CIA sobre morte de jornalista

O presidente americano, Joe Biden, falou pela primeira vez por telefone nesta quinta-feira (25) com o rei Salman, da Arábia Saudita, na iminência da publicação de um aguardado relatório de inteligência sobre o assassinato …